segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Um outro lado da Disney



Outro dia o meu sobrinho me mostrou umas ilustrações interessantes que ele encontrou no Pinterest e eu logo pedi pra ele me mandar o link, pois iria falar sobre em um post. Meses se passaram, e eu acabei me esquecendo, até que vi minhas mensagens favoritadas do Whatsapp e hoje escrevo.

Trata-se de ilustrações da DeviantArt de vários personagens da Disney, mas de um jeito totalmente inconvencional, que mostra um outro lado e um novo olhar. Para quem não sabe a DeviantArt é uma comunidade social online mundial que reúne artistas e entusiastas da arte, que permite que as pessoas se conectem por meio da criação e compartilhamento de obras, ilustrações e desenhos.

No site (confira aqui) tem muita coisa interessante que vocês podem explorar, se maravilhar e admirar como essas imagens:















Agora vamos as ilustrações que são o tema principal desse post (abaixo de cada imagem tem o meu comentário):




Esse Ursinho Pohh dá medo, fala a verdade?! Ele é bem diferente daquele urso meigo e doce que conhecemos. 





Conseguiram identificar quais são esses personagens? Isso mesmo! Os Teletubies em versão pós apocalíptica. Confesso que gostei mais deles assim.





Os sobrinhos do Pato Donald e ele em versão assaltante ficou bem legal, não acham?





A minha ilustração preferida dessa seleção. Um Buzzlightear bem mais sério que o do desenho animado.





Aqui conhecemos um outro lado do Rei Leão e sua turma: predadores e assustadores! 





Nem parece mas é o Yoshi em forma de dinossauro com o Mario em cima. Ficou bem legal também! 





Esse é a Hora da Aventura em forma de desenho oriental! Achei daora. 




Gostaram das ilustrações? Bem diferentes né? Fica registrado a minha admiração pela Deviantart por reconhecer esses artistas do mundo inteiro. Tenho vários amigos ilustradores, desenhistas e artistas e adoraria ver seus trabalhos divulgados no site. J-J





Por: Emerson Garcia

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

'RedeTV!' muda sua marca em seu aniversário

RedeTV! celebra seu 18º aniversário com nova marca. | RedeTV!



No dia de seu aniversário a RedeTV! estreia sua nova marca, porém o destaque é a trajetória da emissora dando ênfase a tecnologia, interatividade, promessas de inovação na programação envolvendo teledramaturgia em 2018 e os testemunhos de funcionários, jornalistas e apresentadores.







A RedeTV! entrou no ar oficialmente às 06h59m32s duma segunda-feira, 15 de novembro de 1999. A emissora deu lugar a transitória TV! - nome dado a rede que mesclava programas e plástica da extinta Rede Manchete. Antes, de facto, a RedeTV! deu lugar à antiga emissora fundada por Adolfo Bloch (1908-1995) em 1983. Esta foi a inserção comercial anunciando sua estreia:







O selo comemorativo ficou no canto superior da tela no lugar da habitual marca da empresa.


Selo RedeTV! 18 anos aparece na programação da emissora. | RedeTV!




A evolução da marca


Desde 1999 a RedeTV! quis imprimir ao público uma imagem de modernidade e interatividade. Seu símbolo - o ponto de exclamação - o segue desde os tempos da emissora transitória. Aos poucos a marca ficou mais limpa e com menos detalhes brilhantes, adotando a tendência do chamado flat design (marcas com características mais simples e/ ou opacas). Confira e compare:


Evolução da marca da RedeTV! de 1999 até 2017. | RedeTV! (montagem: LAYON YONALLER)




A RedeTV! possui cinco emissoras próprias (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Fortaleza) adquiridas da extinta Rede Manchete, além de 49 afiliadas. É a quinta maior rede de televisão do Brasil e é pioneira em abolir as fitas de vídeo e manter seu acervo 100% digital.
















Por: Layon Yonaller, especialmente para o Jovem Jornalista

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

"Uma equipe dessas, bicho": Crítica de 'Liga da Justiça'

(Pode conter spoilers!)




