quinta-feira, 18 de junho de 2020

Quinta de série - nostalgia: Castelo Rá-Tim-Bum

Pode conter spoilers!






"Bum, bum, bum Castelo Rá-tim-bum Bum, bum, bum Castelo Rá-tim-bum!" Hoje o Quinta de série está nostálgico e por que não dizer marcante, já que essa série marcou a minha infância de uma forma singular. Produzido pela TV Cultura, Castelo Rá-tim-bum é uma produção de fantasia e família de Cao Hamburguer e Flávio de Souza, exibida todas as tardes do canal às 15 horas. CRTB ficou no ar de 1994 à 1997, durando 4 temporadas e 90 episódios mais um especial. O elenco contou com Cássio Scapim, Luciano Amaral, Cinthya Raquel, Freddy Allan, Sérgio Mambeti, Rosi Campos, Pascoal da Conceição, Ângela Dippe e Marcelo Tas.

Um castelo mágico em meio à metrópole, com humanos bruxos, animais e objetos supostamente inanimados. Esses são alguns dos elementos que compõem o universo de CRTB e que encantou as crianças da minha geração, principalmente a mim. A trama tem como protagonista o jovem (Não tão jovem, assim, já que ele tem 300 anos!) Nino que vive em um castelo mágico em um bairro de São Paulo com seu tio, o Dr. Victor, um feiticeiro e cientista, e com sua tia-avó Morgana, uma feiticeira de 6.000 anos de idade. Nino, é aprendiz de feiticeiro e nunca frequentou uma escola. Abandonado pelos seus pais que foram fazer uma expedição espacial, ele fica isolado do mundo. Então, ele decide enfeitiçar uma bola - feitiço que aprendeu com seu tio e sua tia-avó - para atrair três crianças que acabavam de sair da escola. Desse modo, a aventura começa, pois todas as tardes Pedro, Biba e Zequinha visitam o castelo e tem muitas aventuras com o até então solitário Nino. Cada dia que passa, eles devem decifrar uma senha diferente proposta pelo Porteiro, para que possam entrar no castelo.

As crianças juntamente com Nino aprendem muito no castelo, que possui desde uma cobra falante, um gato leitor, um ratinho que adora tomar banho, criaturas do esgoto, cientistas, até uma enciclopédia humana, entre outros. As tardes no castelo também são animadas com as presenças do entregador de pizzas Bongô; da charmosa repórter de TV, Penélope; da lenda folclórica nacional, Caipora; e até de um extraterrestre, o Etevaldo (Com eles, as crianças aprendem muito).



Mas não só de diversão e aprendizado o CRTB é feito. Os moradores do castelo e as crianças também terão que lidar com as malvadezas do Dr. Pompeu Pompílio Pomposo ou Dr. Abobrinha que deseja à todo custo ser dono do castelo para destruí-lo e construir um prédio de cem andares em seu lugar. Para isso, ele cria planos para que algum dos moradores assine um termo de transferência do castelo para ele. Contudo, Dr. Abobrinha sempre falha, mesmo que utilize de histórias mirabolantes e disfarces.

CRTB marcou por suas aventuras, músicas, lições e quadro pedagógicos. A série contou com 27 quadros (mais detalhes à frente) que ajudavam às crianças compreenderem conceitos pedagógicos seja através de músicas, da História mundial, enigmas verbais, experimentos, curiosidades entre outros. 


Personagens 

A série contou com personagens interpretados por pessoas e bonecos que foram manipulados por pessoas. CRTB contou com inúmeros personagens. Pretendo falar apenas dos cruciais para a história e mais curiosos.



Nino: é o protagonista principal da série. Seu nome original é Antonino Stradivarius Victorius II. Nino é uma criança de 300 anos de idade que vive solitário no castelo. Seu quarto possui vários brinquedos e o papel de parede é recheado de páginas de quadrinhos. Nino é um bom garoto, apesar de ter um comportamento infantil, imaturo e desobediente. Era apaixonado pela Penélope.



Dr. Victor: Victor Astrobaldo Stradivarius Victorius I é irmão da mãe de Nino e, portanto, seu tio. Victor é um bruxo e cientista que criou muitas invenções do castelo, como o porteiro e o relógio. Victor leva uma vida comum trabalhando em uma empresa tecnológica. Age como um pai para Nino, sendo rígido com ele, apesar de ter um lado brincalhão e alegre quando vê Nino se divertindo com seus amigos. Possui 3.000 anos e conheceu figuras históricas, como Leonardo da Vinci. 



