terça-feira, 22 de agosto de 2017

A temporalidade dos fones de ouvido: por que isso acontece?





Semana passada (15) troquei o meu fone de ouvido, não porque gostaria de um mais potente ou com melhor qualidade, mas porque um dos fones parou de funcionar e emitir som. Esse foi mais um episódio dos periféricos e eletrônicos descartáveis, que já falei aquiJá tinha o desejo de trocar este acessório - porque o som dele era como de lata e bastante ruim - só não imaginava que seria tão rápido. 

Certo dia o utilizava para ouvir música, enquanto ia para o meu local de trabalho. Terminei os afazeres, fui almoçar e quando ia utilizá-lo novamente, uma surpresa: somente um dos lados funcionava! Eu não tinha feito nada além de enrolá-lo cuidadosamente e guardá-lo no meu bolso. Não o estiquei, não deixei molhá-lo e muito menos pulei corda com ele. Foi assim... de repente! Resolvi utilizá-lo da mesma forma e percebi que ele estava com mau contato e dependendo de como posicionasse os fios, ambos emitiam som. Mas do nada somente um voltava a funcionar. 

Foi aí que pensei: "Eu não posso ficar com esse fone mais. Preciso comprar um com urgência. Eu vivo, dependo e respiro de música". Quatro dias depois estava comprando um original na loja da Samsung, por R$ 99. 

Fiquei feliz com a aquisição, afinal é melhor comprar um original do que um do Paraguai que já tinha né? O som dele não é mais de lata, mas sim limpo. O formato dele é auricular - daqueles que colocamos nas curvas do ouvido - com um par de borrachinhas (Fiquei tranquilo porque elas não saem facilmente). O som, basicamente, sai por dois canais e é amplificado por essas borrachas (acredito eu).





Este não é o meu primeiro fone de ouvido, mas torço para que ele possa ser um dos últimos que comprarei, até por conta do seu valor salgado. Já tive fones originais e do Paraguai e todos estragaram com o decorrer do tempo. Fiquei surpreso por até mesmo o da Samsung já ter sido inutilizado (Daí o meu medo com esse novo fone). 

Por que fones de ouvido estragam com tanta facilidade? Por que são tão descartáveis e frágeis? Por que, por mais que um acessório como esse seja de qualidade e de marca, está fadado a ser inutilizado? Esse é o tema do post de hoje!


Fones de ouvido descartáveis


Esse pequeno acessório foi programado para ser inutilizado algum dia e o pior de tudo: ele não pode ser substituído por outro! Fiz várias pesquisas quando meu fone estragou e quando comprei outro e descobri que as empresas não apresentam garantias para acessórios. Elas somente testam o produto na hora. Mas, por mais que cuidemos do produto, ele deixará de funcionar. Leia esses depoimentos:


"Eu perdi muitos fones por causa de parar de funcionar um lado e eu cuidava deles direito." - Arthur Claro 


"Os periféricos que vieram com o Iphone 5c - fone de ouvido e fio da bateria - duraram um pouco mais da metade do tempo. [...] No fim do ano passado comprei os 'originais', tanto o fone como o fio da bateria. [...] O fone que comprei não durou 6 meses. Ele quebrou e eu tive que colocar uma fita para segurar." - Samara Andressa


"Já tive fone de ouvido, headphone, tudo... E todos eles chegaram a um fim (alguns muito antes do que eu esperava). Um fone, simplesmente foi parando de funcionar, funcionava quando queria, depois parou de vez. Outro funcionava só um lado por um tempo, até que o outro lado também decidiu se aposentar." - Thiago Nascimento



O fone parar de funcionar de um lado é a situação que mais acontece. O primeiro original do meu celular atual parou de emitir som de um lado, depois do outro, até jogar fora e comprar um do Paraguai por R$ 20. A segunda situação é o fone arrebentar os fios. A terceira é ficar com mal contato. A fragilidade dos fones de ouvido é visível!

