segunda-feira, 17 de maio de 2021

Novas aberturas de séries: quando um cartão de visitas marca uma nova fase e o deixa mais interessante



A abertura de uma produção diz muito sobre ela. É o cartão de visitas, o meio pelo qual algo é apresentado ao público. Sou daqueles que repara na abertura de um produto, que fica fascinado, que a elogia ou que a critica. A abertura é a alma do negócio. Existem aberturas arrojadas, criativas, minimalistas, que diz muito sobre a obra; mas também aquelas pobres e pouco inventivas. Uma abertura pode ser até simples, mas ela pode ser inesquecível.

Recentemente reparei a mudança de aberturas de diversas séries. Tais mudanças tiveram ao menos dois motivos, são eles: marcar uma nova fase nas produções e deixar os produtos mais interessantes e arrojados visualmente. 

Entre as produções que assisto que tiveram mudanças de aberturas, estão: Young Sheldon, The Flash, DC's Legends of tomorrow, Batwoman e Supergirl. Young Sheldon teve sua abertura atualizada há dois anos, enquanto as demais de um ano (ou uma temporada) para cá. Também é importante destacar que praticamente todas as séries da DC (Retire Young Sheldon aqui) estão tendo modificações nas aberturas, isso porque a DC quer unir os heróis por meio do multiverso, após os últimos eventos do crossover Crises nas infinitas terras.

Nesse post falarei de cada uma das aberturas supracitadas, fazendo comparações com as aberturas antigas e as atuais. Também analisarei os aspectos técnicos, visuais e design de cada abertura. Quer vir comigo!?


Young Sheldon

A abertura da primeira temporada conta com Sheldon (Iain Armitage) em um cenário rural "interagindo" com uma vaca e um pouco de feno com sua maletinha e gravata. A partir da terceira temporada o cartão de visitas ganhou uma nova roupagem, com a inclusão dos pais e irmãos do protagonista interagindo com Sheldon. Assista as evoluções da abertura agora:

   


Perceberam que a abertura é praticamente a mesma, mas com a adição de elementos, tornando-se dinâmica? Shelly, em cada episódio, surge com uma roupa e um adereço diferente: look normal com maleta, caracterizado de astronauta, vestido de Spock, de The Flash, de maquinista de trem e de Albert Eistein. É interessante que a família do pequeno prodígio interage com ele, achando-o esquisito com suas fantasias, e com a vaca que aparece no cenário.

E a logo da série praticamente não mudou. O estilo e a fonte da logo é a mesma. O que talvez possa ter modificado são os fundos da logo. Fiz uma montagem para vocês entenderem melhor:




A atualização da abertura serviu para não dar destaque apenas ao Sheldon, mas à sua família - pais, irmãos e avó - que a cada episódio ganharam mais destaque com suas próprias conquistas, conflitos e estórias. 


The Flash

A mudança de abertura da série The Flash na sexta temporada no ano passado foi um pouco mais visível. A vinheta de pouco mais que cinco segundos, agora ganhou uma abertura de 15 segundos. Assista a abertura atual (Não encontrei no Youtube a vinheta das temporadas anteriores):

   


A nova abertura ficou um tanto quanto épica e cinematográfica, lembrando as produções da Marvel. O novo cartão de visitas apresenta personagens e cenas emblemáticas da série com um fundo instrumental e raios perpassando as imagens, até que é finalizado com a logo da série. 

A logo passou por algumas repaginações também, ganhando novos traços, elementos e fonte. Perceba as diferenças abaixo (A imagem da esquerda é a antiga e a da direita é a atual). 




A abertura agora está mais empolgante, como se fosse de um longa metragem. Além disso, ela dá mais espaço aos outros personagens da série.


DC's Legends of tomorrow

A partir da quinta temporada a abertura de DC's Legends of tomorrow também passou por repaginações. Aconteceu como na evolução dos cartões de visita de The Flash. A vinheta que tinha pouco mais de cinco segundos, agora possui 12 segundos. Assista à nova abertura (De novo, não encontrei a abertura antiga):


   



A abertura ficou jovial, dinâmica, lúdica e divertida, com colagens dos personagens da trama que faziam movimentos e uma trilha sonora empolgante. 

