terça-feira, 14 de julho de 2015

Perdoem-os, eles não sabem o que é “blackface”

Fonte: G1/Instagram.


A internet está cheia de dedinhos nervosos e ‘donos da verdade’. Os cantores Michel Teló e Mariano (que faz dupla com Munhoz) pintaram o rosto em campanha contra o racismo. Eles pintaram metade da face de preto. Foi o que bastou para as críticas e acusações ferozes sobre racismo. Logo depois da farândola dos odiadores, os cantores apagaram a postagem e se desculparam. Mariano assim disse:

“Peço desculpas se ofendi alguém no post anterior com a campanha contra o racismo, não sabia desse tal de 'blackface'. Postei com a melhor intenção possível assim como a campanha foi criada. Perdão mais uma vez! Xô Preconceito.”


O ator Sérgio Cardoso em “A Cabana do Pai Tomás” Cedoc/TV Globo. 


Para quem não sabe, é quando um artista branco pinta seu rosto de preto para fazer uma personagem negra (e, naquela época, imitar os estereótipos racistas a respeito dos negros). Em termos raciais é algo a ser firmemente repudiado. Tanto um quanto o outro, nem sabia do significado do que praticaram. Mais racional foi um usuário de rede social que refletiu sobre o assunto:

“O Michel Teló representa o brasileiro médio que nem sabe o que é 'blackface'”.


O brasileiro médio nem ao menos sabe da complexidade das guerras no Oriente Médio. E, muito menos, as sabe como ocorreu. Se você perguntar a qualquer ser humano mediano o que é 'blackface' ninguém saberá. Esse episódio de ódio desenfreado na internet lembra a cena do filme Todo mundo em pânico 3, onde George Logan (Simon Rex) agradeceu ao público majoritariamente negro e o seu capuz fica no formato de um equivalente da Ku Klux Klan. Ele estende o braço fazendo o 'heil hitler', sem saber o significado, sendo defenestrado pela janela.





Tanto a indumentária da KKK, quanto a saudação nazista, são imitações das roupas usadas na Procissão do Fogaréu no Goiás e das cerimônias religiosas na Espanha (Minha querida Marta Máster, me corrija caso eu esteja errado). E a saudação é romana, e não nazista.

Pedir desculpas por fazer algo que não sabe é tão ridículo como um bebê se desculpar por fazer xixi na cama. O bebê não nasceu sabendo dos “protocolos do pipi e do popô”. Portanto, muito menos os artistas sertanejos foram ensinados o que é blackface e seu histórico. Se você fizer algo que não tem ciência de que é errado, não peça desculpas. Você não teve intenção de ofender algo ou alguém. Corrija o curso do destino e vá em frente. O politicamente correto está matando a espontaneidade de todos. Até a presidente Dilma Rousseff errou em discurso e não passou ilesa.





De olho no contexto

   Olha os racistas na tv Globo. Não, pera!


Dica: diante de qualquer situação que pareça boa ou ruim, lembre-se da palavra “contexto”. Por exemplo, você entra no escritório e vê a secretária em cima do chefe galanteador, sem contar que no local havia o armário de livros bagunçado e a escada caída no chão. Cuidado ao julgar. Se fóssemos ver tudo a ferro e fogo então o mundo estaria perdido.

No Brasil tivemos algo semelhante na novela A Cabana do Pai Tomás (Globo, 1969-70 – 19h). O ator Sérgio Cardoso (1925-72) interpretou três personagens: o presidente dos Estados Unidos, Abraham Lincoln; o abolicionista Dimitrius; e o escravo Tomás. Esta última personagem foi a mais polêmica, porque foi um branco que interpretou em vez de um ator negro (na época clamavam que fosse Milton Gonçalves).

A patrocinadora da telenovela – a agência de publicidade Colgate-Palmolive – quis porque quis que Cardoso fosse Tomás e a empresa não havia se ligado no contexto multirracial brasileiro. A novela escrita por Walther Negrão, Glória Magadan e Hedy Maia foi a última baseada em textos estrangeiros, dando início as novelas-pastelão do horário citado.

Encerro o texto com o clipe exibido no Fantástico, em 1984, com Gilberto Gil e Chico Buarque cantando “A mão da limpeza”, para que fique evidente que nem toda vez que você vê algo parecido, você deva levar literalmente. E que NEM TODO MUNDO SABE O QUE VOCÊ SABE.





P.S.: Meus queridos leitores, vou me ausentar por duas semanas para acompanhar meu único filho, Henrique à Aubagne para servir à Legião Estrangeira da França. Faço questão de ir com ele, porque é a única lembrança boa que minha finada amada Manuela deixou. É para manter a tradição. Meu pai, Louis-Jacques Blanche lutou na Argélia, e eu  já servi à França mesmo que não tenha nascido lá.

Deixarei dois textos prontos para cumprir com as obrigações de escritor especial aqui. Volto ao Brasil dia 26!


Por: Pedro Blanche

8 comentários :

  1. Fala sério. Esse povo precisa de mais cultura.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com seu post.
    Foi muito boa sua comparação com aquela cena do Pânico. Ela me marcou muito.

    www.revistadarafa.com.br

    ResponderExcluir
  3. Nunca o ditado "é errando que se aprende" foi tão atual. Até a volta Pedro!

    ResponderExcluir
  4. As pessoas tem esse problema vai muito pela cabeça do outro
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=eNNlFtDc1-o
    Blog:http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design