Atualmente eles podem ser feitos de vinil, espuma, silicone, plástico, couro artificial, têxteis entre outros. Mas nenhum material de fato resistente que possa prolongar a vida desses acessórios.



E os cuidados?






"Ah! Mas os fones de vocês (Arthur, Emerson, Thiago e Samara) pararam de funcionar porque não tiveram o devido cuidado". Não é esse o motivo que os acessórios deixaram de funcionar, pois cuidamos deles, não banhamos com eles no ouvido, não o esticamos, nem utilizamos nossa força bruta para ouvir música ou quando o guardamos. Esses 14 passos para não quebrar o fone de ouvido, do Wikihow, e essas seis dicas para não quebrar o fone de ouvido e usá-lo por mais tempo, do Tech Tudo, seguimos praticamente tudo - creio que menos o da case de fone de ouvido e ouvi-lo em volume mais baixo.

O cuidado faz parte da minha rotina. Quando o fone enrola e cria vários nós, procuro desfazê-los com cuidado e os guardo enrolando de uma forma que ele não embole de novo. Não tenho case de fone de ouvido, muito menos aqueles objetos que auxiliam ao enrolar fone de ouvido, mas faço de tudo para conservá-lo. Esse novo, por exemplo, veio com um plástico da fábrica que envolvo o fio com ele para protegê-lo.







Quando comprei o último fone de ouvido perguntei à vendedora qual era a forma correta que se enrolava e ela me respondeu simplesmente (sem muitas explicações):

"O próprio fone de ouvido já tem um jeito certo de enrolar. "


Sério! Um minuto de silêncio para essa explicação MA-RA-VI-LHO-SA! Só que não! kkkkk



Quando fiz a pesquisa para esse post, descobri a forma correta de enrolar os fios, para que não fique um balaio de gato quando for usar novamente. O ideal é unir os fones e o restante do fio enrolar com cuidado, destreza e dedicação, como nesse vídeo do Tech Tudo:






Eu sigo todos esses passos, sem esticar os fios e apertar demais. Mas... uma hora ou outra o fone de ouvido estraga, infelizmente. 

Penso seriamente em comprar algo a mais para proteger meu fone de ouvido. Quem sabe uma case ou um acessório que auxilie na forma de enrolar? Seria mais um investimento, porém garantiria segurança. Com certeza gastaria mais um pouco, mas valeria a pena. Já vi até um 'enrolador' mais elaborado em forma de ouvido. Quem sabe não compro um desses?




Enrolados na mão, no prendedor, em acessório de coruja... Como você enrola seu fone de ouvido?




Originais ou do Paraguai?



O que comprar: fones de ouvido originais ou paralelos? Definitivamente não posso escolher um ou outro. Meus originais já estragaram, assim como os do Paraguai. Então essa questão é bem obscura pra mim.

A Samara Andressa, do blog Jeans Rasgado, possui diversas experiências não das melhores com fones de ouvido. Quando ela optou por comprar acessórios paralelos do seu Iphone, se deu mal. E quando ela decidiu comprar originais também, e de uma maneira surpreendente. Leia (com grifos):


"Decidi comprar um qualquer que servisse, porque o original é super caro. Durou bem pouco, o som do fone era de qualidade baixa e as teclas de aumentar o  volume não funcionavam

No fim do ano passado comprei os "originais", tanto o fone como o fio da bateria. 

Agora você deve estar se perguntando o por quê das aspas em originais. Porque acho que fui enganada na loja que comprei, que não era uma autorizada da Apple, mas era em um shopping onde vendia apenas periféricos de celulares de várias marcas. O fone que comprei não durou 6 meses, ele quebrou. Tive que colocar uma fita para segurar. "



Vejam o estado do fone de ouvido dela. Dá dó! Fica a dúvida realmente se o acessório é original:







Acessórios genéricos possuem a mesma função que os originais, embora possuam maior facilidade em parar de funcionar e quebrar, além de ter um som bastante inferior que os outros. São consideravelmente mais baratos do que os de marca. Mas estes últimos, por serem mais caros, não estão livres da obsolescência.

