segunda-feira, 16 de julho de 2018

A desistência de José Luiz Datena ao senado e a programação dominical da Band

José Luiz Datena em seu programa na Band. | perfil oficial – Facebook/ Instagram


ATENÇÃO: Deixo claro que vou expor uma análise e evitar a todo custo emitir opiniões – assim como no Eu vi e no Registrado – porque meu objetivo é informar a todos os leitores do blog. A opinião fica com cada um de vocês.

Desde que a Rede Bandeirantes de Televisão (Band) deixou de exibir os jogos de futebol do Campeonato Brasileiro em 2016 [1] a emissora preencheu a grade de programação com filmes, séries e documentários nas quartas-feiras e domingos. Os problemas financeiros que atingem não apenas a emissora como o Grupo Bandeirantes é o motivo que orientou tal decisão.

Ao longo destes anos muitos profissionais do jornalismo, esporte e entretenimento saíram, migraram de emissora, foram demitidos ou pediram demissão. Além disso, a RedeTV! faz planos [2] para reestruturar sua programação e tirar a Band do quarto lugar na audiência de televisão. Afinal, a emissora do ponto de exclamação está obtendo índices de audiência satisfatórios, como os programas Encrenca e Sensacional, além do projeto de um terceiro telejornal diário em vista.

O baque principal da Band foi o de abrir mão de transmitir a Copa do Mundo FIFA de 2018 na Rússia. O que antes poderia se ter a exibição do evento em conjunto com a Rede Globo se deu em conta a falta de condições de cobrir a Copa. Sem o mundial não há verba publicitária.


LEIA TAMBÉM: 80 anos do Grupo Bandeirantes. [3]

Enquanto isso, o aniversário de 50 anos da Band em 13 de maio de 2017 passou em branco. Quase foi da mesma forma a efeméride do grupo (80 anos do Grupo Bandeirantes). No vídeo, o único evento que lembrou o aniversário foi esta matéria que passou no Jornal da Band na época:






2018: o ano em que a TV Band resolveu reagir


Com o slogan “A família cresceu” o início de 2018 começa com a Band a reagir para manter sua programação atraente e brigar por mais pontos de audiência: coloca no ar o reality show O Sócio (The Profit), a série mexicana Senhor do Céus (El Señor de Los Cielos), além dos musicais de sexta-feira Música na Band. Amaury Jr (do programa Amaury Jr.). e Catia Fonseca (Melhor da Tarde) são contratados para reforçar o elenco da casa, aumentar os recursos financeiros e diminuir o espaço aos programas independentes e religiosos.

Programas escalados para reforçar a grade da emissora. | Band



O programa Superpoderosas entra no ar para reforçar as manhãs da emissora. O culinário Dia Dia de Daniel Bork é renomeado para Cozinha do Bork. O apresentador José Luiz Datena ganha seu programa de entretenimento (Agora é Com Datena) que a princípio prometia se distanciar do perfil conhecido no jornalístico policialesco Brasil Urgente. O esportivo Terceiro Tempo de Milton Neves daria lugar ao repaginado Show do Esporte.

Apesar dos investimentos da Band em incrementar sua programação os resultados de audiência não foram sequer perto do que se desejava. [4] No caso do domingo – dia de maior concorrência entre emissoras de TV – as estreias de Agora é Com Datena e Show do Esporte tiveram índices inferiores aos programas anteriores que ocupavam a grade dominical como os filmes da Sessão Livre e Domingo no Cinema, além do Terceiro Tempo.


Programação de domingo, o Datena e a candidatura ao senado


José Luiz Datena ganhou seu programa, que a princípio se diferenciava do Brasil Urgente. Agora é Com Datena é um programa de show de talentos, brincadeiras, músicas e um pouquinho de jornalismo. Para suprir a progressiva ausência dele no policialesco, entrava em seu lugar seu filho Joel Datena. Um programa de seis horas de duração (das 15h até 21h) sucedido do novo Show do Esporte (das 21h até 0h), com discussões futebolísticas, músicas e imitações humorísticas.