Tia Morgana: seu nome completo é Ana Morgana Maria Gioconda Teresa Cecílio Luísa Astrobaldo Demétrio Fonseca Stradivarius Victorius (UFAA!). Tia-avó de Nino, é uma poderosa feiticeira que tem 6.000 mil. Inteligente e sábia, vive no andar de cima do castelo com a sua gralha Adelaide e quase não sai de lá. Morgana viveu muito, estando presente em acontecimentos históricos como a construção da Grande Muralha da China ou a invenção do dinheiro. Morgana é como uma mãe para Nino e é mais paciente com ele do que Victor. Ela aparece para corrigir as besteiras do Nino, além de ser uma contadora de histórias. 



Zequinha: é o mais novo da turma. É dele a bola enfeitiçada que levou ele e as outras crianças até o castelo. Zeca é pequeno, sapeca e muito curioso, chegando a ser desagradável em muitas situações. É também guloso e esfomeado.





Biba: é a mais velha da turma, tendo 10 anos. É bastante esperta, feminina e decidida. Ela gosta de tirar sarro dos meninos e de agir como a mais 'responsável', além de adorar soltar o verbo e ser uma idealizadora de aventuras e confusões entre o grupo e os demais habitantes do castelo. Às vezes tira vantagem para cima de Pedro. Se apaixonou por ele no episódio das Aventuras do Cupido.




Pedro: é o mais velho da turma ao lado de Biba. Pedro é um pouco mais intelectual do que seus demais amigos. Possui boas ideias para brincadeiras ou para exercer sua própria criatividade. Na ausência de Nino, torna-se líder do grupo por ser o mais esperto. É apaixonado por Biba. Pedro usa uma camiseta estampada, uma cartola azul e óculos vermelhos, mas em vários episódios os óculos são azuis e a cartola vermelha. 




Bongô: entregador de pizzas, fã de música e dança. Tem uma amizade forte com os moradores do castelo, além de bom humor e da alegria contagiante. É filho único de dois fazendeiros que moram no interior paulista. Seu verdadeiro nome é Luiz Alberto, estuda e mora na cidade grande. Aparentemente ele possui medo de bruxas e ets, apesar de saber que a bruxa Morgana é uma bruxa boa.





Etevaldo: um garoto alienígena, antigo amigo do Dr. Victor. Em uma de suas visitas encontra o pessoal do castelo, o que causou um grande espanto. Ele tem a habilidade de ler um dicionário inteiro em questão de segundos, além de dominar o idioma humano. Etevaldo recebeu esse nome de Zequinha, já que seu nome verdadeiro, no idioma de seu planeta, ninguém consegue entender. Ele é ingênuo sobre os costumes terrestres, mas sempre pronto para aprender. Ele é muito carismático. Quando foi "passear nas estrelas", Etecetera - sua irmã - assumiu o seu lugar. 





Caipora: Caipora Régia é uma personagem do folclore brasileiro que sempre aparece quando alguém assobia. É muita amiga do Nino e do Tio Victor. Tem um jeito animalesco e devora tudo que vê pela frente. Ela conhece muitas histórias indígenas e as conta para as crianças. Por não conhecer os costumes da cidade, Caipora chega a ser um tanto inconveniente às vezes. Para se livrar dela, só se adivinhar a palavra secreta que ela escolheu. Caipora possui uma leve queda por Nino. 



Penélope: uma jovem repórter, bonita e popular na televisão, já que é a apresentadora de seu próprio jornal. Se destaca por seu figurino, maquiagem e cabelos cor-de-rosa. Penélope adora visitar o castelo e se divertir com as crianças. Nino, de forma evidente, é apaixonado por ela. A repórter é conhecida por ser extremamente escandalosa quando vê um rato ou quando descobre ou ouve algum fato chocante. Assim, ela solta um berro que dá para se ouvir do outro lado do mundo. 




Dr. Abobrinha: um corretor imobiliário obssecado em construir um prédio de cem andares com estacionamento e acredita que o castelo seria o local perfeito para isso. Desse modo, se disfarça por várias vezes e tenta fazer os moradores assinarem um contrato de venda, mas sempre falha por ser desastrado como por ser descoberto, jurando que um dia o castelo será seu ("Esse castelo será meuuu, meuuu, meuuu Ha ha ha ha"). É o vilão principal da série. 