A história da Samara nos ensina algo: se comprarmos o fone de ouvido similar, por ser mais barato, teremos prejuízo. Mas também se comprarmos o "verdadeiro" não é a garantia que ele é o melhor, mesmo gastando e investindo mais.

Creio que o último fone de ouvido da Samara não é verdadeiramente original, porque se fosse, a ideia era durar mais por se tratar de Iphone. E Iphone é Iphone né? Ou será que não?! Agora tenho as minhas dúvidas kkkk



7 morais da história


Temos sete morais sobre isso:

1- Seja original ou falsificado o fone de ouvido pode deixar de funcionar, por todos os exemplos que vocês leram nesse post;

2- Talvez se redobrarmos o cuidado, esses acessórios podem ter uma vida mais longa; 

3- Na dúvida entre comprar um fone de ouvido original e um falsificado, prefira a primeira opção, por mais que saiba que ele pode parar de funcionar;

4- Não espere por garantia de acessório porque você não terá! ;

5- Se as empresas fabricassem acessórios com outros materiais, talvez eles fossem mais resistentes e menos frágeis;

6- Gastar pouco com fone de ouvido pode te trazer prejuízo, assim como gastar muito. Tenha isso em mente! ;

7- Se você quiser cuidar mais do seu fone de ouvido pode comprar cases e 'enroladores'. Vale a pena gastar um pouquinho mais.


Gostaram das morais? Quais são as experiências de vocês com fones de ouvido? Digam nos comentários! J-J


Por: Emerson Garcia

domingo, 20 de agosto de 2017

"Ih, vazou!": HBO Espanha vaza episódio 7X06 de 'Game of Thrones' e os fãs ficam como?



Com certeza a notícia do momento do mundo das séries é o vazamento do sexto episódio da sétima temporada de Game of Thrones que irá ao ar daqui há pouco, às 10 da noite pela HBO mundial. O capítulo foi vazado por engano pela HBO Espanha na última terça-feira (15) por cerca de 67 minutos, quase a totalidade (71 minutos). O fato deixou os fãs da série surpresos. Muitos já assistiram ao capítulo inédito e outros ficaram perturbados com a onda de spoilers que surgiu na internet. O que há por trás dessa história? Quais são as implicações e repercussões de tudo isso?


O episódio vazado


De acordo com a HBO, em nota divulgada, o episódio foi exibido por engano. Veja (com grifos):

"Nós soubemos que o próximo episódio de ‘Game of Thrones’ foi postado acidentalmente por um breve período de tempo na HBO Espanha e na HBO nórdica. O erro parece ter ocorrido em um fornecedor terceirizado e o episódio foi removido assim que reconhecido."


A HBO falou de um fornecedor terceirizado, mas será que ela não controla os fornecedores que exibem as programações? Foi um erro grave, que afetou seus programas. E o episódio, mesmo que tenha sido exibido na Espanha, não anula que ele pode ser visto, baixado e comercializado de outras partes do mundo. Tanto é que várias pessoas puderam buscá-lo na internet. Então faltou um controle da própria empresa e um cuidado para que seu conteúdo não vazasse ou fosse exibido antes do tempo.

A nota da HBO também diz que o episódio foi exibido por pouco tempo. Desde quando exibi-lo praticamente todo é "um breve período de tempo"? O canal só percebeu o erro quando faltava apenas quatro minutos para o seu término. 

O comunicado ainda fala: "o episódio foi removido assim que reconhecido". Só que demorou muito para o reconhecimento né? A HBO deveria ter um sistema ou um software que reconhecesse se a programação exibida é a certa mesmo.