Com dois programas que somavam nove horas de duração foi visível o desgaste das atrações. Como consequência, a concorrente RedeTV! obteve altos índices de audiência com os programas Conexão Models, Encrenca e João Kléber Show. Semanas depois com a greve dos caminhoneiros, o programa de entretenimento de Datena acabou se tornando uma extensão do Brasil Urgente: a audiência reagiu e ganhou altos índices [5] com a cobertura da greve.

Sem a greve, a audiência baixava. [6] Aos poucos o programa dominical de Datena perdia a proposta inicial. Até o gerador de caracteres (GCs) se assemelhava ao do jornalismo da Band. Reportagens que passava no Brasil Urgente se repetia no Agora é com Datena e vice-versa.


O GC de rodapé do programa igual ao do Brasil Urgente. | Band



CANDIDATO: Em 27 de junho de 2018 José Luiz Datena aceitou ser candidato ao Senado Federal pelo estado de São Paulo. Políticas a parte, a Band terá de mexer em sua grade porque as leis eleitorais do Brasil não permitem que um candidato a cargo eletivo tenha um programa de televisão. A emissora enxerga este momento de arrumar a grade para estancar os problemas de audiência com os dois longuíssimos programas dominicais.


A partição do programa de José Luiz Datena. | montagem: LAYON YONALLER



O Agora é com Datena se reparte em dois: o cantor Netinho de Paula é contratado às pressas [7] para apresentar o artístico Brasil da Gente, enquanto Joel Datena faz o  jornalístico Agora é Domingo. Após o programa de Netinho ficar com menos de um ponto de audiência na Grande São Paulo – o maior e mais importante mercado publicitário do Brasil – o Brasil da Gente é cancelado.


O novo Show do Esporte teve seu programa e cenário reduzidos. | Band



Na outra ponta, o novo Show do Esporte teve o estúdio reduzido ao parecido com o do Terceiro Tempo apenas com a diferença das cores do cenário: passa das 20h até 22h. A sessão de filmes Domingo no Cinema foi ressuscitada  para preencher a grade noturna.


Desistência da candidatura e a programação da Band


Datena desiste de tentar o cargo de senador por São Paulo. A grade da Band precisa ser reformulada novamente. E como fica Netinho de Paula? Até segunda ordem, o cantor fica para escanteio. Neste domingo (15/7/2018) ele assume o seu programa com o nome de Agora é Domingo. O apresentador ignorou o nome e insistiu com o título Agora é com Datena.

No dia 09 de julho 2018 de volta ao policialesco Brasil Urgente, Datena explica sua desistência ao cargo mais importante do legislativo brasileiro:






Este cenário em que a programação de domingo da Band teve que se adaptar três vezes em função de Datena, além das complicações de preencher a grade expõe um cenário de imprevidência e falta de planejamento. Ao submeter à programação que tinha certa audiência duramente conquistada após não ter mais o futebol na grade a experiências sem norte e estudos prévios põe em risco a permanência do telespectador na rede de TV.

Esta notícias de 1º de fevereiro [8] e 22 de abril de 2018 [9] – mostram que o nome de Datena ventilando ao cargo político – devia ter deixado a emissora de sobreaviso e até ter adiado o programa de entretenimento até se resolver a questão. A contratação apressada de Netinho expõe o que foi dito em parágrafo anterior.

No Brasil, a TV no domingo é o dia da semana mais concorrido para as emissoras e muitas contam com uma programação consolidada, apenas brigando entre si para manter seus pontos (Eliana X Rodrigo Faro; Fantástico X Silvio Santos). É legítimo a Band buscar reagir e buscar novos públicos depois que perdeu o futebol, mas mostrou falta de preparo. O novo Show do Esporte teve cenário reduzido e o programa do Datena se firma no que sabe fazer no Brasil Urgente.

