sábado, 29 de setembro de 2018

Como deduzir o ganhador das eleições presidenciais brasileiras de 2018?

Brasileiros irão votar este ano para vários cargos, em especial para presidente da República. | Depositphotos


Com base nos dados de eleições anteriores e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) [1] você pode ter ideia de quem pode ser o presidente do Brasil. Para isso é necessário gostar de dados, mapas e estar livre de paixões e ódios.

DADO 1 – Número de eleitores: somos 147.302.537 aptos para votar (julho/2018). A região Sudeste do Brasil (62.902.501 ou 43,38%) e o estado de São Paulo (33.040.411 ou 22,43%) são campeões de eleitores.

DADO 2 – SP, MG, RJ e BA são os maiorais: Os estados de São Paulo, Minas Gerais (15.700.966 ou 10,65%), Rio de Janeiro (12.406.396 ou 84,22%) e Bahia (10.393.170 ou 7,056%) pertencem ao seleto grupo de eleitores com dois dígitos na casa dos milhões.

DADO 3 – O Sul e o Sudeste decidem 1: apesar da região Nordeste ser o segundo maior eleitorado do Brasil (39.222.149 ou 26,62%) as regiões Sul (21.396.031 ou 14,52%) e Sudeste concentram mais eleitores.

DADO 4 – O Sul e o Sudeste decidem 2: Desde a eleição presidencial de 2006 – com exceção dos estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais – Os sulistas, paulistas e capixabas historicamente tem votos anti-PT (Partido dos Trabalhadores).

DADO 5 – Diminuição de votos ao PT: Em comparação da vitória do partido em 2002 (Lula ganha com 61,27% dos votos válidos) até a reeleição de 2014 (Dilma ganha com 51,64% dos votos válidos) houve diminuição de votos para a agremiação em 9,63%.


Mapas: movimentação dos votos válidos

Esta página especial do site Nexo [2] exibe como cada candidato majoritário se saiu nos pleitos desde 1989 até 2014. Os mapas ilustrados mostram como o eleitor se comportou ao decidir seu voto. Quando o PT ganhou a disputa em 2002 venceu nos 25 estados e no Distrito Federal (DF). O partido manteve suas vitórias enquanto Minas e Rio continuava a eleger seus candidatos.

Aqui, os mapas ilustrados e o texto citará o PT devido sua presença constante na disputa eleitoral desde 1989 e pode-se tirar uma ideia do destino eleitoral de 2018.

1989/1998 – Construção do eleitorado: Nas três eleições, o PT conseguiu consolidar por volta de 30% de eleitores. Apesar disso, a agremiação não conseguiu ganhar na maioria esmagadora dos estados. Em 1989 o candidato Luís Inácio Lula da Silva conquistou a qualificação do segundo turno apesar de ter vencido apenas no DF (a margem de vitória contra o candidato Leonel Brizola foi uma diferença de 0,67% dos votos válidos). Desde o segundo turno de 1989 o partido conseguiu se firmar no Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

Cenários eleitorais de 1989,1994 e 1998. | ilustração: LAYON YONALLER




2002/2006 – Hegemonia: Depois de três derrotas, Lula se elegeu com votação expressiva. Tanto no primeiro turno de 2002 e 2006 houve crescimento de votos válidos. Porém no segundo turno dos dois pleitos uma pequena diminuição. A partir de 2006 as regiões Sul e Centro-Oeste deixaram de votar no Partido dos Trabalhadores.

Cenários eleitorais de 2002 e 2006. | ilustração: LAYON YONALLER




2010/2014 – Divisão e terceira via: Com grande influência de 2006, as últimas eleições de 2010 e 2014 foram marcadas pelo cisma das unidades federativas. O estado do Rio Grande do Sul – quinto maior eleitorado do Brasil (8.354.732 ou 5.67%) mudou de voto no primeiro e segundo turno.

O aparecimento de votos em candidatos na terceira colocação com mais de 10% volta a aparecer desde 1998 e 2002. No final das contas a região Sul deixou de votar no partido de Lula e Dilma.

Cenários eleitorais de 2010 e 2014. | ilustração: LAYON YONALLER



Eleitores: por estado e região e “grupos”

Levando em conta o atual número de eleitores segundo o TSE e o retrospecto dos pleitos de 1989 até 2014, pode-se ter ideia do provável vencedor de 2018. Em separado, no exterior são 500.727 eleitores (0.340%). Por minha iniciativa criei cinco “grupos” de eleitores levando em conta os números do Tribunal Superior Eleitoral.

