Ontem (15) assisti à estreia do novo filme da DC Comics: Liga da Justiça. Antes de começar essa resenha preciso deixar claro que talvez não seja a pessoa mais indicada para falar da produção, pois ainda não assisti Batman Vs. Superman: A origem da Justiça e Mulher-Maravilha - filmes primordiais para o seu entendimento. Ao assistir Liga da Justiça, fiquei perdido algumas vezes e sem entender as coisas (Principalmente o começo e a rixa entre o Batman e Superman), o que salvou foram as minhas referências sobre o mundo dos heróis, uma vez que assisto várias séries desse tema. Só pra contextualizar esse post, o Thiago já falou de Batman Vs Superman e Mulher-Maravilha. Não deixem de conferir!

Liga da Justiça inicia-se após os eventos de Batman Vs. Superman. O mundo está em profundo caos e luto com a morte do Homem de Aço. Não há mais esperança e amor. Em meio a esse cenário, surge uma nova ameaça ao planeta Terra: um alienígena poderoso que quer destruí-lo a qualquer custo, o Lobo da Estepe. Batman, então, em meio ao luto da morte do Superman, se vê obrigado a reunir os maiores super-heróis para, juntos, salvar a Terra.

Claro que essa não será uma tarefa muito fácil. A primeira a ser recrutada é Diana Prince, a Mulher-Maravilha. Batman continua alistando os heróis para a Liga da Justiça. É interessante a abordagem que ele faz com cada um. Mesmo sendo poderosos, eles possuem fraquezas, dilemas e problemas. Assim, o Cavaleiro das Trevas e a Mulher-Maravilha conseguem trazer Flash, Cyborg e Aquaman para seus lados. Este último foi um dos mais difíceis de recrutar, mas depois de adicionado ele ainda demonstra uma certa relutância. 

Formada a Liga da Justiça, agora eles terão que unir forças, habilidades e poderes para derrotar de uma vez por todas o Lobo da Estepe. Ele está a procura de três Caixas Maternas (que estão escondidas) para colocar seu plano em prática. Segundo ele, essas caixas "não emitem poder, mas são o próprio poder". A primeira delas está na Ilha das Amazonas; a segunda, no mar, sob o domínio do Aquaman, e a terceira está sob a autoridade dos homens, na Terra. Em meio a muita luta, o Lobo da Estepe consegue as caixas escondidas na Ilha das Amazonas e no mar. 





Nesse ínterim, a Liga da Justiça necessita da ajuda de outro super-herói, mas tem um probleminha: ele está morto! Então, Batman e companhia tem a ideia de ressuscitá-lo. Eles vão até o local onde o Superman está enterrado, em seu caixão, e o imergem em uma espécie de lago, e desenterram a Caixa Materna que está sob o domínio dos homens. Assim, o Flash fica com ela nas mãos e corre para que a caixa entre em contato com o corpo de Superman (Lembrem-se que ela é o próprio poder!), que está dentro do lago. Quando acontece isso, o Homem de Aço ressuscita. Achei essa sequência de cenas cheia de forçações de barra. Como assim o Superman está morto há tanto tempo e não teve seu corpo decomposto? Tudo bem que ele é poderoso, mas também é humano alienígena. A parte que ele ressuscita foi legal, mas tem que relevar o tom fantástico e fantasioso.

Depois de ressuscitado, o Superman não reconhece seus "amigos" heróis e os ataca. A rixa entre ele e Batman volta à tona, além do Homem de Aço ser agressivo com todos. Mais dificuldades surgem, mas existe algo que acalma o Superman e faz com que ele relembre de sua vida. 

Após isso, o Lobo da Estepe consegue a terceira Caixa Materna, já que a Liga da Justiça estava tão envolvida com o Superman, que acabou se esquecendo dela. Estava claro pra mim que o Lobo da Estepe conseguiria pegá-la com o auxílio do exército de pardemônios. Foi algo bem fácil pra ele. 