Mau: monstro roxo que habita os encanamentos do castelo. Seus passatempos envolvem mostrar que ele é mau, mas não consegue porque no fundo é um monstro bom de coração; e correr pelos encanamentos do castelo, fazendo barulho. Suspeita-se que Mau tenha vindo do pantanal. 




Godofredo: monstro parecido com uma ratazana ou um elfo, um tanto caseiro que mora com Mau nos encanamentos. Ele vive com medo da Gargalhada Fatal de Mau em um desafio que ele faz com os telespectadores. 



Gato Pintado: mora dentro da biblioteca do castelo, é um bibliotecário apaixonado por livros e passa seu tempo lendo os livros ou contando os mesmos na biblioteca. Quando alguém quer um livro, deve consultar a ele, pois tem o controle de quem pode tirar os livros ou não de lá. No início da série o gato contou 1005 obras na biblioteca. 





Celeste: uma cobra de cor rosa que habita a árvore do castelo. Ela é geniosa e um tanto egoísta às vezes. Seu passatempo favorito é reclamar que ela é "só uma poooooobre cobra sem pernar, nem pés, nem braços nem mãos". Costuma corrigir Nino quando ele age infantilmente e tem uma relação de afeto com ele, sobretudo. 




Relógio: localizado no hall de entrada, Relógio tem orgulho de sempre ser muito preciso e tem como sua obrigação exclamar para todos sobre quaisquer horários importantes, como a hora das crianças irem embora, a hora de Morgana contar suas histórias ou a hora do Dr. Victor chegar do serviço. Sua aparência foi inspirada no apresentador Chacrinha. 




Ratinho: mora em um buraco de rato com garagem e pode ser visto dirigindo seu Ratomóvel pelo castelo, indo direto para seu buraco e começando seu próprio quadro (Mais detalhes no próximo tópico). O corpo físico do Ratinho não interage com os demais personagens. 



Porteiro: quantos se lembram da frase icônica do porteiro que diz "Clift cloft still, a porta se abriu"? Ele só deixava adentrar no castelo quem adivinhasse a senha do dia ou fazer provas físicas. Pular num pé só, citar derivados do leite, imitar um carro ou cantar marchinhas de carnaval são alguns dos desafios dele. 






Quadros




O CRTB era formado por uma série de quadros educativos e didáticos, que davam noções de cores, números, formas, ritmo, higiene, meio ambiente, História, Ciências, dentre vários outros assuntos. Os quadros tinham a ver com a estória do episódio, sendo costurados perfeitamente com eles. Falo de cada um abaixo:


Feitiçaria: nesse quadro Morgana contava histórias de civilizações antigas, de invenções e descobertas do homem, com comentários de Adelaide. Em alguns episódios ela aparecia somente neste quadro, sem participar da narrativa principal. 





Porque sim não é resposta: Zequinha era um garoto muito curioso e sempre disparava "Por quê?" iniciando uma sequência de porquês, até que alguém perdia a calma e berrava pra ele "Porque sim, Zequinha!" ou "Porque não, Zequinha!". Daí o Telekid (interpretado pelo Marcelo Tas) aparecia e dizia "Porque sim não é resposta" ou "Porque não não é resposta" e respondia as dúvidas dos personagens, com curiosidades e o porque das coisas. 






Nos encanamentos do castelo: quadro do Mau e Godofredo. Eles apresentavam enigmas verbais, incitando o uso da língua e do raciocínio lógico. Se a pessoa errasse, Mau soltava sua inigualável, porém engraçada, gargalhada fatal. 







Tíbio e Perônio: eram dois cientistas gêmeos e gênios, amigos do Dr. Victor, que viviam experimentando coisas em seu laboratório e isso "tudo pelo bem da ciência". Tíbio e Perônio surgiam sempre quando um assunto curioso chamava a atenção de alguém que dizia "Eu conheço uma pessoa que se interessaria muito por isso!" e este mesmo personagem ou outro completa dizendo "uma não, duas"





Tap e Flap: um par de botas falantes que rimavam enquanto comentavam os acontecimentos. 





Como se faz: videoclipes que explicavam a fabricação de vários produtos. Os videoclipes eram cantados por Wandi Doratiotto. 






Lavar as mãos: videoclipe com música de Arnaldo Antunes que dava noções de higiene com as mãos. 




Dedolândia: dedos falantes que cantavam músicas ao estilo rock in roll e blues, ensinando matemática. O quadro costumava ser chamado pelo dedo Fura-Bolos. 







Poesias animadas: 14 poesias de autores nacionais foram apresentadas em forma de animação, com narração de personagens do castelo que abriam o Grande Livro de Poesias da biblioteca. 