A logo também passou por transformações: a fonte prateada arrojada deu espaço para uma fonte mais jovial e lúdica nas cores vermelho e azul, com um efeito "respingado" atrás.




Essa talvez seja a série mais divertida e lúdica da DC atualmente e a nova abertura transmite exatamente isso. 


Batwoman

A abertura da série da mulher-morcego foi modificada na transição da primeira para a segunda temporada, com o intuito de marcar a saída da antiga protagonista para a nova. A abertura ficou levemente mais longa, de seis segundos passou a ter 11 segundos. Assista as aberturas da primeira e segunda temporada abaixo:


   



 


Perceberam a diferença? A segunda abertura é mais dinâmica e tem mais estória do que a primeira, enquanto a trilha sonora entre elas também é diferenciada. Para mim, a principal diferença é no pano de fundo das aberturas e no uso das cores. Enquanto a primeira usa um pano de fundo nas cores vermelho e preto, a segunda utiliza a cidade de Gotham. 

A logo sofreu pequenas modificações. A fonte e o lançador de morcego é praticamente o mesmo, mas a diferença está no uso das cores e seus gradientes e também no tamanho de cada logo. 




A nova abertura serviu mesmo para marcar a nova fase do seriado e confesso que acho ela mais interessante que a anterior. 


Supergirl

A mudança mais visível e importante entre as aberturas de Supergirl tem a ver com suas logos. Até a quinta temporada era um cartão de visitas, a partir da quinta em diante outro. Compare as aberturas da segunda e quinta temporada da série:


    



 


Supergirl não teve uma mudança tão drástica no cartão de visitas como em The Flash, DC's Legends of tomorrow e Batwoman, a não ser que algo tenha modificado na temporada atual, que são os novos episódios que eu ainda não acompanhei.

Como falei, a mudança foi mais na logo e na dinâmica da vinheta. A logo ficou um pouco mais arrojada, além de ter sido inserida uma nova matiz de cor. O vermelho e o azul, deu espaço para um vermelho em outra tonalidade. O fundo, por sua vez, que era preto, agora é em degradê nas cores amarelo, azul e verde. A fonte praticamente foi mantida. A dinâmica da vinheta atual é mais interessante, pois começa com vários quadradinhos pixelizados que formam a logo da superheroína.  




A nova abertura é mais dinâmica, criativa e pensada fora da caixinha. Acho ela incrível, assim como a nova logo.


Essas foram as novas aberturas que percebi das séries que assisto atualmente. E vocês, lembraram de alguma série que teve a abertura modificada recentemente? Acredita que o novo cartão de visitas marca uma nova fase do produto e o deixa mais interessante? Os espaços dos comentários servem para isso. J-J 


Por: Emerson Garcia

sábado, 15 de maio de 2021

Rádio Bagaralho: programa 'Você pede, a gente não toca'



Olá ouvintes da Rádio Bagaralho FM (Rádio Bagaralho, a rádio do... povo). Aqui quem fala é o locutor Arthur Claro, aquele que é igual porém diferente. Com o oferecimento das Lojas Olhoko Ponto Cão começa agora mais um programa Você pede, a gente não toca!


Arthur: Estou tão animado hoje, e vocês? Espero que hoje tenha bastante ligações. Por falar nisso... Alô?

Antonio: Alô, eu quero pedir uma música.

Arthur: Pode pedir a sua música, pois aqui você pede e a gente não toca.

Antonio: Eu quero ouvir a música Chame o juiz da Fernanda Costa.

Arthur: Beleza, meu camarada. Vou tocar pra você 'Acorda amor' do Chico Buarque.





Arthur: Começamos bem. Que tal atender mais uma ligação? Alô, quem fala?

Luciana: Alô, aqui é a Luciana. Quero ouvir a música Luzes de São Paulo da dupla Fernando e Sorocaba.

Arthur: Oi, Lulu. Vamos tocar a música 'As luzes da cidade' da dupla Leandro e Leonardo.