Explicações


Existem duas explicações principais para o vazamento do sexto episódio de Game of Thrones. A primeira foi devido à uma falta de comunicação e a segunda por conta da disponibilização na íntegra do episódio. Leia, com detalhes, de acordo com o site Canal Tech (com grifos):

"De acordo com os relatos dos fãs, o engano aconteceu quando, na verdade, a HBO Espanha estaria exibindo uma reprise. A primeira hora do sexto capítulo, que tem uma duração total de 1h11, foi exibida, com a transmissão cortada antes do final, teoricamente, não porque alguém percebeu o erro, mas sim devido à grade, que deveria dar espaço ao próximo item da programação.

Entretanto, uma segunda versão surgiu rapidamente e parece ter sido obtida a partir da plataforma online HBO Go, indicando a ocorrência de um erro ainda maior. Neste caso, inclusive, o capítulo foi disponibilizado na íntegra, mas somente por alguns minutos. Quem teve sorte de acessar o conteúdo antes da remoção, entretanto, conseguiu assistir até o final, o que acabou dando origem, também, a mais um arquivo vazado."



HBO rackeada





O vazamento do episódio de Game of Thrones na última terça-feira não está relacionado ao ataque hacker da HBO norte-americana, segundo a própria empresa:

"Isso não está relacionado ao recente incidente cibernético com a HBO nos Estados Unidos."




Veja o que os hackers disseram:

"Olá para toda a humanidade. O maior vazamento da era do espaço cibernético está acontecendo. Qual seu nome? Ah, eu esqueci de contar. É a HBO e Game of Thrones……!!!!!! Você tem sorte de ser os pioneiros a testemunhar e baixar o vazamento. Aproveite e espalhe a palavra. Faremos uma entrevista com aquele que espalhar bem. HBO está caindo."


Leia também a resposta da empresa:

“A HBO recentemente passou por um incidente cibernético, que resultou no comprometimento de informações de nossa propriedade. Investigamos imediatamente o incidente e estamos trabalhando com empresas de segurança pública e segurança cibernética. A proteção de dados é uma prioridade máxima na HBO, e levamos a sério nossa responsabilidade de proteger os dados que possuímos”.


Isso fez com que a HBO tomasse medidas de não divulgar os episódios antecipadamente para jornalistas e a imprensa, mas isso não foi capaz de parar a onda de spoilers e vazamentos.

Recentemente, por exemplo, quatro pessoas foram presas por terem vazado o quarto episódio da sétima temporada de GoT. Creio que tenha sido em decorrência desse ataque hacker à HBO


E agora, HBO?


Qual é a reação dos seriadores politicamente corretos quando um episódio é vazado por hackers? No mínimo é rechaçar a atitude, não assistir ao episódio antes da hora e torcer para que eles sejam presos (Inclusive quando foi vazado o quarto capítulo surgiu uma campanha para que os fãs não o assistissem nem o baixassem antecipadamente). Mas qual é a atitude deles quando um episódio é vazado pela própria emissora?

Coloco-me no lugar dos espanhóis que estavam sintonizados no canal na terça-feira para assistir à reprise do quinto episódio de GoT. A atração começa e o telespectador assiste. Ele percebe que é um capítulo inédito, mas continua assistindo. Ele não para de ver até que o capítulo saia do ar.

Será que esse telespectador está errado? Será que quem baixou o episódio na internet também? Há um verdadeiro impasse porque foi a própria emissora que o vazou. A HBO que mudou algumas diretrizes de divulgação de programas, é a mesma que errou desse modo.


O perigo dos spoilers


Com o vazamento do episódio, alguns fãs ficaram frustrados com a empresa (Poxa, HBO!). Isto porque eles odeiam spoilers e divulgações antecipadas. Tiveram aqueles também que foram bombardeados com spoilers (Era só abrir o Facebook, Twitter ou qualquer outra rede social que eles estavam lá!). Também tiveram aqueles que pra fugir dos spoilers foram obrigados a baixá-lo, como o colaborador do blog Thiago Nascimento:





Veja a parte do status do Thiago que chamou a minha atenção:

"Vou assistir logo porque a internet é escura e cheia de spoilers u_u"