Dados de eleitores. | ilustração: LAYON YONALLER



O primeiro grupo tem dois dígitos de milhões de eleitores; o segundo (onde não há nenhum estado do Sudeste) gira em torno de oito a quatro milhões de votantes; o terceiro grupo (sem nenhum representante do Sul) tem apenas dois milhões de aptos a eleger; o quarto gira em torno de 1% do eleitorado; e o último grupo são os estados com menos de um milhão de eleitores.


Conclusões finais: a sua!

Independente de tudo, este texto estatístico e analítico serve de referência a quem irá votar em 07 de outubro 2018. Uma coisa é certa: os estados majoritários decidirão este pleito e cabe a quem estiver lido este texto traçar estratégias para a consolidação concreta do voto. Esta pesquisa do Ibope [3] que fez aferição das 23 das 27 unidades da federação pode te dar uma noção de quais estados ditarão os rumos de todos os brasileiros. J-J




















Por: Layon Yonaller, colaborador especial do JOVEM JORNALISTA

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Entre Frames #3: Ahora te puedes marchar - Luis Miguel









O Entre Frames de hoje é uma sugestão do colaborador Layon Yonaller, com o clipe Ahora te puedes marchar do cantor Luis Miguel. A canção foi lançada oficialmente no verão de 1987. No Youtube ela fora postada em 4 de junho de 2008 e contém mais de 129 milhões de visualizações.

A música, que recebeu uma nomeação ao Grammy, é nostálgica e inesquecível. O clipe, por sua vez, cheio de coreografias, figurinos e cortes de cabelo da época, além de um filtro retrô.

É necessário destacar ainda que ele contou com coreografias semelhantes à de um cantor da época, Michael Jackson, e a presença da ex primeira-dama do México. Assista:





Do clipe, ressalto os seguintes tópicos:


Closes



O clipe inicia-se dando vários closes no cantor Luis Miguel, ressaltando suas expressões faciais e seu corte de cabelo diferenciado. 



Som e coreografia parecidos com Triller de Michael Jackson





Tanto a música, como a coreografia possuem semelhanças audíveis e visíveis com Triller de Michael Jackson. 



O conselheiro amoroso




A partir de 0:18 Luis Miguel dá conselhos amorosos à sua ex namorada. Em 1:03 ele aponta incisivamente para a moça, quando canta a frase Ahora te puedes marchar. Arrependida, a moça vai atrás dele em 1:24






Coreografia sincronizada e alinhada






Eu achei a coreografia muito bem feita e realizada. Há um alinhamento e organização visível (0:44, 1:27 e 1:50). 


Muito azul







Percebi que há muito azul nos figurinos dos dançarinos, inclusive na jaqueta de Luis Miguel. 



Luis Miguel entre a coreografia





O cantor interage muito bem com a coreografia em 2:12, passeando pelos dançarinos. 



Vários planos






Assim como o clipe This is America (analisado aqui), Ahora te puedes marchar possui vários planos com ações acontecendo, principalmente no final (2:36). 



Leve subida de câmera




No final a câmera dá uma leve subida, finalizando com o grupo de coreógrafos ao fundo.


Melodia


O clipe possui uma melodia dançante e envolvente, com batidas visíveis da bateria e do contrabaixo.  


Letra


A letra fala basicamente de um ex namorado que joga boas verdades na cara da ex namorada e diz para ela seguir com seu atual namorado. É uma letra bem divertida e descontraída. "Si tu me hubieras dicho siempre la verdad si hubieras respondido cuando te llame si hubieras amado cuando te ame serias en mis sueños la mejor mujer si no supiste amar ahora te puedes marchar" (Se tivesse falado sempre a verdade Se tivesse respondido quando eu te chamei Se tivesse amado quando eu te amei Seria nos meus sonhos a melhor mulher Se não soubeste amar Agora pode ir embora).


Espero que tenham gostado da análise de hoje. Até a próxima! J-J


































Por: Emerson Garcia

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Conexões: Mágoas...




Eu sei que mágoas é algo complexo e pessoal de se falar, assim como falar de amor. Duas pequenas palavras de significados intensos e imensos. Para mim mágoas significa saudade de alguém que fez por onde ir embora. Mágoas significam momentos inesquecíveis que não voltam. Mágoas pode ser causadas por palavras ou atitudes de pessoas importantes. É difícil definir esse tipo de sentimento. Geralmente não sabemos como desprendê-lo dele. É ferida que não cura. O coração é quem mais sofre os efeitos das madrugadas relembrando cada palavra que deixou marcado como mágoa.