Arthur: Que maravilha ouvir o saudoso Leandro. Eu tenho lágrimas nos olhos só de lembrar dele, e vocês? Então, antes que eu chore, vamos para a próxima ligação.

Kelly: Oi, querido. Eu também fico com lágrimas nos olhos quando lembro do Leandro. Aliás, quero continuar nessa vibe amorosa. Quero ouvir Apelido Carinhoso do Gustavo Lima.

Arthur: É pra já minha amiga. Vamos tocar 'Carinhoso' do Pixinguinha.





Arthur: Quero ver quem será a pessoa que vai me fazer chorar, pois vocês só estão pedindo músicas deliciosas de ouvir.

Mirna: Alô, será que você pode tocar a música Batom de cereja? Eu amei ouvir no Big Brother.

Arthur: Mas é claro que vou tocar. Então, vamos ouvir esta sensacional música que marcou a edição 21 deste amável reality show brasileiro.





Arthur: Quero agradecer a todos que participaram deste programa, mas acabei de ser informado que não temos mais nenhuma ligação, então vou encerrá-lo. Espero por vocês nos próximos programas.





Queridos ouvintes, quero agradecer a todos e espero que continuem ouvindo a Rádio Bagaralho. Vocês também podem dar ideias de bandas e cantores para que eu realize uma discografia deles. Peço também que comentem nesse post as músicas que gostariam de ouvir, pode ser qualquer estilo musical. Um bom fim de semana repleto de felicidades. Sigam a Rádio Bagaralho no Instagram (@radiobagaralho). J-J


Por: Arthur Claro

sexta-feira, 14 de maio de 2021

O perigo da divisão de gêneros na imunização contra o coronavírus na cidade do Rio de Janeiro


Pela primeira vez na cidade do Rio de Janeiro a imunização contra o coronavírus foi dividida por gêneros, ou seja, homens de determinada faixa etária foram vacinados em um dia, e mulheres de determinada faixa etária em outro. Segundo o secretário da saúde do Rio, Daniel Soranz, a separação por gêneros será uma medida adotada daqui em diante na cidade. O intuito foi evitar a aglomeração, mas essa segregação exclui o atendimento médico de pessoas transexuais e transgêneros, evidenciando um problema para a saúde de um grupo específico e reafirmando o preconceito.


O discurso e a jutisficativa para a separação é plausível e benéfico para a saúde da população, quando ele diz (com grifos):

"Com datas separadas para homens e mulheres, distribuímos melhor as pessoas em dois dias. Antes, todos estavam procurando os postos no primeiro dia e de manhã. Pedimos que as pessoas procurem os postos no período da tarde, quando as unidades estão mais vazias".


Contudo ele desprotege as pessoas transexuais e travestis que provavelmente não tem conseguido se vacinar por conta dessa separação. Imagina que difícil seria uma mulher trans, por exemplo, que não consegue se vacinar como mulher e, provavelmente, não vai querer se vacinar como homem por motivos óbvios. Além disso, os indivíduos transexuais e travestis não procuram atendimento médico, muitas vezes, por medo de sofrerem discriminação, maltratos e por crerem que não serão chamados por seus nomes sociais. O que é algo totalmente contraditório, tendo em vista que a Constituição de 88 prevê o não condicionamento ao acesso à saúde no SUS, ou seja, toda e qualquer pessoa tem o direito de ser atendida e tratada, independente de condição sexual, social ou racial.

A Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde (2006), que consolida os direitos e deveres do exercício da cidadania na saúde no Brasil, afirma que "todo cidadão tem direito ao atendimento humanizado, acolhedor e livre de qualquer discriminação", mas na prática não é isso que ocorre e a medida da cidade do Rio de Janeiro demonstra isso. Se analizarmos de forma precisa, as pessoas transexuais e travestis estão impedidas ao acesso universal, integral e equânime na saúde. A sociedade da cidade carioca (Vou ser específico para não generalizar) é heteronormativa, aceitando apenas homens e mulheres como gêneros e pessoas normais. Para ela, homem é homem e mulher é mulher, e qualquer outro gênero que fuja disso é visto a partir da perspectiva da anormalidade. Pode ser que haja uma falta de conhecimento, mas no fundo isso se chama repulsa e discriminação. É não aceitar que uma pessoa não se identifique com o seu gênero biológico, a obrigando ela ser o que não é e a se vacinar, por exemplo, como homem ou mulher, sendo que ela não se identifica nem como um nem como outro. Por que não criar uma terceira seleção para que homens e mulheres trans e travestis se vacinem? Simples, porque a sociedade da cidade carioca (E eu quero estar iludido que a sociedade do Brasil e do mundo não tenha esse comportamento) é discriminatória e preconceituosa. O governador e secretário de saúde não querem beneficiar e incluir essas classes para não ferirem a hetoronormatividade da cidade carioca, muito menos fazer apologia à classe LGBTQ+, porque eles são heterões e destilam suor e testosterona por aí e não querem ser chamados de boiolas, viadinhos ou qualquer outro nome LGBTQ+ (insira aqui o seu insulto LGBTQ+).



Talvez o que falte na sociedade da cidade carioca é educação, conhecimento e informação que as pessoas transgêneros e transexuais também são seres humanos e merecem ser vacinadas como qualquer outro indivíduo. O desafio se encontra em como ser educado e informado, sendo que não existem meios para isso e quando o governo ou a secretaria de saúde deveriam ser os mais informados e promovedores da educação excluem da imunização uma classe que existe (Só não vê quem não quer enxergar). Outra questão, ainda grave, é que os próprios profissionais da área da saúde não sabem lidar com a comunidade transexual e travesti (Isso sem falar que não sabem lidar com gays e lésbicas também, mas vamos fingir que esses são bem atendidos #sqn).

Em dezembro de 2011 foi criada a Política Nacional de Saúde Integral de LGBTQs a fim de promover a saúde integral LGBTQ+ de forma a eliminar a discriminação e o preconceito institucional. Ano passado, durante a Semana do Orgulho LGBTQ+ 2020 aqui no JOVEM JORNALISTA, Thiago Nascimento e Milena A. Soares, falaram dessa política e seus pontos. É uma política muito bonita, mas utópica e difícil de ser colocada em prática. Os pontos (que não vou colocar aqui, se quiser você pode ler no post) provocam o riso e o pensamento do tipo "Sério que está escrito isso? Você tá brincando", porque nada do que está previsto acontece na realidade (quer dizer, na realidade da cidade carioca, claro). O post se chama Saúde LGBTQ+ no Brasil e teve o intuito de discutir o funcionamento do SUS para a comunidade e como os LGBTQ+ são discriminados na saúde.



O SUS pode, sim, tornar-se um importante meio de promover a cidadania das pessoas trans e transgêneros se, e somente se, universalizar o seu acesso e sendo um serviço de equidade que as considere como indivíduos e levando em consideração, claro, suas saúdes. A saúde e as medidas para preservá-la sempre devem vir em primeiro lugar, mas acima delas se encontra a saúde para todos, inclusive para as pessoas transexuais e travestis. J-J


Por: Emerson Garcia

quinta-feira, 13 de maio de 2021

Entre Frames #42: We believe - Good Charlotte






Quando publiquei minha análise sobre o clipe #WHERESTHELOVE no último dia 15 de abril, recebi um comentário da Paloma Viricio sugerindo que analisasse We believe da banda Good Charlotte porque o meu texto tinha feito ela lembrar dele. Então, atendendo ao seu pedido o Entre Frames de hoje será sobre esse clipe.

We believe tem muitos pontos em comum com #WHERESTHELOVE, principalmente por ambos os trabalhos audivisuais trazerem imagens reais e de fatos cotidianos, por falar de violência, guerra, desastres naturais, mas também de esperança, amor e acreditar. 

We believe é uma música de 2004, sendo que seu clipe está disponível no Youtube desde 25 de outubro de 2009. Ele já conta com 15.860.708 visualizações, 87 mil curtidas e 1,7 mil descurtidas. A música faz parte do álbum The Chronicles of Life and Death.