Caixinha de música: engenhoca do Dr. Victor que apresentava bailarinos dançando diferentes tipos de dança de acordo com o tema do episódio. 






Lana e Lara: as fadas moravam em um lustre do hall e propunham enigmas para os telespectadores, onde eles precisam comparar e identificar visualmente objetos e seres. 






Ratinho: era o quadro em que mostrava a importância de se tomar banho, escovar os dentes, da reciclagem e dos cuidados com o lixo. De forma animada, os clipes do Ratinho de massinha eram todos feitos em stop motion. 







Que som é esse?: "Passarinho, que som é esse?" Quem se lembra desse quadro em que um João-de-Barro e duas lindas patativas ensinavam, através de canções, diferentes instrumentos musicais? 






Circo: na sala de música havia um pequeno circo rodeado por um trem de ferro, presente do irmão de Morgana, pai de Victor, e avô de Nino. Nele, um garoto apresentava números circenses realizados por crianças. 





Caixa preta: na sala da lareira, há uma caixa preta, outra engenhoca do Dr. Victor, que mostra os sonhos, pensamentos e ideias em forma geométrica da pessoa que a abre. 






Cavalete Mágico: os artistas Rui Amaral e Jejo Cornelsem interpretavam um pintor extrovertido e dinâmico que pintava quadros de arte moderna que apareciam no vídeo em câmera rápida. 





Pianola: ainda na sala de música, existia esse instrumento que, ao ser tocado por alguém, reproduzia no visor das partituras, bailarinos que representavam melodias e ritmos que estavam sendo tocados. 






Músicas do mundo todo: um globo terrestre que tocava a música típica de um país escolhido, com ilustraçãos animadas realizadas a partir de um símbolo visual da nação em questão. 






Desenho mágico: um objeto que permitia um exercício de percepção visual a partir de um desenho que ia se formando. Quem manipulava a manivela narrava o que estava sendo desenhado. 







Marionetes: uma lareira apresentava bonecos que caracterizavam diferentes países, com a intenção de mostrar a existência de várias nações com línguas e culturas próprias. 






Lousa mágica: ela criava animações de animais em diferentes situações. 



Mãos pintadas: imitavam animais em diversas situações. O quadro às vezes não tinha nada a ver com a história principal do episódio, servindo mais de intervalo para a narrativa. 






Histórias dos Curumins: eram histórias de dois curumins irmãos, contadas pela Caipora. As histórias são adaptações de lendas indígenas. 





Músicos mirins: um radialista trazia grupos musicais, corais, fanfarras e instrumentistas mirins. Não era um quadro muito comum na série. 


Comentam quadros: a cada episódio, no hall do castelo, havia uma pintura diferente no mesmo lugar. O quadro mostrava detalhes das obras em questão. 


Cabine: trazia crianças na rua interagindo e opinando sobre situações criadas pelo programa. 


Esportistas mirins: crianças movimentavam seus corpos em cinco clips desse quadro. 


Curiosidades 

O Super Interessante divulgou 20 curiosidades sobre a série. Acompanhe:

1- A série contou com 800 figurinos em toda sua exibição.

2- Na ideia inicial a série contaria além do castelo com uma vila e uma escola, mas isso foi descartado porque era muito caro.


3- O nome da série seria Castelo do Dr. Victor ou Castelo Encantado, mas optou-se por ser Castelo Rá-tim-bum, já que o nome tinha gerado sucesso para a TV Nacional.


4- O orçamento para a produção do castelo foi de US$ 2,5 milhões divididos entre a TV Cultura e Fiesp.


5- Nino foi inspirado na Nina de Rá-tim-bum, uma menina que morava com uma boneca  careca em um quarto com móveis gigantes.


6- Um carro da TV Cultura buscava Luciano Amaral (Pedro), Cynthia Rachel (Biba) e Fredy Allan (Zequinha) na escola e os levava à emissora durante um ano e meio. Eles gravavam das 14h às 20h, tendo intervalos para lanchar e fazer a lição de casa. 


7- Inicialmente, a TV Cultura queria criar Rá-tim-bum 2, uma "continuação" do programa de imenso sucesso exibido entre 1990 e 1992. 


8- O ratinho que ensinava a tomar banho e escovar os dentes estrelaria 16 esquetes, mas, por falta de grana, só foram rodadas quatro, cada uma custando US$ 3 mil. 


