quarta-feira, 29 de junho de 2016

Pedro Blanche escreve excepcionalmente hoje: a cobertura nojenta da imprensa brasileira sobre o Reino Unido

Britannia: o símbolo personificado do Reino Unido | Imagem de internet

Pessoal, ainda estou na França matando saudades do lado gaulês de minha família e acompanhando os jogos da Eurocopa e torcendo para Portugal e França chegarem a final (bate coração!). Volto ao Brasil depois do campeonato europeu de futebol. O blog Jovem Jornalista em poucos dias entrará em seu merecido recesso, mas não poderia me calar sobre o que vejo tanto daqui - quanto da mídia brasileira - sobre o referendo britânico.

Se você acompanha a mídia brasileira acerca do referendo sobre a permanência ou não do Reino Unido está sacramentado como “verdade” que os votos a favor do Brexit (uma amálgama das palavras Britain+Exit – ou seja, a saída da nação da União Europeia) foram erros fatais. Só que não é bem assim.

Meninos e meninas, a Brexit foi a mais acertada decisão do povo britânico, e o resto não passa de choradeira de grupos globalistas e da imprensa esquerdista. O bloco europeu é mais uma dor de cabeça e um empecilho, tanto para os bretões quantos para os outros países do bloco. Decisões de uns gatos pingados de burocratas em Bruxelas pisam em cima das particularidades de cada nação.


Refutando

O Reino Unido foi feliz em optar pela liberdade do que se deixar engolir pelos desmandos externos. A imprensa usa do medo, da desinformação, do terrorismo midiático e - principalmente - do preconceito para convencer o cidadão mediano comum de que a decisão a favor do Brexit foi a mais equivocada. Vejamos:

1 – A Escócia e Irlanda do Norte votaram em peso para ficar na UE: a mídia coloca este mapa para te levar a crer que as duas nações do Reino Unido foram mais a favor do Remain (permanecer na União Europeia) do que o Brexit. Veja:


A mídia te mostrou isso... | Wikipédia em português


Mas, o que a mídia brasileira nunca vai te mostrar são estes mapas aqui:

... E isso a mídia nunca vai te mostrar. | Wikipédia em português


A verdade é: houve uma votação apertada na maioria das regiões da Escócia e Irlanda do Norte do que esmagadora. A maior parte das votações foi em torno de 55 e 60%, e este índice só aumenta nas regiões metropolitanas. Tomo como exemplo as regiões de Aberdeenshire (Escócia) e de North Down (Irlanda do Norte) que tiveram votos equilibrados. Veja no gráfico a seguir:

Votações apertadas em regiões da Escócia e Irlanda do Norte derruba mito de “votação em massa” em favor da União Europeia | BBC


Você pode consultar região por região neste link do site da BBC.


2 – O Reino Unido vai se dar mal sem a UE: a curto prazo qualquer previsão é mero papo de botequim, mas se olharmos em conta a história desta nação, suas tradições e a forma que lidou com as adversidades verá que essa foi a melhor decisão tomada a curto prazo. Fico com as palavras do jornalista Felipe Moura Brasil em seu artigo detalhadíssimo no site de Veja sobre esta questão:

“A UE não ensinou o Reino Unido a fazer comércio, muito pelo contrário. E se o país souber fortalecer seu capital cultural, tende a reverter efeitos negativos imediatos da economia com muito mais consistência em longo prazo, como aconteceu com todas as nações que historicamente colocaram a conquista da inteligência e da liberdade à frente da ambição financeira.”


Este país sobreviveu aos caprichos de dois tiranos contra a submissão imperialista (Napoleão com o “Bloqueio continental” e Hitler com as tentativas de ocupação da ilha). Este arquipélago europeu, de território tão pequeno, conseguiu colonizar ¼ da terra, impôs seu idioma ao mundo, pressionou a abolição da escravatura no ocidente e ainda derrotou a gigante Argentina na Guerra das Malvinas (1982). O que temer daqui para frente?

O youtuber Professor Maro detalha melhor a situação no Reino Unido com bases históricas. A curto prazo virá as dores, mas depois da tempestade, a bonança. Muito melhor do que qualquer analista da GloboNews:





Quem reclama mesmo são aqueles que, por exemplo, vão perder negócios, como o ministro das Relações Exteriores Charles Montgomery Burns José Serra em entrevista a Rádio Bandeirantes, mochileiros que serão obrigados a estar com seu passaporte em dia e globalistas que queriam ter a nação uma província de Bruxelas.



