quinta-feira, 3 de maio de 2018

Quinta de série- nostalgia: Dr. House

Pode conter spoilers!








Hoje o Quinta de série está nostálgico, ranzinza e brilhante! Sim, falarei pela primeira vez da aclamada Dr. House aqui no quadro (Já falei fora dele aqui)! House M.D., Dr. House ou simplesmente House foi exibida pela Fox entre 2004 e 2012, totalizando 177 episódios divididos em 8 temporadas. Dr. House foi uma série médica norte-americana criada por David Shore (The Good Doctor).

Dr. House se passa em um hospital universitário chamado Princeton-Plainsboro Teaching Hospital, em Princeton (Nova Jersey, EUA) e conta a história de um médico infectologista e neufrologista polêmico, ranzinza, cético e chato que forma uma equipe de médicos a fim de diagnosticar doenças indiagnosticáveis e ditas incuráveis. Com métodos pouco convencionais e legais, Dr. House e sua equipe investigam as doenças à fundo e principalmente os doentes. 





Dr. House é um observador do ser humano e sabe quando um paciente está mentindo ou guardando um segredo. Mesmo sendo um observador do comportamento humano, ele é anti-social, crítico, frio e não confia em ninguém. House acredita que pode diagnosticar seus pacientes sem interagir ou ter uma relação mais íntima com eles. A série soube trabalhar bem essa dicotomia e complexidade do personagem principal, o que fez com o que o público amasse e odiasse o papel de Hugh Laurie. 

O trabalho da equipe de diagnósticos do hospital colocou questões éticas à prova. A série desenvolveu uma série de conflitos entre House e a Reitora de Medicina e administradora do hospital, Dra. Lisa Cuddy, que questionou os métodos utilizados por ele, mas no final das contas sempre deu o braço a torcer. 



Mesmo com sua frieza, House possuía um único amigo, que acabou sendo o seu melhor amigo: o Dr. James Wilson, especialista em oncologia. É com ele que House conseguiu ser um pouco mais humano e amigo, confidenciando seus segredos e compartilhando experiências de vida. 

No fundo, no fundo, House era, sim, humano e preocupado com seus pacientes. Ele só não queria demonstrar e externar isso. Mas, por várias vezes, a série explica os motivos de House agir da forma que agia. Seu vício em Vicodin tinha mais a ver com maquiar suas reais dores e traumas psicológicos e emocionais, do que físicos. Dr. House conseguiu tratar do lado mais perverso e ranzinza do seu protagonista, como do mais amável, romântico e carente. Sim! Os ranzinzas também podem amam! 

Dr. House conseguiu trazer a cada novo capítulo, casos inovadores, incríveis, emocionantes e surpreendentes. Isso funcionou bem por 4 temporadas. Depois disso a série se perdeu um pouco, mas sem deixar de lado sua essência, retomando seus tempos áureos na 8ª temporada. A produção também focou no relacionamento interpessoal dos médicos e na personalidade pouco convencional do protagonista. Além disso, Dr. House não se limitou às paredes do hospital, abordando o dia a dia, cotidiano e momentos de lazer dos personagens. 




Conceito da série


Em 2004, David Shore e Paul Attanasio apresentaram o conceito de uma série que misturava investigação e medicina à Fox. Logo ela o comprou, mas com algumas restrições do então presidente Gail Berman que gostaria de uma produção médica, mas sem jalecos pelos corredores. Shore e Attanasio trabalharam nessas restrições, além de criarem um personagem central forte, capaz de diagnosticar pessoas e doenças. A partir disso, o conceito do programa se tornou menos processual e focado no papel de um líder. Conheça mais essa história (com grifos):

Nós sabíamos que a emissora buscava uma série processual, e Paul (Attanasio) veio com a ideia de uma série médica que funcionava como um processual policial. Os suspeitos eram as doenças. Contudo, rapidamente eu percebi que nós necessitávamos do elemento de um personagem. Quero dizer, bactérias não possuem motivações.”, David Shore para a revista Writer's Guild


Foi a partir disso que todo o conceito de Dr. House foi construído e transformado no sucesso que conhecemos. 