Tempos mais tarde, o Superman relembra o seu passado e integra a Liga da Justiça. Agora ela estava completa. Muitos confrontos acontecem entre o Lobo da Estepe e a equipe de heróis. Agora esta precisa parar o vilão para que ele não consiga fundir as caixas e destruir o planeta Terra. Cada herói, com sua habilidade, une-se ao outro. Para mim, todos eles tiveram sua importância na missão, uns mais que outros. Me pergunto o que seria da equipe sem o Superman, pois foi só ele começar a lutar que fez estragos inimagináveis. Mas gostei muito da agilidade do Flash para salvar as pessoas e interferir no tempo-espaço, da habilidade da Mulher-Maravilha com a corda e suas armaduras de ferro, a brutalidade do Aquaman com seu tridente e dos artefatos técnicos e a perspicácia do Batman - que mesmo não tendo nenhum poder, se mostrou bem poderoso e importante para o grupo. Será que a Liga da Justiça conseguiu vencer o Lobo da Estepe?  

De uma forma geral gostei bastante da produção. Houveram momentos maravilhosos dos heróis em grupo e de suas histórias individuais. O filme conseguiu dosar bem as cenas de cada um. Não houve quem se sobressai-se mais. Cada um deles, mesmo com suas histórias individuais, formaram uma identidade própria da Liga da Justiça, criando conexões interessantes entre si. Foi ótimo ver a interação entre eles, principalmente entre Batman e Superman e Flash e Cyborg. Aliás, todos eles tiveram uma sinergia boa, mesmo que se zoem ou briguem em alguns momentos.

Este filme tem um clima mais aventuresco e cômico, com cenas dramáticas pequenas, mas necessárias. Gostei muito das de luta, principalmente porque assisti em 3D e ficou muito bom, e das piadas. Sobre essas, preciso dizer que o Flash roubou a cena com momentos engraçados e com sua "cara de paisagem". Com certeza, no mundo dos heróis eu seria o Flash, totalmente zoeiro e perdido na vida. O que sinto falta em sua série é desse ar cômico, e o filme da DC está recheado disso.





Também não posso deixar de citar os momentos bem humorados do Batman. Parece que ele está menos sombrio do que o conhecemos. Foi ele que me fez sorrir quando o Flash perguntou pra ele: "E você, qual é o seu poder?!". Ele respondeu: "Eu sou rico!" kkkk Queria eu ter um poder desses!

O trabalho de produção está OK, com boa trilha sonora, montagem e fotografia - embora em algumas cenas a achei bem escura. Merece destaque também a direção artística que teve um cuidado em criar os uniformes dos heróis, que não ficaram artificiais, mas bem fidedignos com os quadrinhos.

O filme é bem dinâmico e sem muitas encheções de linguiça. Ele foi relativamente curto, com cerca de 1h45 min, mas suficiente para contar bem a história. Em sua duração foi possível apresentar os heróis individualmente, depois passou-se para a parte da recruta, explicou-se sobre as Caixas Maternas, a motivação do Lobo da Estepe e, por último, a batalha final. Acredito que só essa última foi um pouco prejudicada. Na verdade eu queria muito mais lutas, mas quando vi elas já tinham acabado. 





Liga da Justiça possui duas cenas pós-créditos que obriguei quem tinha ido comigo à vê-las (Eles queriam vir embora quando começou os créditos, vê se pode?!). A segunda é melhor que a primeira, mas as duas são boas. A primeira é um confronto entre dois super-heróis da Liga e a segunda acredito que é o gancho para o segundo filme, quando o vilão (Quem será?!) fica com inveja e quer formar a sua própria Liga. 

Esta é uma produção que recomendo que assistam se gostam de filmes de heróis e de histórias baseadas em quadrinhos. De forma geral, Liga da Justiça está bem redondinho. Só não façam como eu antes de ir ver e assistam os dois filmes antecessores. Até a próxima! J-J






Por: Emerson Garcia

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

O feriado que ninguém se lembra: resultado de uma república ilegítima desde 1889

No quadro "Proclamação da República" ache alguém do povo que apoiou o QUINZE DO ONZE | Benedito Calixto (óleo sobre tela: 1893)


Caros leitores, há 128 anos nesta data o imperador do Brasil Dom Pedro II foi deposto por uma quartelada de militares teleguiados por meia pataca de republicanos que sequer conseguiu cinco por cento das cadeiras do parlamento na época imperial. Os mesmos golpistas que prometeram que em quatro anos fariam uma eleição em manter o regime ou retornar a monarquia só foi realizado em 1993 - é claro, com toda a lavagem cerebral feita em décadas - plantaram a semente que nos deram políticos profissionais e picaretas que reinam ilegítimos em nossa pátria.