É exatamente assim que muitos fãs pensaram! E realmente a internet ainda está cheia de muitos spoilers, infelizmente. E tudo isso por culpa de quem? Da HBO

Em qualquer uma dessas situações evidencia-se o perigo dos spoilers. Para quem dá e para quem é afetado por ele. Spoilers podem ser interessantes pra uns, mas pra outros não. Podem atiçar a curiosidade dos fãs e fazer com que eles vejam ou não ao episódio. Podem ser motivo de curiosidade e diversão, mas também de brigas e unfollow nas redes sociais. Todas essas situações são perigosas!


Será que não foi proposital?


Creio que o episódio vazado pela HBO não foi mais que um mero acidente, mas que trouxe repercussões e falatórios. Também não acredito que isso seja marketing - mesmo que o episódio quatro tenha sido vazado na semana de exibição e o seis também - até porque os dois incidentes não tem relação um com o outro. O episódio quatro foi vazado por hackers, o seis pela HBO

Contudo, mesmo que o vazamento não tenha sido proposital, ele gerou efeitos. Essa semana a série ficou mais em alta na internet, nas rodas de discussões e nos Trending Topics da vida, que de costume. Não posso mensurar todos os efeitos, já que o sexto episódio irá ao ar daqui a pouco em todo o mundo, mas posso imaginar que mesmo com o vazamento ele baterá recorde de audiência. É aquilo né? Quem já viu, verá de novo; quem não viu, está curioso pra assistir; e quem não viu, mas já leu os spoilers na internet (como eu), quer muito ver também. Ou seja, valerá muito assisti-lo de qualquer forma!

De fato, Game of Thrones é um fenômeno de audiência, debates, conversas, spoilers, pirateamento de episódios, teorias e vazamentos. J-J


Por: Emerson Garcia
Colaboração: Thiago Nascimento

sábado, 19 de agosto de 2017

Imersão 2: Espontâneos e adoração ao vivo



No último dia 03 foi lançado o cd Imersão 2, um projeto que funciona como uma continuação do Imersão, lançado em 2016 e já falado aqui. O cd foi gravado em abril desse ano na Igreja Batista da Lagoinha em Belo Horizonte (MG) durante o Congresso Adoração, Intercessão e Missão Diante do Trono. Imersão 2 conta com o selo Onimusic, contém 12 faixas e 69 minutos de duração e está disponível em formato físico.

Esse novo álbum de espontâneos difere do Imersão. Enquanto este foi gravado em formato acústico, aquele ao vivo e com a participação do público. Essa atitude tornou o cd mais participativo e profético, como se as pessoas presentes pudessem sentir o agir do espírito santo que emanava da plataforma e também os momentos instrumentais. Veja o que a líder de louvor do Diante do Trono e diretora geral do cd, Ana Paula Valadão, disse:

“No Imersão 2 demos mais um salto de fé, que foi ser espontâneos diante de uma multidão. A experiência foi maravilhosa, pois a voz da Igreja é como o som de muitas águas”.


O Diante do Trono, por mais uma vez, soube criar um cd marcante com apenas espontâneos. Aliás, esse estilo já é conhecido de muitos anos da trajetória do grupo. A primeira vez que Ana Paula Valadão teve contato foi em 1995, quando era aluna do Christ For The Nations e ouviu Joy Hill realizar um ato profético através da música:

“Fui tão impactada que pedi a Deus que eu pudesse profetizar cantando também”.


A produção musical de Imersão 2 é de Gustavo Soares, que fez um trabalho primoroso e com um diferencial sonoramente falando. A direção geral é de Ana Paula Valadão, que soube conduzir com seriedade e empenho esse trabalho. O back vocal do cd está muito bom e contou com as vozes de Fred Arrais, Flávia Arrais, Nívea Soares e Israel Salazar. 