House e Holmes 





Você sabia que o Dr. House foi baseado em outro personagem icônico, o Sherlock Holmes? Pois é, nem eu até a produção desse post. Existem várias semelhanças entre o detetive-médico e o detetive. A primeira delas é com relação ao nome: House é similar a Holmes (Home= casa). Shore revelou ser fã do personagem clássico em entrevista.

Além dessa similitude, House e Holmes possuem caráter psicológico idêntico ao se dedicarem à observação e dedução para solucionar os casos; o endereço do apartamento dos dois é o mesmo: 221B; o passatempo de ambos é semelhante: House toca guitarra e piano e Holmes violino; a dependência química também: House usa Vicodin e Holmes é viciado em cocaína; e até mesmo a amizade com Dr. James Wilson é semelhante à entre Holmes e Dr. John Watson, que possui as mesmas iniciais (J.W.). 




Se quiserem ver mais semelhanças é só clicarem aqui.



Melhores episódios 

Ao longo de seus 8 anos, Dr. House teve episódios inesquecíveis e marcantes, a ponto de tirarem o fôlego, emocionarem e quebrarem a minha cabeça. Selecionei alguns deles:




S01E21: Three Stories




David Shore ganhou o Emmy de melhor roteiro por esse episódio por ser inovador e muito bem montado. No episódio, House dá uma palestra para estudantes sobre "como diagnosticar" um caso em que três pacientes possuem fortes dores nas pernas. Além disso, ele aprofundou mais no passado de House. 



S0202: Autopsy



Um episódio tocante que trouxe o lado sentimental do médico ranzinza aflorado. A equipe de diagnóstico se esforça para diagnosticar uma menina de 9 anos que tem câncer terminal e alucinações. 



S02E20 / S02E21: Euphoria (Part 1 and Part 2)




Um episódio tão bom e incrível que foi dividido em duas partes. Ele contou a história de um policial ferido à bala que sofre de estranhos ataques de riso. A equipe de diagnóstico investiga o caso, que é intensificado quando o dr. Foreman apresenta os mesmos sintomas. Destaco a criatividade do roteiro e dos diálogos.



S02E24: No Reason




Mais um episódio excelente que traz um dos melhores roteiros da série e uma das melhores atuações de Hugh Laurie. A história é a seguinte: House leva um tiro do marido de uma ex paciente, acorda dias depois no hospital, mas sem sentir dor e sem a habilidade de pensar de forma brilhante. É aí que ele resolve questionar o que há de errado. 



S03E24: Human Error




O episódio traz o caso intrigante de uma mulher que continua a falar mesmo com seu coração parado, além de marcar o fim de uma era com a saída dos médicos Foreman, Cameron e Chase da equipe de diagnóstico. 



S04E11: Frozen



Outro episódio genial que conta  a história de uma psiquiatra presa em uma expedição no Pólo Sul que necessita de atendimento médico. Como existe dificuldades para a equipe de diagnósticos chegar até lá, o atendimento é realizado via Webcam. Um dos pontos altos é a química entre a psiquiatra e o médico ranzinza, uma vez que ambos são sarcásticos.



S04E15 / S04E16: House’s Head / Wilson’s Heart




Um dos seasons finales mais marcantes de toda a série dividido em duas partes: A cabeça de House e O coração de Wilson. Na primeira, Dr. House, com a cabeça sangrando, desvenda as causas de um acidente de ônibus, a partir de pistas e da imaginação de sua mente, no melhor estilo Sherlock Holmes. Na segunda, House descobre que a pessoa que sua mente dava pistas era Amber, namorada de Wilson, e terá que salvá-la, assim como sua amizade com seu amigo. 



S05E04: Birthmarks




Um episódio que reafirma a amizade entre House e Wilson e  explica como os amigos se conheceram. Além disso, o capítulo traz o funeral do pai de House, mostrando um lado emocional e dramático do protagonista, bem como um pouco de sua família.