9- Uma guerra de travesseiros em um episódio mandou o manipulador do fantoche da cobra Celeste, Álvaro Petersen Jr., para o hospital, pois plumas acabaram dentro da árvore, o que causou uma alergia, deixando-o três dias internado. 

10- Os 90 episódios exigiram o trabalho de 250 pessoas e cerca de 5 mil horas de gravação.

11- O par de botas Tap e Flap eram os únicos fantoches com "dublês". Eram versões mais simples, sem componentes eletrônicos para realizar as cenas em que as botas sofriam quedas ou pancadas. 

12- Produzidos como os gêmeos Tíbio e Perônio, os atores Flávio de Souza e Henrique Stroeter ficavam tão iguais que precisavam se mexer para conseguir identificar que era quem nos monitores durante as gravações.

13- O cenário interno foi construído em 360º, algo raro na tv. A câmera podia passear ou girar livremente, sem nunca revelar os bastidores da produção. 

14- O quarto do Nino foi construído de forma ocasional, ele não estava na planta original. Foi então que Cao Hamburguer teve a ideia, quando já não havia espaço no estúdio, de encaixá-lo embaixo da escada - por isso ele era tão apertado. 

15- Em Portugal o programa fez tanto sucesso que o canal RTP propôs à TV Cultura comprar todos os cenários, levá-los de barco e gravar novos episódios. 

16- Os quadros do telekid ("Porque sim não é resposta!") foram gravados de uma vez só, em um único mês e sempre nas madrugadas, pois era o único horário em que o chroma-key da TV Cultura estava disponível.

17- O Mau foi o boneco mais remodelado. Antes de definirem seu visual final, houve nove versões em cinco materiais diferentes. 

18- A aparência do Relógio foi inspirada no apresentador Chacrinha. 

19- O visual do castelo teve várias influências, são elas: a arquitetura dos casarões do Bairro do Bixiga em São Paulo, as obras do Catalão Antoni Gaudí, a estética do movimento Art Nouveau e até a paleta de cores dos filmes de Tim Burton. 

20- Foram licenciados mais de 1.200 produtos da marca Castelo Rá-tim-bum. 


Trilha Sonora

A série contava com uma trilha sonora de 18 faixas, que envolvia desde a música de abertura; Zeca, Nino, Pedro e Biba; Penélope; Ratinho tomando banho; Lavar as mãos; Etevaldo; Mau; Celeste; Porque sim não é a resposta; entre muitas outras! Escute-as abaixo:






Abertura

A abertura tinha uma música original do castelo e sua construção - passo a passo -, até que no final um carrinho eletrônico caminhava e colocava a bandeira com uma mão eletrônica. Assista:




Episódios memoráveis


CRTB contou com episódios memoráveis, são eles: o primeiro, quando Nino e as crianças se conhecem; os capítulos em que o Dr. Abobrinha surgia caracterizado de Bongô e Penélope; os episódios em que Nino deixa o castelo, como o que Tia Morgana leva todos ao zoológico, ou quando Nino conhece a fazenda dos pais de Bongô; o crossover com Glub Glub, quando Etevaldo leva o castelo para o fundo do mar, e Nino papeia com os peixinhos Glub e Glub; e o episódio da festa de aniversário de 6.000 anos de Morgana, um dos momentos raros em que todo o elenco aparece junto.

Também merece destaque o episódio em que uma menina azul, Zula, visita o castelo e todos ficam com preconceito com ela, menos Penélope, Godofredo e Mau. No final, Nino e os outros se arrependem do que fizeram e pedem desculpa para ela. Acredita-se que esse episódio é uma referência a discriminação racial. 


Canal no Youtube

A série tem um canal no Youtube com 290 mil inscritos, em que é possível ver vídeos adicionais da série, como do Ratinho; Quem mora no castelo; Que som é esse; e vídeos especiais, com uma entrevista com o criador Cao Hamburguer e vídeos comemorativos dos 20 anos da série. Uma das playlists mais interessantes é a Se o castelo fosse um filme - montagens de cenas da série, em trailers de filmes conhecidos.










O canal disponibilizava todos os episódios completos, mas eles estão privados no momento. Contudo, o canal Hora da Diversão publicou todos eles novamente



Audiência


CRTB foi um dos maiores sucessos da TV Cultura (se não o maior) registrando média de 12 pontos, chegando até 14 pontos. No início, era exibido nas noites da emissora, entre 19h e 19h30, tendo audiência de 8 pontos em sua estreia (ou 320 mil domicílios conectados).

