domingo, 3 de abril de 2016

Dom do olhar: Sebastião Salgado


Para iniciar a Semana do Jornalista resolvi falar de um dos fotojornalistas brasileiros mais conhecidos da atualidade. Já manifestava o desejo desde que fiz o post Dom do olhar: temas sociais. Irei falar do trabalho admirado e único de Sebastião Salgado.



Nascido em Aimorés, Minas Gerais em 8 de fevereiro de 1944, Sebastião graduou-se em economia, pela Universidade Federal do Espírito Santo, em 1967. No mesmo ano, casou-se com a pianista Lélia Deluiz Wanick. Envolveu-se com a política esquerdista durante a ditadura militar, o que o levou a ser exilado do país. Em uma dessas viagens, em 1973, ele visitou a África e resolveu retratar o cotidiano através de fotos, um trabalho que o inspirou e que o tornou um fotojornalista independente. Sua primeira câmera foi uma Leica, de sua esposa Lélia, que se parecia com essa:




Foi assim que Salgado aventurou-se pelo fotografia. Seu trabalho retratou importantes momentos da história, como o atentado a tiros contra o ex presidente Reagan; os pobres da América Latina; a pobreza na África; e até mesmo a miséria do sertão nordestino. É considerado um dos mais importantes fotógrafos documentais da história mundial. 


Sebastião Salgado fotografando o assassinato de Reagan. Foto da época.





A maioria de suas fotos são impressas em P&B, o que demonstra uma alta carga dramática e uma estética elevada, que traduz bem "seu fotojornalismo". O desafio de um fotojornalista é conseguir imprimir em uma única foto, todo o sentimento e mensagem que ele planeja. Documentar a história não é nada fácil, mas, por outro lado, todo o glamour, reconhecimento e admiração após se ter um documento único, devem ser levados em consideração. 

Sebastião tem um estilo bem próprio. Ele costuma fotografar a realidade da perspectiva das mazelas, misérias e sofrimentos humanos, sempre sob a ótica das pessoas menos favorecidas.







"Sebastião descobre no trabalho fotográfico a melhor forma de enfrentar os acontecimentos planetários, principalmente em seus aspectos econômicos. [...] Desde os primeiros momentos ele se dedicou a retratar os excluídos, os que se encontram à margem da sociedade". (Fonte: Ana Lucia Santana, Infoescola)


Verifico a dificuldade de saber captar e passar sentimentos em uma foto. Embora a fotografia esteja em um papel e seja estática, a capacidade de emocionar e refletir ainda é possível. E você pode perceber isso nas fotos de Salgado, por exemplo. Duvido, se, com as fotos abaixo, você não consiga parar pra pensar um pouco:


Os Pobres Trabalhadores Da Terra


A Luta Pela Terra: Crianças Às Margens Das Rodovias


A Luta Pela Terra: A Morte Espreita Eldorado De Carajás


A Luta Pela Terra: A Dor Da Mãe Do Jovem Oziel


E aí?! Sebastião Salgado mereceu ou não estar nesse quadro?! Hoje foi o dia propício para eu escrever sobre ele porque é a Semana do jornalista. E esse é um fotojornalista que consegue imprimir sua arte, mas também emoção; estética, mas o sofrimento; beleza, e a dor. Enfim, ele faz um trabalho magnífico. J-J


O fotojornalista documentou muitas dessas fotos em seus livros, que seguem abaixo (clique na imagem do livro para saber mais sobre):












Seu trabalho também rendeu um documentário que concorreu ao Oscar em 2015, O Sal da Terra (Clique na imagem para ler a sinopse e assista ele completo):










Por: Emerson Garcia

11 comentários :

  1. Belas imagens arrasou
    Canal: https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Merece sim! Fotojornalista incrível.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu estudei ele na minha aula de fotografia da faculdade, e lembrando que naquela época só chegando perto pra poder obter uma boa foto. Hoje em dia o fotógrafo pode estar em cima de um prédio, que consegue capturar o que vê lá embaixo. Fora que qualquer um pode tirar uma boa foto hoje em dia por causa dos smartphones que tem por aí, naquela época era uma super valorização quem conseguia tirar essas fotos, por isso é admirável o trabalho dele.

    Beijos!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. O fotógrafo nessa época tinha que estar bem perto dos acontecimentos para conseguir uma boa foto. Mas hoje em dia tem essa corrida de estar no momento certo, na hora certa, para tirar uma boa foto.

      Excluir
  4. Não o conhecia mas desde já admiro esse cara! :D

    http://www.16primaverasblog.com/

    ResponderExcluir
  5. Admiro muuuito o trabalho de quem vai para África e formar projetos assim sabe?É meu sonho..isso parece tão bonito e acolhedor :)


    beeijão ^^

    http://carolhermanas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ele consegue capturar a dor e o olhar desses africanos. Um olhar acolhedor e humano, mesmo.

      Excluir
  6. Não conhecia os trabalhos dele... As fotos são incríveis, expressivas! Esse tem realmente o "dom do olhar";)
    Bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  7. Ele é a minha inspiração!
    Estudei muito sobre ele durante meu curso e pude entender um pouquinho melhor sua visão.

    <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom ter pessoas que nos inspiram, não é mesmo?

      Excluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design