S05E23: Under My Skin




O capítulo traz a história de uma bailarina que além de sofrer problemas respiratórios, ainda tem sua pele toda descamada. Como se não bastasse, as alucinações de House se tornam mais constantes. 



S05E24: Both Sides Now




Dessa vez a equipe terá que solucionar o caso de um homem que tem duas personalidades distintas devido a uma operação cerebral. Isso atrapalha nas investigações, o que fará com que os médicos utilizem métodos poucos convencionais. Um episódio inesquecível que contou com momentos hilários entre House e Cuddy, com a paranoia de House que o levou ao hospício e com o casamento de Chase e Cameron. 



S06E01/02: Broken




Um episódio fantástico, cheio de referências à Um estranho no ninho, nuances inexploradas do protagonista e com ótimos diálogos. Um capítulo que não precisou de nenhum personagem recorrente para ser marcante. 




S06E04: The Tyrant




Um episódio que trouxe à tona temas polêmicos, como o limiar entre a ética profissional e a justiça. Nele, a equipe deve decidir por tratar ou não o ditador africano Dibala que já matou diversas pessoas. Reflexões foram levantadas, assim como filosofias e valores, contestáveis ou não. The Tyrant contou com boa edição, fotografia e direção. 



S06E21: Help Me




O episódio se passou longe das paredes hospitalares e contou a história de um prédio que vem a baixo e a equipe é convocada para ajudar e salvar os acidentados. No decorrer do capítulo, House precisa tomar difíceis decisões, além de sofrer com a tentação de voltar a tomar Vicodin. 



S07E22: After Hours




O episódio inovou ao trazer três arcos distintos e interessantíssimos: o primeiro, o de House que pratica uma cirurgia para tirar pequenos tumores  na banheira de sua casa; o segundo, o de uma consumidora de drogas que é operada em um apartamento depois de ser esfaqueada; e o de um médico que quase é assassinado por uma prostituta. A fotografia sombria trouxe um diferencial ao episódio e às histórias retratadas. 



S07E23: Moving On




O episódio contou a história de uma artista performática que dá entrada no hospital por conta de vários sintomas, que, mais tarde, os médicos descobrem serem fingidos e fazerem parte de sua obra de arte. Os profissionais, então, questionam se o tratamento da artista é necessário ou se eles não caíram em uma armadilha. O episódio também trouxe a cena icônica em que House invade a sala de jantar de Cuddy com seu carro.



S08E22: Everybody Dies




O último episódio da série. Para mim fechou de forma marcante a história do médico. House está em mais um momento de alucinação e entre a vida e a morte. Wilson resolve descobrir o paradeiro de seu melhor amigo e procurar entender porque House tomou aquela atitude. Um series finale cheio de drama, frases bem sacadas e uma cena final à la Sherlock Holmes. Uma boa despedida. 



Personagens 



Dr. House: Protagonista da série, é considerado um gênio da medicina e trabalha como chefe de uma equipe de diagnósticos. Ele também é Infectologista e nefrologista. House teve um problema de saúde em uma de suas pernas que quase o obrigou a amputá-la e que lhe custou seu casamento.





Dr. Foreman: Possui um passado de delinquência juvenil. É neurologista, membro da equipe de diagnóstico e diretor do Hospital na 8ª temporada. Por algumas vezes já ocupou a posição de chefe na ausência do House.





Dr. Wilson: É o melhor amigo do House, o qual possui uma relação muito boa. Mesmo House sendo seu amigo, Wilson não escapa de suas observações, principalmente sobre sua vida pessoal. É chefe do Departamento de Oncologia.





Dr. Chase: Ele é cirurgião, médico intensivista, cardiologista, membro da equipe de diagnóstico e chefe do Departamento de Medicina Diagnóstica na 8ª temporada. Já teve conflitos com House, mas acabou por se render aos seus métodos nada pragmáticos.





Dra. Cuddy: É endocrinologista e diretora do hospital. Possui uma relação de tensão com a equipe de diagnósticos, mas principalmente de amor e ódio com dr. House. 





