quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Não sou obrigada a ser feminista por ser mulher


O que o feminismo faz pela mulher? Quais as vantagens de ser feminista? Quando o feminismo vai dar certo? Respostas: nada, nenhuma e nunca.

Sempre ouço dizer sobre o poder feminino, da questão de direitos iguais, da defesa da mulher, dentre tantos outros assuntos envolvendo esse universo. Diálogo e ideologias bonitas mas que não acrescentam em nada à vida da mulher real. A mulher real se desdobra em 100 durante o dia cuidando da casa, dos filhos e do emprego; a mulher real não se abate por qualquer coisa ou desiste fácil; mas a mulher real, também, não se vê melhor ou pior que as outras pessoas, incluindo homens.

O discurso feminista é vitimista e superficial. Se o objetivo é elevar a mulher e sua força, o movimento está bem fora de contexto. Na sociedade moderna já existem leis que protegem a mulher de agressão pelo companheiro e de violência sexual, que são crimes que, na grande maioria dos casos, são cometidos por homens contra mulheres. Também há a igualdade para a mulher exercer qualquer profissão e decidir o que fazer com sua vida e esta acredito que seja a maior conquista da mulher: o poder de decidir. Essa posição de minoria do movimento não passa de mais um ideal marxista e um posicionamento de extrema esquerda política. Aquele movimento que separa para dominar.

As líderes esquerdistas gostam de alegar as vitórias do grupo, das quais só consigo me recordar da questão do voto, mas não mencionam as perdas que, ao meu ver, são mais significativas e fazem a diferença na vida da mulher. Exemplo bem prático e que poucos observam é o transporte coletivo. Na sociedade antiga, dita machista, o homem deveria ceder seu banco para a mulher que estivesse em pé, não por que ela não teria capacidade de ir daquela forma, e sim porque o homem tinha o hábito e a cultura de proteger a mulher. Outra alegação do movimento é que essa sociedade antiga proibia a mulher de seguir seu próprio caminho e até mesmo chegar ao poder, mas não foi o feminismo que fez a situação mudar, foi a consciência da população de que todo ser humano é igual perante a lei.





Talvez o movimento teria mais fundamento e consistência se tivesse como espelho personalidades femininas significativas na história mundial, como Frida Khalo e Dilma Roussef, por exemplo. Frida é uma pintora conhecida por suas sobrancelhas e seu exemplo de vida, por ter tido vários problemas de saúde e por ser bissexual (Juro que passei um dia inteiro lendo sobre ela, biografia, exemplos citados em blogs feministas e foi a única coisa significativa que achei. As obras de arte dela mesmo eu não encontrei). Dilma é uma ex presidente que conseguiu afundar a economia de um país inteiro, lutou contra uma “ditadura”, assaltando bancos, sequestrando pessoas, liderando grupos de guerrilha. Nunca vi uma feminista citar Margareth Thatcher, uma mulher que não ficou conhecida como "dama de ferro" à toa, liderou a Inglaterra e até hoje é exemplo de mulher e líder política. Imagino que não é adorada pelas feministas pelo fato de nunca ter se visto como minoria e por lutar contra os ideias socialistas.






Dito tudo sobre tal movimento, o que posso concluir é que sair nua na rua, defecar em cartaz de “estuprador” e gritar “girl power" não vai impedir que mulheres sofram violência em seus lares, sejam estupradas, sofram preconceito por ser mulher em seus empregos. A única coisa que pode transformar essa situação são medidas reais tomadas pelo legislativo e judiciário.

Não sou obrigada a ser feminista por ser mulher. J-J


Por: Stephanie Ferreira, nova colaboradora do Jovem Jornalista

16 comentários :

  1. Nossa, que texto maravilhoso! Se a Lei não mudar, nada adianta!
    Beijos e um excelente dia!
    DMulheres@_sheylaxavierFanpage

    ResponderExcluir
  2. Concordo, acho que devemos ser iguais. Nem piores, nem melhores.

    ResponderExcluir
  3. Eu amei esse texto! Concordo plenamente em cada parágrafo.Pois,toda mulher que tenha bom senso,sabe que o movimento feminista é contraditório e inconveniente.

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito porque foi um texto escrito por uma mulher. Eu concordo com o que você disse Stephanie. O movimento feminista tem inúmeros furos, e é baseado simplesmente em menosprezar os homens - pelo menos é o que sempre vejo. Pra mim a igualdade supera direitos e deveres. Tem que haver respeito mútuo em qualquer área.

    rasgadojeans.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Samara agradeço o elogio, eu acho o femismo o mais sem futuro dos movimentos separatistas, mas torço de verdade para que elas consigam algo bom pra toda e qualquer mulher!

      Excluir
  5. Sinceramente, depois de ler o seu texto eu só posso acreditar que você realmente não conhece o movimento feminista - que não é nem um pouquinho simples pra ser explicado (ou refutado) assim tão rápido. Então vamos por partes (ou parágrafos)...

    Além do direito ao voto, que foi citado no texto, existiram MUITAS outras conquistas, como a Lei Maria da Penha, os salários "iguais" (que não são iguais, basta procurar uma pesquisa feita pelo Instituto de Economia da UFRJ em 2014 acerca do Rendimento real médio habitualmente recebido pela PEA) e muita muita coisa - mas já me alonguei bastante, basta pesquisar pra encontrar tudinho.
    Eu sei que você acha que isso não foi conquista, mas sim a "evolução" do ser humano que - tardiamente - percebeu que somos iguais perante a lei. Mas se isso fosse verdade, não mais existiria racismo e machismo - e se você acha que não existe, basta olhar aquela pesquisa outra vez pra ver a diferença entre o salário médio de um homem branco e uma mulher negra.