Se a maioria esmagadora sequer se lembra que a cada 15 de novembro é feriado e porque ele é, é prova tácita de que a proclamação da república não teve adesão orgânica e espontânea do povo (do povão mesmo!); ao contrário do 07 de setembro onde brasileiros comemoram a independência do Brasil a Portugal. Este vídeo da TV Jornal/ SBT (Recife) mesmo em tom de troça e humor é a prova de que O QUINZE DO ONZE é mais um feriado qualquer.







O jornalista republicano Aristides Lobo escreveu de forma honesta de que maneira foi feita a mudança de regime:

"Por ora, a cor do governo é puramente militar e deverá ser assim. O fato foi deles, deles só porque a colaboração do elemento civil foi quase nula. O povo chorou com aquilo tudo bestializado, atônito, surpreso, sem conhecer o que significava. Muitos acreditaram seriamente estar vendo uma parada!"



Após o fato ocorrido, de forma covarde os conspiradores expulsaram a Família Imperial Brasileira discretamente, longe dos olhos populares por temerem uma reação mais violenta. Não é à toa que movimentos que estavam no limiar de (parecer) restaurar a monarquia foram completamente esmagados a exemplo do que ocorreu de forma covarde e vil na Guerra de Canudos (1896-97).


Falsos heróis, falsas histórias e consequências


Os "estados unidos" do Brasil. | Wikipédia em Português



Para dar ar de legitimidade a república mudaram-se símbolos, bandeiras e outros adereços que lembravam os tempos da monarquia. Nada de lembrar a ousadia de D. João VI em enganar Napoleão Bonaparte e mudar a corte portuguesa ao Brasil; e riscar os feitos de D. Pedro I como libertador da nação e desconsiderar os feitos corajosos de D. Leopoldina em assinar nossa separação com Lisboa e da princesa Isabel em libertar os escravos. A república escolheu como "heróis" o bandido, assassino e escravagista Zumbi dos Palmares, além do agitador político e, por conseguinte, boi-de-piranha Tiradentes.

Por quatro dias a bandeira Nacional foi um arremedo de imitação da equivalente dos Estados Unidos, só depois trocada no formato atual. Aprendemos a debochar de nossa história e daqueles que sacrificaram suas vidas e reputações em querem uma pátria livre de fato (e isso se vê muito na mídia e nos livros mentirosos do MEC). A política como meio de resolver os problemas da nação, tendo na figura do imperador a garantia da ordem, deu lugar ao balcão de negócios a olhos vistos de safados "eleitos democraticamente" diga-se de passagem.

A república brasileira nos deu SEIS constituições, CINCO interrupções de regimes entre golpes, contragolpe e revoluções, inúmeras ameaças de ingovernabilidade, TRÊS regimes autoritários e não tivemos MAIS QUE TRINTA ANOS de um regime republicano sem ameaças de qualquer governo do presidente do Brasil estar no limiar de terminar o mandato sendo impedido de governar. Se falamos hoje de "intervenção militar" e "nova constituinte exclusiva" é porque a república foi um erro crasso, irresponsável e mortal perante todos nós brasileiros.

De que adianta eleições, se temos uma péssima safra de políticos e coronéis que mandam de fato no Brasil, um povo que troca sua consciência por um prato de comida, urnas eletrônicas suspeitas e passíveis de fraude, uma corte como o STF cheia de "ministros" com relações pornograficamente imorais com os mesmos donos do poder? Nosso futuro foi roubado porque um marechal soube que um outro homem (que ficou com uma mulher que ele amava no passado) iria assumir o governo imperial e o mesmo marechal moribundo caiu na balela de que ele seria preso. É isso mesmo, caros leitores! Foi assim que a república no Brasil começou.

Fique com esse comentário do jornalista e político Paulo Eduardo Martins que desnudou toda a mitologia em relação à república:






Hoje não é feriado, é apenas um dia para não se fazer nada. É um mero QUINZE DO ONZE.

Até mais, pessoal. J-J

















Por: Pedro Blanche
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design