Dra. Cameron: Extremamente cuidadosa e sensível, tem certas ressalvas acerca dos métodos do dr. House. Ela é Imunologista.





Dr. Taub: Antes de compor a equipe de diagnósticos, era cirurgião plástico. Ele possui muitos conflitos amorosos e a tentação de trair ou não sua esposa. É quem mais apoia House em seus métodos. 





Dra. Hadley (Treze): Conhecida pelo House como 13, ela é uma das que compõe a nova equipe de diagnóstico. Hadley é bissexual e portadora de uma doença que vitimou a sua mãe.





Dr. Kutner: Compõe a nova equipe de diagnóstico e é médico desportivo.






Dra. Masters: Inteligente e sagaz, Masters é uma das membras preferidas de dr. House. Possui PhD em matemática aplicada e PhD em história da arte, além de ser estudante de medicina.




Dra. Adams: É uma médica penitenciária e membra da equipe de diagnóstico.





Dra. Park: É inteligente, tímida, atrapalhada e pouco atraente. É residente em neurologia e membra da equipe de diagnóstico.



Curiosidades 

O site Adoro Cinema disponibilizou várias curiosidades sobre a série. Abaixo, selecionei as que achei mais interessantes:


- Personagem cinéfilo: Em seu escritório, o Dr. Wilson, personagem de Robert Sean Leonard, possui pôsteres de filmes como Gente Como a Gente (1980), de Robert Redford, A Marca da Maldade (1958), dirigido por Orson Welles e Um Corpo Que Cai (1958), de Alfred Hitchcock.


- Teste em banheiro: O protagonista Hugh Laurie fez teste para o papel de Dr. House por vídeo, em um banheiro de hotel na Namíbia, onde estava gravando O Vôo da Fênix (2004). O ator contou que foi o único local encontrado com iluminação suficiente.


- 50% de canhotos: Três dos seis membros do elenco principal são canhotos, Lisa Cuddy (Lisa Edelstein), Eric Foreman (Omar Epps) e James Wilson (Robert Sean Leonard).



Frases do Dr. House 





Dr. House também foi marcada pelas frases célebres do médico ranzinza. Confira algumas:


"Se acredita em eternidade, então a vida é irrelevante."


"Ator: Não sei se quero continuar sendo ator.
House: A vida é um avião, você pode escolher mudar e pula dele ou mantém e continua nele.
Ator: Você está sugerindo que eu pule?
House: Não, ninguém nunca pula, todos preferem continuar dentro do avião... isso é apenas simbólico."


"O fato de você ser infeliz não o torna melhor que ninguém, o torna apenas infeliz."


"O seu raciocínio não presta. Para a próxima, use o meu!"


"Quando se quer saber a verdade sobre alguém, essa deve ser a última pessoa a ser consultada."


"Se você fala com Deus, você é religioso. Se Deus fala com você, você é psicótico."


"Ah vamos lá... me dê aquele sorriso ensolarado que não contribui com o aquecimento global."


"Se você for me matar e estuprar, por favor faça nesta ordem."


"É uma verdade básica da condição humana que todo mundo mente. A única variável é sobre o quê."


"Por que Deus ganha crédito quando alguma coisa boa acontece?"


"Preciso ir, o prédio está cheio de pessoas doentes. Se correr, talvez consiga evitá-las."


"Ela tem Deus dentro dela, seria mais fácil se tivesse um tumor."




Crítica




No geral, Dr. House foi inovadora até a terceira temporada. Depois disso, a audiência começou a oscilar e cair. No início, a série trouxe uma fórmula inovadora, mas depois os casos incomuns, passaram a ser comuns e repetitivos. Dr. House se arrastou por 8 temporadas, com alguns bons momentos e episódios. 

Acredito que a produção começou a perder-se quando a equipe de diagnóstico original foi dissolvida, novos personagens secundários foram adicionados, os casos começaram a se repetir e o personagem principal caiu nos mesmos conflitos de outrora. 

