sábado, 1 de agosto de 2015

O homem, o Atlas e seus desafios

Jesus Cristo, Horatio Nelson, Aristides de Sousa Mendes, Winston Churchill, Olavo de Carvalho, Aristóteles, Osvaldo Cruz, Mozart, Alberto Santos Dumont, D. João VI de Portugal.


Em 15 de julho foi o Dia do Homem no Brasil. Em 19 de novembro, a efeméride é comemorada internacionalmente. Este texto é uma homenagem ao homem, este ser que foi, é e será, o sustentáculo do progresso e continuação da vida. Cientistas, heróis de guerra, estadistas, gênios, filantropos, pais, médicos, enfim. Os grandes homens que em seu tempo fizeram a diferença – não em prol de sua vaidade pessoal e “pelos homens” – à toda a humanidade.

O mundo jamais foi fácil para nós.


Atualmente, e especificamente, desde os anos 1960, os movimentos revolucionários (socialismo, feminismo, movimento LGBT, ecoterrorismo, ONGs e outros que mamam nas tetas do governo) banalizaram todas as atitudes e até a vida do ser humano do gênero sexo masculino. Já falei no blog sobre o documentário Agenda, onde expõe as razões do movimento revolucionário em excluir a figura varonil da família.


A jornada do homem para a humanidade

Os liquidadores de Chernobyl morreram para preservar a vida de muita gente. Os homens do Titanic, idem.


Desde os primórdios, enquanto as mulheres ficaram nas cavernas cuidando da prole exercendo atividades domésticas, os homens iam à caça, mesmo correndo o risco do animal – por vezes maior que ele – devorá-lo. Nas histórias militares, este ser cheio de testosterona conquistou impérios e defendeu sua civilização para proteger os fisicamente mais fracos. No RMS Titanic “mulheres e crianças primeiro” foram a escolha masculina em nome da sobrevivência ao naufrágio das águas geladas do atlântico norte. No desastre nuclear de Chernobyl os “liquidadores” arriscaram suas vidas para evitar que a Europa inteira fosse vítima da ameaça atômica. Enfim, arriscamos nossas vidas porque sabemos quem e como somos. Não nos permitimos ver nossos entes queridos chorarem, passarem por altos riscos e, muito menos, que estes sejam feridos.

Na ciência e tecnologia criamos vacinas, desenvolvemos as técnicas de armazenamento da comida, antes da invenção da geladeira. Willis Carrier salvou a todos com sua invenção – o ar condicionado. Não há sufoco no calor! O imperador Carlos Magno foi corajoso em enfrentar os islâmicos na Batalha de Poitiers, caso contrário, todos nós escreveríamos da direita para a esquerda; mulheres seriam apedrejadas ao menor sinal de ‘desobediência’; e muitas coisas que não cabem falar aqui.


“Esto vir!” e “Ser homem é se sacrificar”
Somos mais que trocadores de lâmpadas, matadores de baratas e, de forma pejorativa, estupradores incontroláveis em potencial – aliás, essa última é uma crítica preconceituosa das feministas. Os homens abriram mão até de sua vida para salvar os outros. Neste vídeo, o padre Paulo Ricardo de Azevedo Jr. destrincha em distintos aspectos da vida masculina (religiosa, sociológica e biológica):




Aos 5m16s ele explica a formação do menino nos aspectos que citei acima, e aos 34m21s ressalta esta natureza masculina que foi, é e será fundamental para a continuidade da humanidade. "Esto vir!" (Seja homem!) e “Ser homem é se sacrificar” são as divisas do macho humano que foram fundamentais em situações hostis como incêndios, enchentes e, até mesmo, nos casos citados como o de Chernobyl e o RMS Titanic. Vale a pena ver o vídeo completo. Tire um tempinho para assistir!

A testosterona, muitas vezes vista como algo negativo pelos movimentos revolucionários, é fundamental para tomar coragem. O negócio é como o homem pode usá-la. Um exemplo disso é o que ocorre nos territórios dominados pelos terroristas do Estado Islâmico. Mulheres sequestradas para servirem de escravas sexuais foram resgatadas por heróis corajosos e conduzidas de volta a suas famílias. Um deles, até se disfarçou de “comprador” dessas meninas para atingir o épico objetivo. Só por isso, eles já fizeram muito mais do que aquelas feministas do Femen, usando de seu tempo para ‘denunciar’ a ‘opressão’ que a mulher sofre no mundo ocidental – aliás, muito mais cheio de leis e decretos que as protegem de tudo e de todos.