Um destaque sobre os aspectos técnicos da obra é que não somente Ana Paula Valadão ministrou e cantou músicas espontâneas, bem como os demais convidados, o que deixou o Imersão 2 plural e diverso. Evidencio, por exemplo, os espontâneos da Nívea Soares, que já tem uma voz profética e forte e marcou bastante algumas faixas do cd e Flávia Arrais, que realmente foi a grande surpresa do cd com sua voz suave, mas cheia de autoridade.

Assim como o primeiro cd dessa série Cânticos Espontâneos, este também possui uma ordem de apreciação sonora, ou seja, ele precisa ser tocado na ordem, pois pode não fazer sentido. A obra começa fazendo uma referência à passagem bíblica que diz "Aquele que crê em mim do seu interior fluirão rios", depois à Ezequiel e as águas purificadoras, deixar-se levar pelo rio de Deus, sobre a vontade divina e dar glória somente a Deus, até chegar ao seu ápice (Imersão 2, O tangedor e as vozes e O mergulho final).

Sobre os arranjos vocais e instrumentais, Imersão 2 é totalmente diferente de Imersão justamente por ser ao vivo. Nota-se uma sonoridade bem diferenciada e, por assim dizer, mais aberta. O violino foi um dos instrumentos adicionados na obra, que a deixou com um requinte sonoro. Por falar neles, os instrumentos musicais são o destaque em algumas faixas, que não contou com espontâneos cantados, cantores nem back vocal. É o caso de O tangedor e as vozes e O mergulho final.

As faixas que merecem destaque do cd e mais me impactaram, seja pela sonoridade, profecia, espontâneo e mensagem foram: Tudo viverá, Tira os meus pés do chão, Me deixar levar por ti e Teu novo (E exatamente nesta ordem!). 






Tudo viverá tem uma mensagem profética muito forte. É ótimo quando nos identificamos com uma música e ela faz toda a diferença né? A letra diz assim: "Tudo viverá por onde este rio passar" e conta com a profecia que o espírito santo faz reviver áreas de nossa vida que estão mortas. Fiquei feliz por essa ser a primeira música disponível em vídeo no Youtube.






Tira os meus pés do chão é iniciada com uma declamação bíblica sobre a passagem das águas purificadoras de Ezequiel. Desde seu primeiro minuto me senti impactado pelas palavras emocionantes e cheias de sentimentos proferidas pela líder de louvor. Sempre que a ouço sou convidado a mergulhar mais fundo e tirar os meus pés da superfície. Há cinco dias (14) ela foi lançada em formato de vídeo no Youtube.







Me deixar levar por ti é uma continuação da faixa anterior. A letra diz: "Eu posso me deixar levar. Eu posso me deixar levar por Ti. Eu posso confiar. Eu posso confiar. Posso confiar em ti. Confiar em ti." Traz uma bateria, guitarra e teclado marcantes. Flávia Arrais faz uma ministração marcante e puxa o seguinte refrão: "Eu quero ir além. Eu quero ir além. Eu quero ir além". O público acompanha com belos aplausos compassados. Ela foi lançada na última quinta-feira (17) no Youtube:







Teu novo é embalada pelo seguinte refrão espontâneo: "Teu novo, teu renovo". A canção começa intimista e vai crescendo a cada momento. A achei bem suave, mas com uma mensagem muito intensa.











Mesmo que tenha destacado essas quatro faixas, não quer dizer que as outras não são boas. Aliás, se pudesse falaria de todas. O que quis é selecionar algumas (Tarefa difícil!). Vocês não se arrependerão de ouvir Faz novas todas as coisas, Porque Dele e por Ele, Tudo no seu templo diz glória e Como as águas cobrem o mar.

Agora, sobre a capa. Imersão 2 traz um cartão de visitas com o mesmo mar do cd anterior e também com o mesmo tom de cor. Um azul calmo, porém intenso e marcante. Contudo Imersão 2 traz um novo elemento: o reflexo do sol que ilumina as águas. Esta capa sugere um nível mais profundo de adoração e de imersão em águas mais profundas que o primeiro cd. Veja o que a Ana Paula Valadão disse em seu Instagram sobre ela:





Irei transcrever (com omissões):

"Já mergulhou fundo e então olhou para cima por dentro da água e viu a luz do sol? Essa é a capa que escolhemos para o Imersão 2!"