Provavelmente, sua percepção sobre mágoas seja diferente da minha. Mas não sei definir o que não sinto ou nunca senti. Tudo que escrevo é sentimento. Para mim, mágoa é um sentimento que dói muito e na mala traz a tristeza de brinde. Eu quero e faço de tudo para não bater de frente com sentimentos que possam me levar para baixo, (Por isso tenho 2,5M de altura para ficar bem longeeeee do fundo do poço) entende? Tudo que escrevo sou eu e eu sou o que escrevo.

O mais perto de mágoa que sinto é saudade. Talvez eu esteja sendo ridículo e não estou sabendo aceitar os sentimentos que sinto ou talvez não sei realmente se mágoa é a palavra certa para definir o que sinto. Talvez, seja arrependimento que também entra no pacote de mágoas. Mas isso é assunto para outro dia. J-J




















Por: Kaio Miranda

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Quebra-molas: segurança ou insegurança?



Quebra-molas, lomba (português de Portugal) ou lombada são costumeiramente utilizados nas estradas do Brasil e de outros países. Esse tipo de rampa ajuda a reduzir a velocidade dos carros e é formada de asfalto ou concreto. Elas devem ser criadas a partir de medidas, respeitando várias normas, de acordo com a Resolução nº 600/2016 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). 

O intuito do quebra-molas é acarretar na segurança do motorista e do veículo, caso aquele passe do limite de velocidade estabelecido pela via. Mesmo que muitos odeiem o quebra-molas (tem vias que tem três ou quatro, um atrás do outro), ele tem sua função de assegurar a vida das pessoas.

Por outro lado, ladrões aproveitam que o carro está em velocidade mínima ao passar em um quebra-molas para assaltar. Uma coisa que era uma segurança, transforma-se em insegurança. O colaborador do JOVEM JORNALISTA, Thiago Nascimento, observou que na sua cidade, Rio de Janeiro, o quebra-molas é sinônimo de insegurança para as pessoas (com grifos):

"Eu estava voltando da casa da minha tia e eu fico super ansioso quando estou na rua a essa hora. Daí no caminho tem uma sequência de 3 quebra-molas e eu já vi bandidos aproveitando desse tipo de situação, onde a pessoa tem que diminuir para não cair (no caso de bicicleta) ou qualquer outra consequência que um quebra-mola pode causar a um carro, e assaltar".


Percebo que o problema não está no quebra-molas, mas na falta de policiamento e segurança urbana. O quebra-molas é o facilitador de assaltos, mas não o motivador. Se houvesse mais policiamento nas vias, como no caso citado pelo Thiago, muitas situações seriam evitadas. Mas o que percebo é a carência de policiais nas ruas. Na minha cidade (Ceilândia Sul, Distrito Federal), por exemplo, os postos policiais estão vazios, depredados e vandalizados. Não há uma preocupação do governo de proteger motoristas, ciclistas e pedestres.

Por outro lado, os quebra-molas devem seguir certas normas, mas nem sempre elas são seguidas à risca. Alguns quebram realmente as molas do carro ou são mais altos ou baixos do que precisavam ser. Desse modo, compreendo a irritabilidade das pessoas com relação à eles. 





Em outros países, como o México e EUA, foram criados lombadas inteligentes, ou seja, quebra-molas com sensores e GPS somente acionados caso o motorista passe do limite da via. Se não acontecer isso, a lombada permanece no nível do asfalto. O nome dessa tecnologia é a Tope Inteligente e foi criada pela Companhia Inteligencial Vial do México. Assista o vídeo de como ela funciona:






Não sei se essa seria a solução para as estradas e rodovias do Brasil, mas pelo menos acredito que diminuiria o número de assaltos e a irritabilidade das pessoas com relação ao quebra-molas.

E na sua cidade? Como são os quebra-molas? Eles irritam vocês? Digam nos comentários! J-J







Por: Emerson Garcia

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Aquela cena: Acesso de loucura de House em 'Dr. House'





No Aquela cena de hoje apresento uma de Dr. House (série já falada aqui). A cena escolhida faz parte do episódio 23 da 7ª temporada, em que House vai até à casa de sua ex namorada Cuddy entregar uma escova de cabelos que ela havia deixado em seu apartamento e avista uma cena nada agradável. É aí que ele tem mais um dos seus inúmeros acessos de loucura. Assista:






Depois de ter invadido a sala de jantar da médica com o seu carro, House sai como se não tivesse acontecido nada e, sem falar uma palavra, entrega a escova para a ex namorada. A cena é cheia de sarcasmo e ironia do House, como não deveria deixar de ser. Achei engraçada também a cara do Dr. Wilson, seu amigo.