A Era de Ouro de Dr. House compreende as três primeiras temporadas que coincide com a formação da primeira equipe de diagnóstico. A partir da quarta, a série foi comprometida. A quinta temporada, com relação à sexta e sétima, é razoavelmente boa, mas já mostrava que o processo criativo já se esgotava, até chegar ao seu fim derradeiro na 8ª temporada. Acredito que a série foi empurrada pela barriga por pelo menos umas três temporadas. Era possível conclui-la em cinco temporadas, facilmente. 

Mesmo com todos os percalços, Dr. House deixou um legado para as séries procedurais e médicas, que deveu-se à sua história e principalmente ao seu protagonista ranzinza. No final de tudo, ela foi diferente de MASH, Chicago Hope, E.R. e das atuais Grey's Anatomy, Chicago Med, The night shift e The Good Doctor



Prêmios 

A série ganhou diversos Emmys na categoria de séries para Melhor Realizador e Melhor Argumento. Além disso, também levou o de Melhor Caracterização (Maquiagem).

Hugh Laurie recebeu o prêmio de Melhor Ator pelo Globo de Ouro por duas vezes (2006 e 2007).

Dr. House também venceu o Prêmio Humanitas na categoria 60 Minutos

Além desses, a série coleciona outros de renome internacional. Confira nos prints:


 



Audiência

Dr. House possuiu uma boa audiência, que lhe rendeu o título de uma das séries mais assistidas de todos os tempos pelo Guiness Book. Suas temporadas iniciais tiveram boas audiências (pico de 19,1 milhões de telespectadores), mas as finais (a partir da quinta) elas caíram visivelmente (a média não passou de 9,9 milhões). Isso demonstrou que já passava da hora de concluir o seriado. 





Em uma carta aberta a Fox e a Universal e os produtores agradeceram aos fãs pela audiência e dedicação. 



Então, fica a dica de série para vocês. Gostaram de relembrá-la? Já conheciam? A acharam nostálgica? Digam nos comentários! J-J











Por: Emerson Garcia

12 comentários :

  1. Já tive a oportunidade de assistir alguns episódios desta série e realmente ela era muito interessante.

    www.paginasempreto.blogspot.com.br

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Rafa. Fica ansioso por cada episódio para saber qual caso ia ser abordado.

      Excluir
  2. I really like dr House! Such a great tv series :)

    I hope that you visit my blog and stay for longer!
    www.spiked-soul.pl

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A great series, really.
      I will visit your space soon.
      Good week!

      Excluir
  3. Olá Emerson! Tudo bem?
    Eu adorava quando passava House na TV aberta, era adolescente e via bastante.
    Obrigada pelo comentário lá no blog.
    Volte sempre!

    ~ miiistoquente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. Por um tempo a RecordTV comprou a série.

      Excluir
  4. Oiê, tudo bem?
    Não conhecia o blog, resolvi dar uma passadinha por indicação do Felipe do blog Entrelinhas e estou adorando!
    Eu amava assistir House no meu tempo livre quando passava na tv, mas nunca assisti todos os episódios certinhos e seguidos, tenho muita vontade! Adorei a dica!

    Um super beijo :*
    Claris - Plasticodelic

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assista, sim! Você irá gostar.
      Obrigado por visitar o espaço e por ter gostado. Em breve visitarei o seu blog.
      Beijos e boa semana!

      Excluir
  5. Oi Jovem
    Essa foi a última série que assisti e adorava ver cada episódio mérito do principal actor. A partir daí nunca mais vi nenhuma série.
    Óptima partilha.
    Xoxo from Portugal

    marisasclosetblog.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você precisa assistir mais séries, heim, Marisa.
      Sim! O Hugh Laurie estava ótimo no papel principal.
      Beijos e boa semana!

      Excluir
  6. Oi Emerson!
    Amo House e seu jeito ranzinza bom coração! hehe...
    Como sou fã da série e de Sherlock,já sabia da relação entre os dois personagens. Muito legal isso, né?!
    Adorei o post, tá completinho!
    Beijos!

    Mais Uma Página

    ResponderExcluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Nos siga nas redes sociais: Fanpage e Instagram

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design