Aguardemos os próximos passos para a Band se firmar entre as quatro grandes redes de TV do país e ter uma fatia considerável de audiência e faturamento. Recentemente a emissora está lutando para adquirir o Campeonato Paulista Sub-20  e um campeonato na Europa [10]. Para todos da Bandeirantes, boa sorte e sucesso porque a competição é fundamental para a TV brasileira como um todo. J-J
















Por: Layon Yonaller, colaborador especial do JOVEM JORNALISTA

sábado, 14 de julho de 2018

Afinal de contas, por que todo mundo ama o mascote da seleção brasileira - o Canarinho?




O mascote da Seleção Brasileira Canarinho é febre entre internautas e fãs de futebol. A ave amarela, com cara ranzinza e camisa do Brasil tornou-se um dos símbolos da seleção brasiliera mais amado de todos os tempos. 

Desde que o time do Brasil passou a ser conhecido como "seleção Canarinho" na Copa do Mundo de 1954, que ele não tinha um mascote para chamar de seu. Desse modo, já há algum tempo a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) idealizava um ícone que expressasse tanto a torcida, como os jogadores e o futebol brasileiro. O animal escolhido foi a ave canarinho e as cores verde e amarelo. 

O mascote foi lançado pela primeira vez em 2014, sendo que ganhou mais força em 2016 e apresentado em 6 de março de 2018, oficialmente. Desde então tem marcado presença em escolas, creches, eventos, treinos e jogos de futebol. Em sua primeira versão (2014), tinha uma expressão mais doce e amável . Em sua segunda (2016), ele apareceu de cara fechada, séria, ranzinza e nervosa - devido ao fatídico 7 a 1, no jogo entre Alemanha e Brasil e os resultados negativos nos jogos seguintes. Parece que essa expressão da ave não mudará tão cedo, já que a seleção brasileira deu adeus ao hexa na semana passada (6). 





A mudança de expressão do Canarinho, de acordo com o diretor Comercial e Marketing Gilberto Ratto, teve como objetivo aproximar o mascote da torcida e do momento desfavorável da seleção brasileira:

“A gente notou que precisava criar uma aproximação maior com a torcida, e então começamos a criar estratégias para aproximá-lo mais da população. Não foi só o mascote que fez parte dessa renovação, tiveram campanhas publicitárias, foi todo um movimento que ajudou o canarinho a se popularizar”.


Com uma expressão centrada, o Canarinho é diferente de outros mascotes sorridentes e amigáveis, e talvez isso permitiu que fizesse sucesso. O ícone tem um andar diferenciado, um jeito zoeiro, uma cara fechada, brinca, se diverte e faz até mesmo embaixadinhas. Entre crianças, até jovens e adultos, todos gostam dele. 





Enfim, o Canarinho tornou-se uma espécie de talismã da Seleção Brasileira, mesmo sendo adiado o título do hexa esse ano. Ações publicitárias e novos produtos licenciados serão criados. 




Conceito do Canarinho


A primeira versão do mascote tinha uma expressão branda e divertida, não emplacou. Já a segunda, irritada e nervosa. Esta sim fez sucesso. Apesar da palavra "canarinho" expressar doçura, calmaria e alegria, o ícone da seleção brasileira não tem isso em seu rosto. O principal conceito do mascote é descrever o torcedor brasileiro, apresentando concentração, foco e empenho - também verificados dentro de campo. Confira um vídeo divulgado pela CBF:






A CBF criou uma versão sorridente com a justificativa que o mascote tem seus momentos de "mal e bom humor" e também porque o Canarinho com rosto enfezado "assusta as crianças". Contudo, o que percebi é que todos adoram o "Canarinho Bolado", "Canarinho Putaço", "Canarinho enfezado" ou seu melhor nome: "Canarinho Pistola"



Canarinho ou Canarinho Pistola?


Um movimento na internet batizou o mascote da seleção brasileira de Canarinho Pistola, não aprovado pela CBF que não achou apropriado por trazer uma arma de fogo no nome. No início da transmissão da Copa do Mundo a Rede Globo o chamava de Canarinho PISTOLA, mas voltou atrás e o chama agora apenas de Canarinho. O que gerou discordância da parte até mesmo da apresentadora Ana Maria Braga

O fato é que este último nome traz uma certa identidade ao mascote, enquanto aquele é bonito, mas simples e comum. Contudo, preciso deixar claro que o nome oficial é Canarinho (por isso que o chamo assim nesse post) e que ele é chamado de Canarinho Pistola somente nas redes sociais. 