E aí, foi válido esse acesso de loucura do House? O que você faria se visse uma cena de sua grande paixão com outra pessoa e feliz? Daria a louca ou ficaria normal? Digam tudo nos comentários! Até a próxima. J-J


























Por: Emerson Garcia

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Vibe humor: instrumentais de cinema 2






No Vibe humor de hoje dou continuidade à playlist de instrumentais de cinema (Veja a primeira parte aqui). 

No início do cinema, as trilhas sonoras eram tocadas ao vivo enquanto o filme era exibido, mas nem sempre havia um resultado satisfatório. Foi na década de 1920 que as produções cinematográficas tiveram suas trilhas sonoras autorais e os trabalhos de compositores como Nino Rota, John Williams, Bernard Herrmann e Henri Mancini ganharam notoriedade.

A música sempre teve papel importante nos filmes, já que os marcam e traduzem sua atmosfera. Ela é sua alma e, algumas vezes, marca mais que a produção. Uma trilha sonora oferece enriquecimento à história, sentimentos, personalidade à um personagem ou até mesmo sentido. 

Na playlist de hoje trago outras 14 trilhas sonoras marcantes de filmes. Pretendo analisar cada uma delas e perceber o que elas trazem às produções e de que forma foram enriquecedoras. Então, ação!






Começo com a trilha sonora de O senhor dos anéis. O compositor Howard Shore conseguiu criar um som que reflete na atmosfera de fantasia e aventura épica dos livros de Peter Jackson. É uma trilha calma, singela, porém forte e arrebatadora. Não há muitas subidas, mas ela segue uma linearidade. 

A música de 007 traduz um ar misterioso e de ação, como os filmes da franquia sugerem. A trilha traz um requinte e tom clássico ao filme. Os instrumentos de sopro e percussão foram muito bem colocados.

A de Missão Impossível empolga desde o primeiro instante e foi condizente com o filme de ação e aventura.

Como se esquecer do som de Carruagens de Fogo? Uma trilha bastante conhecida do filme e que, ainda hoje, é utilizada em esportes, principalmente atletismo. A música sugere competição, superação e incentivo, além de esperança e alegria.

É John Williams o compositor da trilha sonora de Jurassic Park. Ela envolve, impacta e traz certa paz. Uma bela trilha de um jovem clássico.

A de Star Trek agrega um clima retrô e clássico à produção. Criada por Jerry Goldsmith, ela é inspiradora e envolvente. 

Não há como não se emocionar com a composição musical para A Lista de Schindler de John Williams. Ela é totalmente condizente com a atmosfera e história do longa. Uma trilha triste, tocante, envolvente e cheia de emoção. À cada instante, os instrumentos tornam-se mais melancólicos e intimistas. Destaco o violino e o teclado. 




A trilha sonora de ET traz uma atmosfera mágica e emocionante à produção. É empolgante, envolvente e bonita e ajuda na condução do longa e toca o telespectador. 

A próxima da lista é do clássico E o vento levou. Ela traduz um clima romântico e apaixonante e me lembra bastante a música instrumental que toca quando o Professor Girafales e a Dona Florinda estão apaixonados. 

A trilha de Coração Valente, For the love of a princess, é emocionante e traz um clima de aventura épica. Esta é uma música folclórica escocesa que combina muito bem com a história do filme. 

Alan Silvestri fez um trabalho primoroso ao criar a composição de Forrest Gump. É uma música emocionante e dramática, condizente com a atmosfera do longa. Destaco o piano e o violino.

Apesar de não ter sido criada originalmente para 2001: Uma Odisseia no espaço, a ópera Also Sprach Zarathustra, de Richard Strauss, se encaixou perfeitamente com o longa. Ela é empolgante e cresce a cada instante.

A composição de Harry Potter foi realizada por ninguém menos que John Williams, que se esmerou em criar uma trilha que traduz o tom de fantasia e magia sugerido pela franquia. Os efeitos dos instrumentos dão um tom sobrenatural, além de ter vários momentos crescentes e empolgantes.

A trilha de Os oito odiados foi composta por Enio Morricone, que criou mais de 50 minutos de música para a obra de Quentin Tarantino. Ela é totalmente pensada para o universo dos filmes de faroeste. Foi essa composição que rendeu a Morricone o Oscar de Melhor Trilha Sonora. 