Belo conceito de cd e de capa né?



Assim como o cd anterior, também serão disponibilizadas as gravações em vídeo das músicas de Imersão 2. É só aguardar! Três faixas já foram liberadas. Mais uma vez, não poderia deixar de recomendar esse projeto. Sempre de manhã ou à tarde sinto vontade de ouvi-lo, realizar devocionais e cantar esses espontâneos marcantes. Por fim, o sucesso de Imersão 2 é incontestável, estando no topo de audiência do Deezer, iTunes e Google Play. Mais um motivo de ouvi-lo! J-J


Uma publicação compartilhada por Ana Paula Valadão Bessa (@anapaulavaladao) em


Mais informações

Instagram- Ana Paula Valadão: https://www.instagram.com/anapaulavaladao/                                - Diante do Trono: https://www.instagram.com/dtoficial/
Site: http://diantedotrono.com/
Facebook: http://facebook.com/DiantedoTronoOficial
YouTube: www.youtube.com/user/DTOFICIAL/



Por: Emerson Garcia

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Rádio Bagaralho: Programa "Você pede, a gente não toca" #4


Olá ouvintes da Rádio Bagaralho FM (Rádio Bagaralho, a rádio do... povo). Aqui quem fala é o locutor Arthur Claro, aquele que é igual porém diferente. Com o oferecimento das Lojas Olhoko Ponto Cão começa agora mais um programa Você pede, a gente não toca!



Arthur: Alô, quem será o primeiro a pedir música hoje?

Carlos: Aqui é o Carlos, eu quero pedir a música 'Shape of you' do Ed Sheeran.

Arthur: Ok, vamos tocar 'Heart Shape Box' do Nirvana para o nosso querido Carlos.







Arthur: Mais uma ligação na área, alô.

Lorena: Alô. Será que você pode tocar para mim a música 'Flor e Beija-flor' da dupla Henrique e Juliano?

Arthur: Mas é claro. Vou tocar a música 'Presente de um beija-flor' do Natiruts.






Arthur: Alô, caro ouvinte, pede a sua música sem medo de ser feliz.

Willian: Alô. Aqui é o Willian e quero pedir a música 'Fresh Outpouring' da Kim Walker. 

Arthur: Ok, caro Will, vou tocar a música 'Fresh Prince of Bel Air' do Will Smith. 







Arthur: O telefone é feito para tocar. Vamos para a próxima ligação.

Duda: Quero pedir uma música, será que posso?

Arthur: Com certeza. Você pede, a gente não toca.

Duda: Então vou pedir a música "Photograph' do Ed Sheeran.

Arthur: Boa pedida. Caros ouvintes, fiquem com a música 'Photograph' do Nickelback.






Arthur: Para finalizar uma última ligação. Quem fala?

Pamela: Oi, aqui é a Pamela. Quero pedir a música 'K.O' da Pabllo Vittar.

Arthur: Tranquilo, Pamela. Vamos tocar para você a música 'Arrasa bi' do Supla.





Queridos ouvintes, quero agradecer a todos que pediram as músicas e espero que continuem ouvindo a Rádio Bagaralho. Aguardo mais pedidos para o próximo programa. Um bom fim de semana repleto de felicidades a todos. Beijos e abraços. J-J

























Por: Arthur Claro

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Quinta de série- nostalgia: Cult

(Pode conter spoilers!)







Hoje trago uma série de 2013, já considerada nostálgica: Cult. Ela foi cancelada com apenas uma temporada de 13 episódios. É da CW (rainha dos cancelamentos!) e foi criada por Rockne S. O'Bannon. 

