terça-feira, 27 de outubro de 2015

O desrespeito machuca mais do que um corte de faca


Dois episódios da estreia do MasterChef Jr Brasil foram discutidos durante a última semana (20). O primeiro deles, o de pedofilia à uma das candidatas, Valentina, de apenas 12 anos. O segundo, o de Hytalo, de 11 anos, que foi discriminado por seu modo de andar e falar. Ambos retratam uma sociedade, que embora civilizada, tem atitudes de barbárie e desrespeito, que recebe o aval do anonimato e da confortabilidade do mundo virtual. 

Antes de tudo, tem que se parar com a ideia de achar que porque as crianças estão expostas em um programa de TV, elas estão a mercê de comentários maldosos e atitudes desrespeitosas, aliás, a todo momento elas estão sendo observadas pelos órgãos da justiça e por responsáveis maiores de idade. 



A estreia do Masterchef Jr suscitou a questão da participação de crianças em programas de competição. Menores com faca nas mãos;  sob o perigo de fogo; deixando eletrodomésticos caírem no chão; e, até mesmo, o choro e a tensão, não são mais nocivos que comentários maldosos dos telespectadores. 

Aliás, a tensão, a cobrança e até xingamentos da edição do Masterchef, foram substituídos pela doçura, incentivo e palavras brandas. No site oficial, o diretor Patrício Díaz explica que o programa "explora mais o lúdico, a surpresa e o divertimento, mas sem perder de vista a competição e a exigência culinária". Mas, não é de se espantar que saia do ar por conta da desproteção desses meninos, que não é nem da Band, nem da Justiça, mas dos maníacos da internet.


Valentina



Durante a exibição do programa, Valentina foi chamada de "vagabunda e puta", por conta do possível corpo de mulher e a altura. Digo 'possível', porque uma criança de 12 anos de idade, tem atributos físicos de criança, mais que de uma pessoa adulta. O problema está nos olhos de quem a vê, e na cultura do estupro, que normaliza (e aceita) um homem chamar uma mulher de gostosa e desejá-la sexualmente, não importa a idade. 

É achar que alguém merece ser estuprado, porque se veste com roupas curtas. É legalizar o estupro, e no caso de Valentina, legalizar a pedofilia, porque ela se parece uma mulher. Esse assunto já foi amplamente discutido em A cultura do atraso e Crianças a mercê da engenharia social. É por isso que vimos essa série de tweets:














No artigo de Carol Patrocínio, no CartaCapital, ela diz o seguinte:

Crianças, tenham elas habilidades de adulto (como cozinhar), corpo desenvolvido, usem roupas provocativas ou sejam maduras, são apenas crianças. E qualquer intenção não fraternal direcionada a elas é crime. A culpa não é delas.


Isso reforça o que eu disse: ser estuprado não é culpa das crianças, é da cultura do estupro, que dissemina como 'normal' desejar o corpo de uma pré-adolescente. Não é doente quem tem a noção de certo e errado. Embora para Ricardo de Moraes Cabezon, presidente da Comissão de Direitos Infantojuvenis da OAB, "há uma linha tênue entre a pedofilia e o abuso sexual de menores, este sim é considerado crime". O advogado ainda diz que o que fizeram com Valentina foi caracterizado como difamação, crime contra a honra. 

Para mim, a partir do momento que se faz comentários como esses, já é considerado pedofilia. Não importa se ocorreu abuso sexual, ou não. Aliás, me surpreende um presidente da Comissão de Direitos Infantojuvenis dizer que há diferença entre pedofilia e abuso sexual de menores. Pedofilia não é doença, como pintam por aí, é crime, como bem disse Rafiza Varão:





Não foi a mídia que sexualizou essa criança, não foi a mãe dela que comprou uma roupa provocativa para participar do programa, muito menos a menina que resolveu ser erótica, mas foram esses internautas nojentos que acharam que estavam livres de punição.


Hytalo



O que fizeram com o competidor Hytalo foi uma discriminação, de algo que não está desenvolvido nem para o próprio garoto. Uma criança de 11 anos de idade foi vista como homossexual, o que revela o pior lado do ser humano: o do julgamento. Não estamos falando de homofobia, porque Hytalo não tem todas suas faculdades físicas e mentais, mas da falta de respeito a uma criança.