Com tanta confusão no batismo do nome, já parou pra pensar de onde surgiu a expressão "canarinho" e "seleção canarinho"?



A origem da Seleção Canarinho




Até a Copa de 1950, as cores do uniforme do Brasil eram branco (camisa) e azul (gola). A partir de 1953, a CBF resolveu mudá-las por meio de um concurso, em que se exigia que o novo manto tivesse as quatro cores da bandeira nacional. O vencedor foi Aldyr Garcia Schlee, que criou um uniforme com a camisa amarelo-canário (cor em alusão à ave) e detalhes verdes e o calção azul. A seleção estrearia com a vestimenta na Copa do Mundo da Suíça, em 1954. Desde então passaria a usar esse tradicional uniforme e seria chamada de Seleção Canarinho, apelido dado pelo então radialista Geraldo José de Almeida.   





Seleção Canarinho foi um apelido abraçado pela torcida e utilizado até os dias de hoje. A partir disso, o mascote mais querido de todos os tempos surgiu e se popularizou. 



Popularização


Canarinho é um mascote midiático e que ganhou as redes sociais. Páginas e perfis no Twitter (não-oficiais) foram criados com memes, montagens, imagens, frases e citações sobre o futebol sério e que dá gosto de ver e de jogar: o futebol-raiz

O mascote popularizou-se porque representa a sociedade em muitas esferas, seja na política, relacionamentos ou nas redes sociais. Vez ou outra, o Canarinho pode ser comparado à expressões de mimizentos e haters nas redes sociais, mal educados que não dão bom dia na rua ou pessoas com alguma chateação. Enfim, o Canarinho não só representa um ícone do futebol, mas vai além






Produtos licenciados do Canarinho






A CBF aproveitou a popularização do Canarinho, para criar produtos e possibilitar suas vendas. Dois canarinhos - um sorridente e o de cara enfezada - já entraram no catálogo de vendas, sendo que o segundo tornou-se mais vendido e aceito pelo público. 

A ideia é que a lista de produtos licenciados aumente mesmo com a derrota do Brasil na Copa da Rússia. De acordo com Gilberto Ratto, mais de 20 produtos - como copos, canecas, capas para celular, versões em outros tamanhos do mascote e uma Minicraque -  serão criados e confeccionados e vendidos na loja virtual, já ativa, Meu Canarinho


Acredito que o sucesso do Canarinho deve-se por conta de sua autenticidade. Com isso, novos produtos, memes e frases ainda podem ser criados, pois é um mascote popular e conhecido nacional e internacionalmente. J-J


Por: Emerson Garcia

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Quinta de série: Life Sentence

Pode conter spoilers!






No Quinta de série de hoje falarei de Life Sentence (já fiz um Primeira Impressões da série aqui). LS foi finalizada precocemente com apenas uma temporada de 13 episódios. Exibida pela CW, foi criada por Erin Cardillo e Richard Keith e produzida por Liza Katzer e Bonnie Weis. Protagonizada por Lucy Hale (PLL), ainda conta com Elliot Knight, Jayson Blair, Brooke Lyons, Carlos PenaVega e Gillian Vigman no elenco.

A história é centrada em Stella Abbott, uma jovem diagnosticada com câncer terminal que descobre estar em remissão. Agora terá que lidar com as decisões que tomou enquanto estava doente. Uma tarefa não tão fácil, pois envolve não somente ela, mas seus familiares, que decidiram viver para ela e optaram por esconder segredos para protegê-la. 