Esta é definitivamente uma produção que não sinto a menor falta. Cult até trouxe uma premissa boa ao usar a metalinguagem e ser uma série dentro de outra série (falarei mais à frente), mas isso não deu muito certo. A série no geral foi um fiasco, com episódios ruins, atuações péssimas e roteiro fraco.

Cult é sobre a investigação do sumiço de Nate, irmão do jornalista investigativo Jeff Sefton. Nate dizia que o programa de TV Cult - uma série criminal estrelada por Billy Grimm - foi feito para o prejudicar. Jeff não acreditava nisso, até que ele desapareceu misteriosamente. O jornalista investigativo, então, começa sua caçada, com a ajuda da assistente de produção de Cult, Skye Yarrow. Juntos, eles investigam os fãs da série, seus atores e todo o frenesi que ela causa nos telespectadores. 

À medida que as investigações avançam, Skye e Jeff descobrem os efeitos que a série pode causar em quem a assiste, bem como suas mensagens sublimares. As consequências dela são tão visíveis que o ator do programa é visto como galã e seu personagem é bastante querido. 






Skye e Jeff compartilham a mesma dor, assim como vários personagens: o de ter perdido alguém da família. Vários desaparecimentos estão ligados à Cult e as respostas para isso só podem ser encontradas através de seus seguidores, conhecidos como True Believers

À cada pista, novos questionamentos são levantados. Muitas perguntas não foram respondidas, o que afetou na qualidade final do seriado. Diversas situações extraordinárias aconteceram, que não tiveram a mínima explicação. Creio que essa falha no roteiro foi visível.


Metalinguagem






A metalinguagem foi o principal conceito levantado pela série, mas que não deu muito certo. Cult pretendia misturar realidade e fantasia, mas acabou se perdendo no meio do caminho. Quando fala-se de uma série dentro de outra, logo vem à nossa mente duas tramas distintas com personagens diferentes. Saber interligar tudo isso não é tarefa fácil. Além disso, a conexão entre elas pode se dar de forma óbvia e pouco interessante, sem muitas surpresas.  



Crítica e audiência


Debates como esses são tratados em Cult: pessoas podem ser influenciadas por programas de TV? Qual é nossa relação com os personagens? Séries podem mexer com nosso psicológico e emocional? Você seria capaz de matar alguém por conta de uma série? Qual é a relação de um fã com um roteirista? 

Cult trata de obsessão, sugestões, efeitos de um programa de tv na sociedade e  vícios. Se fosse uma abordagem mais clara e profunda, a série poderia ser até interessante, mas parece que não teve um cuidado dos roteiristas. O que percebi é que foi uma série realizada de qualquer forma, com um roteiro excelente mal aproveitado.






A série também fala de um culto de seguidores de serial killer, assim como The Following (em breve falarei dela no blog) que estreou na mesma época, mas com sua própria identidade e diferencial. Cult fala das consequências de uma série de TV sobre serial killer, enquanto The Following sobre a busca implacável de um policial do FBI a um serial killer e seus seguidores. Confesso que The Following é muito mais excitante que Cult

A história tinha grande potencial e boas discussões para a sociedade, mas isso não aconteceu em seus episódios. A trama só vem a ficar um pouco interessante a partir do sexto episódio e os anteriores são muito ruins. Creio que isso fez com que muitos telespectadores abandonassem a série no meio do caminho. 

Cult foi tão ruim que foi cancelada com apenas 7 episódios. Depois dele, o canal exibia dois episódios por semana.

A series finale não foi uma conclusão propriamente dita, mas abriu para outras histórias e gerou mais dúvidas que respostas. Parece que a CW é mestre em deixar séries em aberto e sem conclusões né? Uma pena...

Cult teve uma recepção abaixo da média pelo Metacritic (46%) e uma nota dos usuários de 5,6. 


Esta é uma série que não recomendo por todos esses motivos citados no post. Só assista se você quer ficar com raiva e entediado mesmo. J-J






Por: Emerson Garcia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design