O clipe é sobre o que estava acontecendo no mundo naquela época, mas se encaixa perfeitamente aos dias atuais. Ele retrata a destruição do planeta terra, seja por meio de ideologias, guerras ou desastres naturais, e em como o amor se tornou algo escasso. Mas é também sobre ter esperança de dias melhores, de acreditar e crer, como o próprio título sugere. 

As imagens foram captadas como se a banda estivesse em uma apresentação musical ou em um show e há várias imagens e vídeos emblemáticos no telão atrás do palco. O clipe tem basicamente duas paletas de cores, é simples, porém eficaz na mensagem. Assista-o: 




Vamos à análise agora?


Movimentos de câmera



É interessante observar como os movimentos de câmera foram empregados nesse clipe, sempre dinâmicos, inventivos e com o intuito de filmar os integrantes da banda, sejam de frente, de lado ou até mesmo de trás. Para todos esses movimentos, percebi que a câmera girava e se movimentava em diversos ângulos e perspectivas. A câmera chegou a filmá-los de cima para baixo (0:47 - 0:49); e de costas, pegando uma outra visão do palco e filmando seus arredores (1:49 - 1:53). 

O intuito foi simular um show mesmo. Embora sem plateia, deu para sentir toda a vibe da apresentação, seja por conta dos movimentos de câmera, das luzes, das performances, das fumaças e até mesmo do telão. 


Imagens icônicas no telão!



O clipe apresenta imagens impactantes, como a do Tsunami no Oceano Índico de 2004 (0:23 - 0:25; 0:29 - 0:31) que dizimou 227.898 pessoas; do rebelde desconhecido (Homem dos tanques) (2:48 - 2:53) que ficou conhecido durante os protestos na Praça da Paz Celestial em Pequim, em 5 de junho de 1989, por ficar na frente de tanques do exército. 



Também há imagens de guerras que não consegui identificar quais seriam os fatos referentes, seja entre 0:37 - 0:42, 2:30 - 2:34 e 2:41 - 2:42. O que posso dizer é que essas cenas me impactaram e me mobilizaram de forma tremenda. Compartilho uns prints abaixo:



O interessante é que as imagens do telão funcionam como se fizessem parte do próprio cenário do clipe e como se fossem, muitas vezes, papeis de parede, onde os músicos tocam e cantam em frente a esses cenários. Um bom exemplo disso é quando o guitarrista aparece à direita do vídeo, compondo com as imagens do telão (0:45 - 0:46).  


As imagens também influenciam no que ocorre no palco quando, por exemplo, uma bomba explode em um dos vídeos do telão e imediatamente o guitarrista sente seus efeitos e se movimenta. Isso ocorre entre 2:34 e 2:36



Há motivos para acreditar?



Em meio à guerras, violências, desigualdades sociais, racismo, corrupção e uma infinidade de outras coisas, será que ainda existem motivos para acreditar? Sim, pois a esperança e a crença em algo melhor permanecem para sempre por mais que hajam controvérsias e que a realidade diga o contrário. Na verdade, a decisão de acreditar e de possuir esperança não depende de um fator externo, mas do interior de quem deseja. 

Dessa forma, durante o refrão da música que diz "We believe" (Nós acreditamos) aparecem no telão pessoas ao redor do mundo segurando cartazes com esses dizeres em línguas diferentes, como espanhol, coreano, hebraico, inglês, holandês, francês e alemão (0:56 - 1:13; 1:44 - 1:48). 

"Acreditar no amor", como vimos no clipe #WHERESTHELOVE, é a resposta para o mundo doentio, violento, perigoso e cheio de desigualdades. O amor é o antídoto, a cura, o resultado, a resposta. 


Humanos



O clipe não só enfatiza os seres humanos que promovem o mal, como faz questão de destacar as pessoas de bem, esperançosas, que apesar do caos e da escuridão do mundo, não se deixaram levar para o "lado escuro da força". Passamos a conhecê-las entre 1:15 e 1:16, quando a câmera as filma de perto, em close, mostrando seus rostos, feições e humor. São pessoas de diferentes nacionalidades que mostram, a partir do seu rosto, o desejo de mudança e o sentimento de crença.