Se morrer já era difícil, imagina ter que reaprender a viver e lidar com situações que nem imaginava existir? Desse modo, a vida de Stella Abott dá uma reviravolta de 360º. Agora, terá que reapreender a viver de verdade, a lidar com desafios, reconstruir sua história, rever sonhos e metas e seguir em frente. Imagino eu no lugar de Stella, ao saber que o prazo de validade da minha vida não mais existe, como seria? Por isso que a série chama-se Life Sentence

A família de Stella Abbott estava longe de ser uma família perfeita, mas fazia de tudo para protegê-la e amá-la de todas as formas. Stella tornou-se o centro de todos eles e muitos deixaram de seguir suas vidas e sonhos por causa dela. A série mostrou que ser família é isso: negar a si mesmo, proteger o outro à qualquer custo e abandonar os seus sonhos. Nesse sentido, a série é muito humana e preza pelos relacionamentos. 

Quando Stella está em remissão, seus familiares também precisam reconstruir-se como ela. É como se eles tivessem que recomeçar suas vidas também, passo a passo. Agora não há mais a causa de "cuidar da Stella", mas sim de tomar as rédeas de suas existências. No início, todos ficam perdidos, afinal, a vida deles era cuidar da protagonista, mas, aos poucos, se encaminham, assim como Stella. E claro que esta última faz questão de ajudar a cada um de seus familiares a recomeçarem, afinal, ela foi o motivo de todos eles pararem suas vidas. 





Life Sentence foi isso: recomeços, perdão, descobertas, corrigir erros do passado, companheirismo, viver a vida de forma intensa e correta, ir atrás de sonhos e realizá-los, cuidar mais de si, mas também do outro. 

A série também conseguiu abordar temas como: incertezas da vida, consequências de decisões, trocas de experiências e alteridade. 






Enfim, foi uma série curta, mas que trouxe muitos ensinamentos de forma terna, fofa, delicada e tocante. 






Personagens




Stella Abbott: Está em processo de remissão de um câncer e agora terá que reaprender a viver e a lidar com sua nova realidade e de sua família. Casa-se por impulso com Wes e seu relacionamento será colocado à prova de fogo. Stella é uma mulher serena, indecisa e disposta à ajudar sua família. Perdida na vida, procura uma bússola.





Wes: Britânico, conhece Stella quando ela faz uma viagem para Paris. Não demora muito para casar-se com ela. Agora, também terá que lidar com a remissão de sua esposa e com o retorno de um antigo amor. 





Elizabett Abbott: Irmã mais velha de Stella, tem o sonho de ser escritora, mas acaba o abandonando por causa da irmã. É carinhosa e cuidadosa, sempre colocando os outros em primeiro plano. É casada com Diego. 





Aiden Abbott: Irmão do meio de Stella, é irresponsável, mulherengo e passa apuros ao saber que será pai. Aiden não se preocupa com os desafios da vida, preferindo se divertir e sair com as mulheres, mas agora vê-se obrigado a se colocar nos trilhos e Stella o ajuda nessa empreitada.





Peter Abbott: É o pai de Stella, Elizabett e Aiden. Está em processo de divórcio com sua esposa Ida. As coisas pioram quando descobre que ela pode ser lésbica. Tem dificuldades com as finanças e fez de tudo para blindar seu casamento quando Stella estava doente, mas agora não terá como evitar seu desmoronamento.





Ida Abbott: Casada com Petter e mãe de Stella, Elizabett e Aiden é o equilíbrio da família, mas chega um momento que resolve jogar tudo para cima, principalmente depois de descobrir que sua filha está curada. Ela cria coragem e se assume como lésbica, ao ter um relacionamento com sua melhor amiga, Poppy.





Diego Rojas: É casado com Elizabett e não se considera tão amado por sua esposa, já que ela costumava se dedicar inteiramente à Stella. Diego é um representante farmacêutico extremamente positivo e que ama sua família e seus filhos. 






Dr. Will Grant: Médico do hospital que Stella costuma frequentar e que presta voluntariado. Logo que tem um encontro com Stella apaixona-se por ela, mas enfrenta barreiras para concretizar esse sentimento, já que ela está casada. Will mexeu com Stella (tanto psicológica, quanto fisicamente - ele é quente, bonito, de olhos verdes e loiro) e ela vive um verdadeiro fogo cruzado entre Will e Wes. 