Por mais que os homens fizeram pela humanidade, a visão do Establishment é que nós somos seres descartáveis e a culpa de todos os problemas do mundo é nossa. Injusto e preconceituoso. O que é carregar tijolos e sacos de grafiato de 50 quilos todos os dias receber um soldo miserável, correr o risco de assaltos e de acidentes de trabalhos que podem acarretar no mínimo em uma invalidez?

Como é ser alguém que contribui mais na Previdência Social e se aposentar mais tarde apesar da taxa de expectativa de vida menor? Como é estar invisível socialmente e lutar em todos os sentidos – fazer academia e ficar forte, ganhar dinheiro, ser destacado, inteligente, corajoso, ser popular, etc. – e fazer algo para reverter o quadro atual. Ser homem é um eterno Atlas!

Estes dez homens, na foto de capa do texto, fizeram a diferença em seu campo de atuação – religiosa, militar, diplomática, política, filosófica, humanística, sanitária, artística, aeroespacial e nacionalista - tiveram que enfrentar os ceticismos dos conformistas e a forte oposição dos que dominavam a sociedade. Foram corajosos e ganharam seu lugar de destaque. Fizeram ser visíveis e reconhecidos. Um deles morreu na cruz em nome da TODA a humanidade. Foram homens.

Encerro este texto com uma cena da série Todo mundo odeia o Chris onde Julius (Terry Crews), o pai do personagem-título (Tyler James Williams), vai enfrentar um bandido nem que isso o levasse para a cadeia. No mundo da ficção, Julius é um exemplo de homem. Um cara que têm dois empregos e mesmo assim segura o tranco. Graças a sua esposa Rochelle (Tichina Arnold) – “Eu não preciso disso. Meu marido tem dois empregos!” – que legitima sua autoridade de pai e líder da casa. “Achou que eu ‘tava’ brincando?”. J-J





BÔNUS! Essa lição que Rocky Balboa (Sylvester Stallone) dá ao filho Robert (Milo Ventimiglia) é maravilhosa. Afinal de contas o roteiro do primeiro filme da franquia mostra a superação e força do “garanhão italiano”. Mais detalhes aqui:

“[...]O mundo não é um grande arco-íris. É um lugar sujo, é um lugar cruel, que não quer saber o quanto você é durão. Vai botar você de joelhos e você vai ficar de joelhos para sempre se você deixar. Você, eu, ninguém vai bater tão duro como a vida.  Mas não se trata de bater duro, se trata de quanto você aguenta apanhar e seguir em frente.[...]”






Por: Pedro Blanche

17 comentários :

  1. Gostei do seu post em forma de homenagem, mesclando com a história do homem :)

    Beeijos ^^
    http://carolhermanas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Seu post ficou fantástico! Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Adorei o post, nunca tinha listo um apanhado tão completo da história, e com isso uma pequena homenagem.
    obs: Adorava a série Todo mundo odeia o Chris. Muito boa!

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quis mostrar justamente a história do homem na sociedade.

      Excluir
  4. muito legal o seu texto e a homenagem ao dia do homem, nem imaginava que existia
    abraços
    www.estilopropriobysir.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! É sempre bom estar por dentro da história.

      Excluir
  5. Não sabia que tinha o dia do homem. Sempre ouvia os homens reclamando que só tinha o dia das mulheres rsrs.
    http://cristadelicada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Claro que os homens têm grande importância na história, nos dias atuais e eternamente. ;) O que seria da gente sem eles? E o que seria de vocês sem a gente? hahaha Tanto homens quanto mulheres são importantes. Sem machismo e/ou feminismo! ;-)
    Enfim, bem interessante o post e feliz dia atrasado!!!

    Beijos,
    Carol
    www.pequenajornalista.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato! Quis mostrar a história masculina sem cair em lugares comuns.

      Excluir
  7. gostei muito de ler este post, achei-o super interessante! é óbvio que os homens têm um importantíssimo papel na história :) beijos

    ResponderExcluir
  8. Hello from Spain: a great tribute to the men who make us a better world. Today the new Pope is doing a great job. Keep in touch

    ResponderExcluir
  9. Não tinha visto esse texto, mas gostei bastante do conteúdo abordado e das partes que nos fazem refletir. Os videos e as imagens são bem divertidas.
    Beijos
    neversaynever-believe.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design