sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

Repositório




Há três semanas fui assaltado perto de casa. O bandido levou o meu celular, mas não apenas isso: informações, fotos e músicas - o que havia construído nesses um ano e meio com o aparelho. Além de tê-lo levado, também deixou-me sem minha ferramenta de trabalho, pois posto notícias, compartilho links do JOVEM JORNALISTA e crio conteúdos para as redes sociais. Como jornalista percebi que o meu trabalho dependia e depende do celular, foi assim que percebi sua falta, mais do que havia perdido de conteúdos.

Sempre soube lidar com perdas de celulares. Recentemente, em 2018, o Samsung Galaxy Gran Duos estragou e não teve conserto, me fazendo comprar um novo, o Motorola Z2 Play. Na época, perdi fotos, vídeos e mensagens. Até que superei, e um ano e meio depois fui roubado, perdendo também fotos, vídeos e mensagens. 

Esse fato me traz uma lição: tenho encarado celulares como repositórios. Ou seja, ideais para armazenamentos de informações, fotos e músicas, mas isso não quer dizer que irão armazenar essas informações para sempre. Você pode ser roubado e perder seus conteúdos ou podem estragar, sendo praticamente impossível resgatar as informações, fotos e músicas. 

Em outra época, ficaria inconsolável se perdesse algum conteúdo, sendo capaz até mesmo de gastar R$ 2 mil reais na recuperação de dados, quando meu HD parou de funcionar, agora, apenas respiro fundo e sigo em frente. Tenho os seguintes pensamentos: "Foi o celular que estragou, não eu", "Perdi os dados do celular, mas não perdi a vida" ou "O ladrão levou o celular, não levou a minha vida".   

Claro que ter essa filosofia não é tarefa fácil, ninguém gostaria de perder, sejam informações, fotos, músicas ou até mesmo pessoas. Ninguém quer perder, sobretudo algo que lutou a vida inteira para conquistar ou registros de suas vidas. Sim, a frustração e a decepção vem. Não posso negar que tiveram momentos de lamento ou aquela frustração de ter "lutado tanto por um celular, para vir um ladrão e levar", mas o segredo está em como encarar as situações e resignificá-las. E como isso é possível?

Saiba que os celulares funcionam como repositórios de informações digitais, sejam fotos, vídeos ou mensagens. Quando meu celular estragou e quando fui roubado perdi tudo o que tinha, pois não imaginava que isso poderia acontecer e não cheguei a fazer transferência para o meu computador ou backup de conteúdos. Até mesmo as mensagens de Whatsapp são informações digitais e você pode perdê-las, como foi o meu caso quando, ao fazer backup só consegui recuperar as de 3 de dezembro para trás. 

E o que fazer ao perder? Chorar pelo leite derramado? Não! Resignifique as situações de uma forma a não sofrer tanto. Ou seja, você pode comprar um aparelho melhor, que também funcionará como repositórios de informações digitais. Pode recomeçar do zero, tirar novas fotos com amigos e familiares, inserir novas músicas e mandar novas mensagens no Whatsapp ou qualquer outra rede social. E o melhor de tudo: o novo aparelho poderá fazer as mesmas funções que o anterior ou até mais avançadas.  

Agora estou com o celular novo. Sei que demorará um pouco para me acostumar com ele, mas tenho resiliência e consigo me adaptar a tudo nessa vida. Tenho ciência que nada durará para sempre, muito menos o celular. Mas o encaro como um repositório e uma ferramenta facilitadora do meu trabalho. 

Que nesse novo ano que se aproxima você possa utilizar os objetos como objetos ou como repositórios e amar (AMAR MUITO!) as pessoas. Que você não permita que uma perda possa ser maior do que os seus ganhos. Aproveite cada momento, como se fosse o único e o último, sabendo que tudo pode passar e evaporar como as informações digitais de um aparelho celular. Encare as perdas como oportunidades de fazer coisas melhores e maiores (Eu, por exemplo, baixarei novas músicas incríveis para o meu celular). Registre (REGISTRE MESMO) os bons momentos com o smartphone, mas saiba que eles serão apenas MOMENTOS e que podem desaparecer, caso não faça backup (O meu caso). Se eles sumirem da nuvem, encare como uma oportunidade de viver momentos mais incríveis ainda. Enfim, a vida também é um repositório, por isso encha ele de momentos bons, recordações inefáveis, mensagens de amor, declarações esplendorosas, com as melhores companhias. E se a vida é um repositório, ela também pode acabar. Pense nisso. J-J


Por: Emerson Garcia

2 comentários :

  1. Putz, que coisa mais chata ser roubado, com todos os dados, fotos, tudo mais...Ainda bem estás tranquilo, com uma cabeça bem centrada, caso contrário,rs... Desejo tuuuuudo de bom em 2020 e que só coisas legais aconteçam. FELIZ 2020! abraços, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa situação me mostrou que devemos dar atenção para o que realmente importa. Realmente fiquei bem centrado.

      Excluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Nos siga nas redes sociais: Fanpage e Instagram

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design