Na parte em que é cantado o trecho "We are all the same Human in all our ways and all of pain (So let it be)" (Nós somos todos os mesmos  Humanos em todo nosso jeito e toda a dor (Então deixe estar))" há várias imagens de seres humanos alegres, se divertindo entre amigos na praia e mostrando seus melhores lados (1:22 - 1:28). Um contraponto latente com relação aos momentos tristes e dramáticos apresentados no telão. 




Se se declara que acredita no amor, é necessário demonstrar com atitudes. O sorriso no rosto e a alegria contagiante seria a primeira, mas o clipe também enfatiza uma cena emocionante de um guarda do exército que "meio que deixou a guerra e a violência de lado" para interagir com crianças que jogavam futebol em um campo (2:18 - 2:19); ou quando há momentos de solidariedade e ajuda aos necessitados, como a distribuição de alimentos e água (1:32 - 1:44). 







Do azul ao amarelo


O clipe possui duas paletas principais: a primeira, azul, entre 0:00 e 2:42; e a segunda, amarela, entre 2:42 e 3:50. Elas servem, basicamente, para marcar dois momentos no clipe: o primeiro, quando não existe esperança; e o segundo, quando ela aparece. De um ambiente escuro e cheio de sombras, abre-se espaço para um iluminado e luminoso. 

É possível perceber claramente tons de azul na primeira parte e tons de amarelo/dourado na segunda. O azul, como se estuda nas Teorias das cores, é uma cor fria, sensitiva, ligada à tristeza, depressão e tranquilidade. Já o amarelo, é uma cor quente, solar, alegre, expansiva e ligada à extroversão e alegria. Acredito que elas não foram escolhidas de forma aleatória para compor as paletas do clipe. 



Velas e luminosidade




A partir de 2:42, o clipe ganha uma nova paleta de cores, imagens de pessoas com velas são projetadas no telão e até mesmo as fontes de luzes do palco onde a banda performa ilumina o ambiente com cores radiantes. A vela é apresentada como um símbolo de prece, crença e esperança. Aqui ela serve para iluminar o mundo com bons sentimentos, como o amor, esperança, alegria e compaixão. A vela também é apresentada no sentido religioso, como se a resposta do caos apresentado desde o início do clipe estivesse na oração e no próprio Deus. 

Se o clipe já rendia bons jogos de luzes e sombras quando a paleta era azulada, agora é um verdadeiro desbunde visual, cheio de luz, luminosidade e brilho. Separei alguns prints:




Flores


Outro símbolo forte no clipe, além das velas, são as flores que estampam as imagens do telão, seja em 1:54, 2:08 ou 2:14 - 2:15. Elas são símbolo da natureza, da vida, de pureza, de paz, de riqueza, de sucesso, de bem estar, de alimento, de energia, de cura, de amor, de qualidade de vida e uma infinidade de outras coisas benéficas e incríveis. Acredito que elas casaram perfeitamente com a ideia do clipe, que é a de promover a esperança, amor e alegria, mesmo em um mundo cada vez mais caótico e desesperançoso. É como se no mundo, durante a guerra, ao invés de se oferecer armas e violência, se oferecesse flores, como nessa foto icônica:



Fim

O clipe é finalizado com a banda no palco e um efeito de fade out (3:41 - 3:50). 

Letra

A letra fala sobre o que acontece no mundo e como ele está cada vez mais caótico e perdido porque as pessoas deixaram de valorizar a vida e, sobretudo, o amor. Ela relata, especificamente, a dor de uma mãe perder o filho por conta da guerra e os efeitos psicológicos que isso trouxe. Além disso, fala dos efeitos da guerra e que, ainda assim, há razões para acreditar no amor. Analiso alguns trechos da canção agora:

"There's a woman crying out tonight
Her world has changed
She asks God why
Her only son has died
And now her daughter cries
She can't sleep at night"
(Há uma mulher chorando hoje à noite
Seu mundo mudou
Ela pergunta a Deus por quê
Seu único filho morreu
E agora sua filha chora
Ela não consegue dormir à noite)

Os efeitos da guerra são devastadores. A perda é irreparável. É uma dor que creio que jamais passa. 