Gostaram da playlist de hoje? Quais trilhas sonoras de filmes são inesquecíveis para vocês? Digam nos comentários! Até a próxima! J-J

























Por: Emerson Garcia

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Aquela cena: Palavras poderosas em 'Life Sentence'






No Aquela cena de hoje trago um trecho do dramédia Life Sentence (já falado aqui e aqui). A cena em questão foi extraída do episódio 12. Ela é emocionante, a começar pelas atuações e a trilha de fundo. 

Nela, Peter Abbott está hospitalizado logo após ter um AVC e sua família discute ao redor dele sobre mágoas e problemas familiares, momentos antes do trecho selecionado. 

Contudo, cada um deles percebe que Peter está consciente e pode ouvir e sentir as pessoas e ações ao seu redor. A neta de Peter discursa as falas que iria dizer em uma peça de escola. Stella, por sua vez, relembra que seu pai contava estórias de contos de fada enquanto era ela que estava em um leito. Assista:





Aos poucos, os familiares de Peter saem do quarto, até que somente Stella fique com ele. O monólogo dela é incrível e tocante. Ela diz: "Você nunca sabia quando seria a última vez, não é? Mesmo se estivesse bravo comigo, com os médicos, com as enfermeiras.... com o universo. Nunca disse nada para mim que não poderia retirar, porque não sabia se o adeus seria mesmo um adeus. E eu nunca te agradeci por isso"

Palavras marcam, curam, libertam, transformam. Muitas vezes, elas não precisam invadir os ouvidos para serem entendidas, mas apenas o coração. Essa cena me mostra como ser família é importante e o quanto palavras amorosas precisam ser ditas um aos outros, em todo e qualquer momento. 

Gostaram da cena? Acreditam que as palavras tem poder de transformar e tocar as pessoas? Digam nos comentários! Até a próxima! J-J








Por: Emerson Garcia

sábado, 15 de setembro de 2018

Rádio Bagaralho: Entrevista Musical #5 - Kaio Miranda






Olá ouvintes da Rádio Bagaralho FM (Rádio Bagaralho, a rádio do... povo). Aqui quem fala é o locutor Arthur Claro, aquele que é igual porém diferente. Hoje o programa é com o colaborador Kaio Miranda do JOVEM JORNALISTA. Espero que gostem dessa entrevista como gostei de fazer.


Arthur: Quando você era criança tinha alguma música que gostava?
Kaio: Gostava muito de Zeca Baleiro quando meu irmão estava aprendendo a tocar as músicas e eu dormia ao som delas.






Arthur: Que estilo musical você se identifica?
Kaio: Eu sou admirador de músicas boas, pode ser qualquer estilo e se a música for legal, estou escutando. Gosto bastante de Rock nacional e do Cazuza.






Arthur: Que música gosta de dançar?
Kaio: Eu não sou de dançar, mas gosto de dançar as músicas do Barão Vermelho, de entrar em rodas punk e de dançar sertanejo.






Arthur: Que tipo de sertanejo você gosta?
Kaio: Gosto de Jorge e Matheus e Bruno e Marrone.







Arthur: Toca algum instrumento?
Kaio: Não, mas finjo tocar guitarra. Sou quase um Chimbinha.








Arthur: Se você pudesse perguntar uma coisa para o Cazuza, o que perguntaria sem ser clichê?
Kaio: Cazuza, você sabe de quem pegou a AIDS?








Arthur: Será que ele responderia? Você tem realmente essa curiosidade? Mudaria algo para você?
Kaio: Provavelmente não, mas tenho essa curiosidade.




Arthur: Você já usou alguma música para conquistar uma garota? E já começou a gostar de alguma canção ou banda por causa de uma menina?
Kaio: Não, porém fui influenciado pela música Contramão do Gustavo Mioto e Eu gosto dela do Emicida.






Arthur: Você me disse que tem um espaço sobre música no blog Jornal Informal, me conte um pouco sobre.
Kaio: Então, o meu espaço no jornal, são de textos que são praticamente uma conversa de bar bem humorada. Também tem um local para os leitores escreverem sobre as suas experiências com música.




Arthur: Para encerrar, o que você achou da entrevista? Se possível, sugira uma música.
Kaio: Foi muito legal, eu curti e dedico a Largado no mundo do Barão Vermelho.







Queridos ouvintes, quero agradecer a todos e espero que continuem ouvindo a Rádio Bagaralho. Vocês também podem ser entrevistados para esse quadro se manifestarem o desejo! Um bom restante de final de semana repleto de felicidades. Beijos e abraços. J-J










































Por: Arthur Claro
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design