    O discurso feminista não é vitimista, porque quando nós falamos de uma sociedade machista, as mulheres obviamente serão as vítimas. Também não sei como pode ser superficial depois de séculos de existência e centenas de vertentes debatendo todos os dias sobre isso.
    Além disso, não dá pra resumir o objetivo de todo um movimento a "elevar a mulher e sua força", porque existem muitas vertentes (que inclusive divergem entre si) dentro dele. Por exemplo, a vertente do feminismo negro, feminismo radical, interseccional, liberal, marxista, e muitos outros.
    Sim, existem leis para proteger as mulheres, mas o problema não se resolve prendendo um agressor, por exemplo. O foco do problema é o homem se sentir no direito de bater em sua esposa ou parceira, ou no direito de cometer muitas outras barbaridades que nós sabemos que existem. E tudo isso é apenas mais um fruto do machismo e da nossa sociedade extremamente patriarcal.
    Outro adendo: as mulheres além de não ganharem salários iguais aos dos homens, ainda são preteridas pelas empresas, ou seja: igualdade onde?

    Sobre Frida e Dilma, só tenho a dizer que elas são sim muito faladas dentro do movimento feminista e é muito fácil encontrar textos, fotos, etc sobre a Frida em páginas feministas.

    Realmente concordo com o que você falou no último parágrafo: defecar, sair nua e gritar girl power não ajuda, mas essa é uma visão muito simplista e totalmente errada do que realmente é o feminismo. Entretanto, as medidas do judiciário e do legislativo (compostos majoritariamente por homens brancos) não serão feitas sem protestos de verdade (aqueles que as moças não defecam e urinam nas coisas).

    Peço desculpas por ter me alongado tanto, mas me incomoda ver uma mulher espalhando tanta desinformação para outras mulheres acerca de um movimento que as defende. Se um homem tivesse escrito, eu realmente não me daria ao trabalho de escrever textão.

    PS: Essas imagens estão TÃO erradas que eu prefiro nem comentar.

    www.arrasandodeallstar.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foto da pesquisa citada (não consegui encontrar o link): http://imgur.com/a/mOFIJ

      Excluir
    2. Perfeito Karen. Muita ignorância por aqui.

      Excluir
  6. Olá, tudo bem?
    Adorei o post! Não sabia ao certo o que era esse movimento, mas o seu texto esclareceu.
    Também não me considero feminista, apenas luto pela igualdade.
    Beijos!

    Http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esther, procure vídeos no YouTube e pesquise sobre as duas visões do tema, ideologia sempre ótima e utópica mas também veja o lado prático da coisa. Ficarei feliz em ajudar, qualquer coisa me contate por e-mail ferreirastephanie17@gmail.com

      Excluir
  7. E que cada um seja feliz respeitando a opinião de felicidade alheia, mas seguindo a própria!

    ResponderExcluir
  8. Incrível coisa é a opinião. Quando é usada com bom senso, torna-se crítica construtiva. Certamente o ser humano que escreveu essa postagem é desprovido do bom senso, e decidiu que opinião tem que ser espalhada como se fosse ensinamento.
    Fica aí o bom senso: Se a tua intenção, humano, for criticar qualquer estrutura social, tenha antes embasamento real e profundo em relação a história dessa estrutura, a psicanálise social dessa estrutura, diversas fontes reais e bem estruturadas de ponto de vista (o que a sua amiga desprovida de informação te disse sobre feminismo ser dominação matriarcal, não é uma informação real. Que isso fique claro!), e então só depois pegue sua tese, crie sua antítese e forme sua síntese! Porque sinceramente, opinião é individual, e guarde ela no fundo do seu coração! Agora CRÍTICA, isso sim se faz e se compartilha, e só é crítica quando tem embasamento.

    PS: Essa sua opinião medíocre pode realmente ser considerada jornalismo? Porque até onde eu sei, jornalismo é sobre informação(e reais!), não erros grotescos no qual essa postagem foi embasada.

    ResponderExcluir
  9. Gente... Pesquisem sobre feMISMO, me desculpem mas essa matéria deveria ser corrigida, vamos lá né gente um pouco de informação não mata ninguém.
    Feiminismo> "igualdade"
    Femismo> "mulher é superior ao homem"
    Lógico que não estou aqui com unhas e dentes obrigando vocês a pensarem da mesma forma que eu, só estou corrigindo a matéria. Até porque pra eu criar um blog e escrever sobre assuntos sem ao menos saber do que se trata, eu também faço (estou falando normal, me desculpem se saiu um pouco arrogante, sem treta)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente todo mundo precisa estudar sobre o feminismo, o único problema é que cada grupo do movimento tem uma cartilha diferente da outra, como citado por você existem dois movimentos agora né, o feminismo (que procura igualdade mas aceita uma lei que pune homens por ferir mulheres mas não mulheres por ferir homens - ainda estou procurando igualdade nas conquistas feministas) e o fêmismo, que nem sequer existe no português, mas quer dizer que mulheres são quase Deus, acho bom essas procurarem Temissera. Enfim, nosso amigo Pedro Blanche propôs um desafio interessante, pode aceitá-lo por favor ? http://jj-jovemjornalista.blogspot.com.br/2017/05/a-resposta-nada-educada-de-pedro.html

      Excluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design