"Downtown
Another day for all the suits and ties
Another war to fight
There's no regard for life
How do they sleep at night
How can we make things right?
Just wanna make this right"
(No centro da cidade
Outro dia para todos os ternos e gravatas
Outra guerra para lutar
Não há uma estima para a vida
Como eles dormem a noite?
Como nós podemos fazer coisas certas?
Quero apenas fazer isto certo)

O trecho fala da banalização da vida, em como as pessoas são violentas e não se importam com as dores dos outros.


"We are all the same
Human in all our ways and all of pain
(So let it be)
There's a love that could fall down like rain
(Let us see)
Let forgiveness wash away the pain
(What we need)
And no one really knows what they are searching for
(We believe)
This world is crying for so much more"
(Nós somos todos os mesmos
Humanos em todo nosso jeito e toda a dor
(Então deixe estar)
Há um amor que poderia cair como chuva
(Deixe-nos ver)
Deixe a bondade lavar a dor
(O que nós precisamos)
E ninguém sabe realmente o que elas estão procurando
(Nós acreditamos)
Este mundo está chorando por muito mais)

O trecho fala da humanidade e fabilidade das pessoas e de que como a dor nos atinge em diferentes graus, afinal somos de carne e osso. Mas fala sobre razões para acreditar, tirar da dor motivos de sorrir e da bondade e solidariedade uma espécie de refrigério para ela. O mundo chora, sente dor e clama pelo amor. 


Música


A canção foi um dos grandes singles do cd lançado em 2004, que foi o álbum mais bem sucedido da banda. A música é no estilo punk rock e é bem na vibe das músicas lançadas no início dos anos 2000.


Finalizo o Entre Frames aqui. Saiba que há razões para acreditar no amor e isso depende tão somente de você! J-J
















Por: Emerson Garcia

quarta-feira, 12 de maio de 2021

Laurinha


1

Menina de cachos, pele clara,

Nove anos se passaram,

De uma beleza rara,

Seu nome, vidas lembraram!


2

Lauro, nome do avô paterno,

Laura, minha eterna pastora,

Bela homenagem, por certo,

Inspirou-me como escritora!


3

Feliz aniversário, minha sobrinha,

Muitos anos de vida,

Muito de Deus, enquanto caminha,

Paz, saúde, minha querida!!!


Meu sobrinho quis homenagear o pai dele, que faleceu, de repente, em 10/11/1995. Ele se chamava Lauro. Uma querida pastora, muito importante em minha vida, tem o mesmo nome. J-J


Por: Marilza Luciano, poetisa e colaboradora especial do JOVEM JORNALISTA

segunda-feira, 10 de maio de 2021

10 músicas que bombaram no 'BBB21'



O que não faltou no BBB 21 foram hits e músicas que bombaram nas playlists das festas da Casa. Os brothers e sisters fizeram de tudo para divulgar hits nacionais e internacionais, cantando e fazendo coreografias divertidas e criativas. Foram músicas dos mais diferentes gêneros e estilos que bombaram na casa mais vigiada do Brasil.

Eu fiz uma lista com 10 músicas que estiveram nas paradas tanto dentro como fora da Casa. Músicas com letras marcantes e chicletes, várias que já tinham sido lançadas há algum tempo e outras que foram lançadas durante o confinamento dos brothers e simplesmente bombaram depois nas rádios e redes sociais. Venha nessa viagem sonora comigo! 


1- Batom de cereja - Israel e Rodolffo

    


Batom de cereja foi lançada em fevereiro ainda quando o Rodolffo estava na Casa e se tornou um sucesso imediato com mais de 194.629.405 visualizações, 1,9 milhões de curtidas e 49 mil descurtidas. A música foi tocada à exaustão na Casa e com direito até a coreografia dos brothers. "Enquanto o som do paredão toca Cê gasta seu batom de cereja Eu bebo, cê beija Eu bebo, cê beija", é um refrão para grudar na cabeça!