A atração voltou à grade da emissora com o intuito de celebrar seus 20 anos. Tal feito registrou um crescimento médio de 67% de audiência noturna e 15% no período da manhã. Os números representaram um aumento de 1,5 para 2,5 pontos no Ibope à noite, e de 1,3 para 1,5 durante o dia. 


Prêmios 

A série ganhou prêmios em 1994, 1995 e 1999 de Melhor programa infantil (Prêmio APCA), Medalha de Prata: Melhor programa infantil (Festival de Nova York), Melhor Disco Infantil (Prêmio Sharp de Música) e Melhor Programa Infantil (Troféu Imprensa).  



Exposições, musicais e filme

O sucesso de CRTB foi tão grande que uma Mostra em SP reproduziu cenários do Castelo Rá-Tim-Bum  chamado de Castelo Rá-Tim-Bum - A exposição. Além disso, foram produzidos inúmeras peças musicais e até mesmo um longa-metragem. Este último é considerado melhor que a série original, porque seus personagens ganharam profundidade e sentido. Isso foi possível porque os quadros foram suprimidos, dando maior liberdade ao roteiro e personagens. O filme, portanto, é mais fantasioso, quase que um conto de fadas, de acordo com matéria publicada pela Folha de São Paulo



Como estão os atores de CRTB hoje em dia?


Zequinha e seu intérprete, Fredy Allan.



Nino e seu intérprete, Cassio Scapin.



Pedro e seu intérprete, Luciano Amaral. 



Biba e sua intérprete, Chintya Ramos.



Dr. Victor e seu intérprete, Sérgio Manberti.



Etevaldo e seu intérprete, Wagner Bello que faleceu vítima de AIDS em 1994. 



Morgana e sua intérprete, Rosi Campos.



Penélope e sua intérprete, Ângela Dippe.



Caipora e sua intérprete, Patrícia Gasppar



Crítica

CRTB era uma série incrível que guardo com muito carinho em minha memória. Os personagens são cativantes, a estória é simples, porém emocionante. Além disso, a série era educativa, lúdica e divertida. Como é possível alguém se divertir e aprender ao mesmo tempo? A série responde essa pergunta. 

Cada quadro foi pensado com muito carinho para casar com a história principal. Os efeitos especiais, figurinos, locações e todo o trabalho artístico foi realizado com esmero e dedicação. Além disso, as hisstórias ensinavam como ser uma boa criança, lições de aceitação e a ideia que toda criança merece respeito, boa educação e brincar.

São inúmeros os personagens, sejam os principais ou participações especiais. Cada um deles demonstra a criatividade da produção em traçar características, figurinos, trejeitos e até mesmo frases e bordões, como Raios e trovões! do Dr. Victor; Nooossaaa da Celeste;  "Clift cloft still, a porta se abriu", do porteiro; "Passarinho, que som é esse?", das patativas, entre outros. 

CRTB é uma série para todas as crianças, mas também para os adultos, ou seja, para toda a família. A recomendo! J-J




Por: Emerson Garcia

10 comentários :

  1. Post completíssimo, parabéns. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. nunca he visto esta serie, parece divertida.

    ResponderExcluir
  3. nostálgico demais seu post, eu amei
    como sempre muito bem detalhado, parabéns

    beijo
    A mina de fé

    ResponderExcluir
  4. Nossa, que saudade!
    Assistia pouco durante a infância, então não sabia muitas coisas sobre e lendo essas informações fiquei fã do desenho. Mas afinal, quem não sabe a musiquinha do "bum-bum-bum, castelo..."

    Abraços!
    https://wallsbooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não era desenho, Victor. Era uma série. Mas muito obrigado pelo seu comentário. Esteja sempre presente aqui.

      Excluir
  5. Oi Émerson que alegria ver a série e os personagens do Castelo Rá-Tim-Bum aqui nesse post tão completo. Bateu Nostalgia e me lembrei da exposição sobre a série que eu fui no CCBB
    beijos
    Chris


    Inventando com a Mamãe / Instagram  / Facebook / Pinterest

    ResponderExcluir
  6. Gente, que nostalgia vendo esse post!
    Muito assisti a Castelo Rá-tim-bum quando era bem pequena! Lembro que morria de medo da Morgana haha
    Muito interessante saber curiosidades e fatos diferentes sobre o programa!

    Beijos.

    BLOG COISA E TAL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tinha mais medo do Etevaldo e da Caipora, mas eles eram gente boa.

      Excluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Nos siga nas redes sociais: Fanpage e Instagram

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design