O colunista do R7, Álvaro Leme, falou desse caso e das "crianças viadas" (Está entre-aspas, porque, de fato, nenhuma criança é homossexual):

"Com aquelas crianças do programa, me preocupa. Porque elas ainda são frágeis e, [...] estão sujeitas a uma perseguição que nem sei como classificar: a de virar "o viadinho da internet". Aquele que o Twitter inteiro definiu como bichinha. [...]
Quem disse que um menino afetado ou uma menina menos delicada vão ser homossexuais? Aliás, e daí se forem? [...]"


A adultificação de crianças em programas de TV



Criança é criança, fato. Mas, ela pode ser vista como adulta pela mídia e pelas pessoas (que já foi falado). TV, cinema, teatro e Youtube criaram uma dinâmica de cultura da celebridade, que substituiu o antigo modelo paterno. Pais tornam seus filhos em imagem, e logo eles estão na mídia, e muitas vezes, ela será o "pai desses filhos". É só lembrar que Sílvia Abravanel participa do Bom dia e cia como uma mãe para as crianças, depois daquele episódio na justiça



Tornar os filhos celebridades da TV requer deles responsabilidade e uma postura mais madura. Os apresentadores do Masterchef Jr Brasil, embora com uma postura mais branda, ainda requerem que essas crianças tornem-se adultas antes do tempo (mas diferente do povo que quer que Valentina seja uma 'puta' e Hytalo um 'viadinho'). 

Eles precisam entregar os pratos no tempo determinado, tudo isso com o tempero das lágrimas, tensão e correria; devem cozinhar na frente dos pais - eu sei que a justiça determina, mas pense nessas crianças ouvindo dos pais: "cozinha, filho" ou "enxuga a lágrima e vai!"; devem manipular facas; cozinhar carne de porco e outras coisas estranhas; e tudo isso almejando ser um futuro chefe profissional.

Adultificadas, essas crianças devem se expor à pressão da competição. Mas nada é tão grave do que se expor ao assédio sadomasoquista dos telespectadores. Machuca mais do que um corte de faca. Ah, se machuca. J-J

Por: Emerson Garcia

11 comentários :

  1. Olá,
    Vi só a polêmica da Valentina e achei um absurdo claro, a menina é uma criança e se parece como tal, mesmo se ela fosse desenvolvida, nada disso justifica esse tipo de atitude. As pessoas realmente podem ser muito malvadas quando querem.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Sei lá, na minha humilde opinião, já é ruim o suficiente maltratar os classificados adultos,imagine essas crianças?
    Os pais que influenciam isso na vida de uma criança.É muita pressão e maldade. Eu não concordo nada com isso :(
    É pra gente começar a enxergar como a televisão realmente faz mal para a sociedade né?


    Gostei do texto reflexivo.
    Beeijos.
    PS:Te marquei numa tag lá no blog :)

    http://carolhermanas.blogspot.com.br/2015/10/tag-da-senhora.html


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela marcação. Respondo na semana que vem.
      Gostei do seu ponto de vista.

      Excluir
  3. Eu vi a polêmica da Valentina. Fiquei indignado com toda essa situação. Imagina se para nós já é sério, imagina como essas crianças estão se sentindo agora?

    E só pra avisar... Respondi a tag que você havia me indicado! \oo/

    http://www.decidindose.com/2015/10/tag-8-coisas.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Crianças são frágeis, imaturas, não desenvolvidas. Um perigo mesmo.
      Que bom que respondeu!

      Excluir
  4. Qual o problema dessas pessoas?? Isso é falta de amor e falta do que fazer também.

    rasgadojeans.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Esse é um assunto delicado, sei lá, não da para acreditar que as pessoas fazem essas brincadeiras preconceituosas e ofensivas ainda hoje em dia. E não importa se são crianças ou adultos, as pessoas tem que ter respeito uma com as outras.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  6. concordo totalmente!! falta de respeito dói muito mesmo...

    ResponderExcluir
  7. Gente do céu, eu sei que essa postagem é velha, mas eu estava olhando postagens dos blogs que sigo e esse título me interessou. Enfim, como uma pessoa pode dizer, ainda no Twitter, "não fica assim migo. A culpa da pedofilia é dessa mulecada gostosa". Em toda a minha vida, eu nunca vi algo mais nojento que essas palavras. Precisei parar, reler e observar por alguns segundos esse comentários, e voltar novamente. Pois de todos, esse foi o mais doentio que eu vi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso faz parte da cultura. Hoje em dia não escandaliza mais ninguém.

      Excluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design