2- Os Barões da Pisadinha, Xand Avião - Basta Você Me Ligar (Ao Vivo) ft. Xand Avião

   

Essa foi lançada em maio do ano passado, mas bombou muito nas festas do BBB 21. A música fez tanto sucesso na Casa, que ela se tornou a trilha sonora do quadro de Rafael Portugal, o C.A.T. BBB



3- Harry Styles - Watermelon Sugar (Official Video) 

   

Mais uma música do ano passado que fez enorme sucesso na última edição do BBB. Com um ritmo envolvente e totalmente dançante e arrebatadora, a música já fez parte de várias playlists da Casa e foi capaz até de emocionar o participante Gilberto, que chorou compulsivamente e se envolveu no refrão arrebatador que diz: "Watermelon sugar high Watermelon sugar high Watermelon sugar high Watermelon sugar high Watermelon sugar".



4- Alceu Valença - La Belle de Jour

   


Música também não tão recente que simplesmente bombou nessa temporada. A canção lindíssima de Alceu Valença era quase a trilha sonora dos participantes pernambucanos Gil e Juliette que passaram por vários altos e baixos em sua amizade (Mas no final fizeram as pazes, ainda bem).



5- DUDA BEAT - Bixinho (Lux & Tróia Remix) (Clipe Oficial)

   

Fiquei extremamente surpreso e alegre que o programa fez com que essa faixa bombasse ainda mais, seja nas festas da Casa ou na voz de Juliette, fazendo capela. A música tem mais de dois anos e bombou no último ano por fazer parte da trilha sonora da novela Amor de mãe



6- Britney Spears - Oops!...I Did It Again (Official HD Video) 

   

Música de 2004 que viralizou e foi relembrada pelos brothers, principalmente pelo participante Gil que fazia coreografias impagáveis. Quem não se lembra desse coro contagiante? "Oops!... I did it again I played with your heart Got lost in the game Oh, baby, baby Oops, you think I'm in love That I'm sent from above I'm not that innocent"



7- Fiuk - Amor da Minha Vida (Clipe Oficial) 

   

A música foi lançada durante o confinamento de Fiuk no BBB, no dia 24 de fevereiro. O refrão também é chiclete e contagiante e Fiuk disse para os brothers esperarem o refrão, pois era a parte mais legal. A música também rendeu uma coreografia exclusiva.
 


8- Emicida - AmarElo (Sample: Belchior - Sujeito de Sorte) part. Majur e Pabllo Vittar

 

"Tenho sangrado demais, tenho chorado pra cachorro Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro". Os versos também marcaram os brothers e as festas da Casa. A letra fala de superação e casou bem com os momentos que os participantes viveram e sobreviveram durante 100 dias de confinamento. 



9- O Teatro Mágico - O Anjo mais velho

 

O participante Arthur conseguiu me emocionar e me fazer até gostar um pouquinho dele quando eu o vi cantando e chorando rios no refrão com essa música. Foi uma grata surpresa a emissora veicular uma das melhores músicas do Teatro Mágico em rede nacional. Canta comigo: "E o fim é belo e incerto Depende de como você vê O novo credo A fé que você deposita em você e só Só enquanto eu respirar Vou me lembrar de você, só enquanto eu respirar"



10- Vanessa Carlton - A Thousand Miles (Official Video)


Finalizo com essa música de 2001, que é muito conhecida e que marcou uma cena do filme As branquelas, que inclusive foi encenada pelos brothers da casa. Como se esquecer dessas frases marcantes? "And I need you And I miss you And now I wonder If I could fall into the sky Do you think time would pass me by? Cause you know I'd walk a thousand miles If I could just see you tonight".



Essas foram as 10 músicas que bombaram no BBB 21 (Óbvio que tiveram outras, mas não as coloquei por ter um certo ranço dos cantores, que inclusive também participaram dessa edição). Esse foi o Big do bigs com um grande elenco, músicas e coreografias. J-J


Por: Emerson Garcia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design