Sadie: É uma adolescente com câncer que se torna a melhor amiga de Stella. Sadie é doce, sonhadora, de bem com a vida e bastante sincera, principalmente com Stella quando ela desabafa sobre sua vida, relacionamentos e dúvidas amorosas. Os melhores diálogos da série eram entre ela e Stella. 





Trilha Sonora






A trilha sonora de LS é simplesmente incrível, impecável, tocante e romântica. Ao ouví-la me transportei para Smallville e Greys Anatomy, por que o estilo é muito parecido. Já me peguei fazendo as tarefas domésticas ouvindo-a no SpotifyEla conseguiu definir a atmosfera da série sonoramente, ao trazer músicas românticas, dramáticas e tocantes. Ouça agora mesmo  


Audiência


Os números de LS não foram nada positivos, o que ocasionou em seu cancelamento precoce. A série não animou muito os telespectadores, já que teve apenas 0,2 na demo em sua estreia e uma média de 5 milhões de público. Desse modo, a CW decidiu cancelá-la antes mesmo de seu término. Na época, a própria Lucy Hale fez o comunicado ao público:  

"Acabo de receber a triste notícia de que Life Sentence não irá voltar para uma segunda temporada. Eu estava tão conectada emocionalmente com essa história e seus envolvidos, e estou muito abalada".



Crítica






Tudo bem que LS não trazia nenhuma história extraordinária, mas ela me conquistou em seus 13 episódios. Mesmo com uma premissa fadada ao clichê e à mesmice, conseguiu inovar na medida do possível. As atuações estavam leves, verossímeis e convincentes; a trilha sonora de primeira qualidade; fotografia e paleta de cores magníficas; uma direção bem afiada; e personagens e histórias que prendiam a atenção. 

O objetivo da série não era trazer peso ou ar sombrio, mas sim alegria, momentos divertidos e cômicos, afinal era um dramédia. Talvez uma tarefa complicada para uma série que trouxe família desajustadas, doenças e dificuldades da vida, mas tudo foi trabalhado e administrado da forma mais leve possível. 

Se eu acho que faltou algo na série? Claro que faltou! Acredito que personagens poderiam ser melhor explorados, mas para uma temporada de 13 episódios está de bom tamanho. Além disso, meu desejo era que Stella Abott ficasse com o dr. Will no final, mas não aconteceu. Isso me frustrou bastante.

No geral, o roteiro foi bem desenvolvido e soube contar e concluir essa nova fase da vida de Stella e de seus familiares. Os episódios finais foram de cortar o coração e de cair lágrimas dos olhos. Achei criativo porque focou em dar um final para todos os personagens, por menos importantes que fossem (Não teve ninguém que ficou sem final!) e também porque vários personagens de episódios anteriores fizeram uma pequena participação.

LF acredito que não será uma série inesquecível (Até porque foi curtíssima), mas ela é fofa, criativa, com bom roteiro, fotografia, trilha sonora, atuações e diálogos. Ideal para maratonear no final de semana em família. J-J







Por: Emerson Garcia

quarta-feira, 11 de julho de 2018

7 melhores filmes românticos

Pode conter spoilers!


Foto: Pixabay


Não há programa melhor que estar sentado no sofá, enroscado com sua cara metade, com um balde de pipocas no colo a ver um bom filme, especialmente se for romântico.

Nada bate esse gênero, pois com ele somos remetidos ao amor, seja proibido, trágico, não correspondido ou feliz. Lembrando que o amor é um dos temas mais representados e apresentados em todas as formas de arte que existem.

Muito bem, hoje é dia de filme romântico, mas qual será? Qual é o melhor para ver com aquela pessoa especial?

Segue uma lista dos 7 melhores filmes românticos:



1 – Casablanca (1942)





Este é um dos filmes intemporais. É uma história de amor não consumada que se tornou num dos maiores clássicos da história do cinema. 

Vencedor de 3 Óscares® foi protagonizado por Humphrey Bogart e Ingrid Bergman, que faziam o papel de Rick Blaine e Ilsa Lund. Dois ex-amantes que se reencontram em Marrocos, que estava cheio de refugiados e de pessoas que tentavam fugir da II Guerra Mundial e das forças nazis, e que procuram uma passagem para Lisboa, cidade que se manteve neutra. É assim que Rick, um rude e cínico exilado americano tem de tomar uma decisão muito importante: a sua própria felicidade ou das centenas de pessoas que esperam uma saída do país?








2 – Uma linda mulher (1990)





Este filme protagonizado por Richard Gere e Júlia Roberts conta a história de um magnata perdido que pede ajuda a uma prostituta que trabalha no Hollywood Boulevard, acabando por a contratar por uma semana. Durante esse tempo, ela consegue transformar-se numa elegante jovem para poder acompanhar o magnata em seus compromissos sociais. Eles começam em uma relação patrão/empregada, até que se envolvem cada vez mais, até chegarem num relacionamento entre homem e mulher.








3 – Antes do amanhecer (1995)





Este é o primeiro filme de uma trilogia romântica, cujo capitulo seguinte é Antes de Antever e que termina com Antes da Meia-Noite. Protagonizado por Ethan Hawke e Julie Delpy, ele conta a história de Jesse e Céline. Jesse é um americano que faz Eurorail e Celine é uma estudante francesa de regresso à casa. Eles se conhecem no comboio e a atracão é mutua, mas conscientes dos tempo limitado que podem passar juntos, vão desembarcar em Viena, cidade que passam 14 horas e onde fazem a promessa de se reencontrarem 9 meses depois.








4 – Encontros e Desencontros (2003)





Este filme realizado pela filha do realizador Francis Ford Coppola, Sofia Coppola, e que conseguiu um Oscar®, conta a história de Bob Harris (Bill Murray) e Charlotte, (Scarlet Johansson), dois americanos em Tóquio. Bob é uma estrela de cinema com crise de meia idade e está ali para gravar um anuncio de Whisky. Charlotte é uma jovem que anda atrás do marido, um fotografo viciado no trabalho. Sem conseguirem dormir, Bob e Charlotte se cruzam numa noite no bar do hotel. Dali surge uma improvável amizade e os dois se aventuram na cidade de Tóquio, de modo a descobrirem um novo sentido para suas vidas.








5 – Um amor para recordar (2003)





Nesta história de amor temos Landon Carter que em plenos anos 90 é castigado por ter feito uma brincadeira de mau gosto em sua escola. E como castigo é obrigado a participar de uma peça de teatro da escola. É precisamente nesta que conhece Jamie Sullivan, uma jovem estudante de origem pobre. Landon, à medida que o tempo passa, se apaixona por Jamie, que por razões pessoais faz de tudo para fugir de seu assédio.








6 – Ela (2013)





Esta história passa-se em Los Angeles num tempo não muito longínquo. Theodore é um escritor que não consegue superar o divórcio com sua paixão de adolescência, Catherine. A sentir-se só, Theo decide comprar Samantha, um programa de inteligência artificial muito intuitivo, pois adapta-se para atender aos desejos do seu utilizador. Theo, espantado com as capacidades de Samantha, começa-lhe a fazer perguntas sobre o amor e problemas do dia a dia, mas estas conversas acabam por se transformar num amor platónico entre um homem e uma máquina.







7 – Como eu era antes de você (2016)





Conta a história de Lou, uma jovem simples que nunca saiu da aldeia onde vive, mas que quando fica desempregada, vê-se obrigada a aceitar um emprego na casa de Will Traynor, um jovem com um estilo de vida alucinante, mas que depois de ter tido um acidente ficou tetraplégico e dependente. Will é uma pessoa temperamental e autoritária, mas Lou recusa-se a tratá-lo com complacência, o que dará origem a uma relação que lhes vai mudar a vida para sempre.







Esses são os filmes. Concordam com a lista? Acrescentariam algum outro? Digam nos comentários! J-J



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design