3 – A Escócia vai se separar e a Irlanda do Norte se unificará com a República da Irlanda: pessoalmente, não creio muito nisso porque levo em conta a história destas duas nações formadoras do Reino Unido. A IRLANDA DO NORTE é o resultado da resistência protestante da região de Belfast frente ao lado católico e independentista de Dublin. Os tratados anglo-irlandês de 1921 e o de Belfast em 1998 apaziguaram as questões entre os povos das duas ilhas britânicas.

Sobre a ESCÓCIA, me baseio no resultado do referendo da independência de 2014 onde o Better Together (Melhor Juntos) venceu Yes Scotland (Sim a Escócia) em 55,30 % contra 44,70%. No mapa do referendo de 2014 mostra que os simpáticos à independência escocesa se concentravam nas regiões metropolitanas, enquanto o restante do país optou pela manutenção da união. Veja o mapa a seguir:

Mapa do referendo escocês em 2014 onde venceu a manutenção da união com o governo de Londres | Wikipédia em português


P.S.: confira os dados da votação de 2014 no link da Wikipédia em língua inglesa onde faço a ressalva em minha opinião, pois a votação em cada região foi equilibrada. (aqui)


Afinal de contas, a decisão dos leões do mar inspiram outros países do bloco para se retirar da União Europeia como França, Holanda Países Baixos, Áustria e Dinamarca. Com a provável ausência de nações importantes, será que seria bom para a escoceses e norte-irlandeses ficar sob a tutela de Bruxelas desse jeito?


4 – Recolheram-se assinaturas para um novo referendo: qualquer um que saiba ler e escrever pode assinar uma petição na rua ou na internet – esta última sob identidades falsas. Quem garante para mim a autenticidade desse abaixo-assinado?


Desinformação e uso do preconceito da imprensa para defender o lado pró-europeu

A imprensa não informa o que ocorre no paí sobre o referendo e seus desdobramentos. Vamos pegar um caso específico para explanar o que acontece a quem se informa pela imprensa tradicional.

No último sábado (25 de junho de 2016) no Jornal Nacional da Rede Globo ficou patente que se pode usar da desinformação e preconceito para defender o lado pró-europeu, invalidando o referendo e suas razões. A jornalista Cecília Malan atribui o fato de a maioria votante ser mais velha e branca – portanto fica na inconsciência do telespectador médio que os racistas e velhos retrógrados decidiram os rumos da nação. Do vídeo de sua matéria (abaixo), retiro suas principais falas (com grifos):





“Os jovens britânicos queriam ficar, afinal o futuro é deles e a Europa é um mundo de oportunidades.”

“Há 30 quilômetros de distância (Hackney, bairro de Londres) outro bairro: Harlow Town, aqui os moradores são majotariamente ingleses brancos. Todos os funcionários desse café são estrangeiros, já alguns clientes votaram pra abandonar o bloco europeu justamente por conta da imigração.”


As imagens que ilustram o vídeo a respeito de Harlow Town “traduz” a fala da repórter. A mensagem é clara: foram um bando de anciãos preconceituosos que querem enxotar os estrangeiros do Reino Unido. Antes, ao mostrar Hackney vê-se jovens e um ar cosmopolita junto com uma jovem “ter vergonha” do seu país.

Para refutar esta falsa impressão sobre o que queriam dizer sobre os estrangeiros, relembro a série de três textos que escrevi sobre a ameaça islâmica ao Ocidente no mês de fevereiro deste ano (PARTE 1, PARTE 2 e PARTE 3). Para quem está com preguiça de ler três longos textos quer ver a realidade das coisas, mostro estes três vídeos de que o islã não se adaptou aos costumes britânicos, e sim o contrário. Há guetos e bairros onde a lei islâmica – a Sharia – se consolida por conta da brecha em uma legislação britânica de 1996. Confira:










O terceiro vídeo demonstra um dos motivos de o porquê da maioria dos britânicos votaram pela Brexit: os próprios nativos não se sentem mais pertencentes ao seu país. O islã não reconhece fronteiras e muito menos a “diversidade”. Um grupo de cristãos que foram xingados – e uma mulher chamada de p*** – reunidos e dizendo umas verdades inconvenientes sobre o profeta Maomé, quase foi linchado e teve que ser escoltado pela polícia. Veja:






Retornando a matéria de Cecília Malan, ela dá razão e autoridade aos jovens sobre suas razões a votarem pelo Remain. Nos três textos que escrevi, deixei claro que “um mundo de oportunidades” que está na parte continental da Europa, é o de ficar calado, se submeter às leis islâmicas e de torcer para não morrer se descobrirem que você é gay, por exemplo.

O jovem por si só não é - e nem deve ser considerado - um ser capaz de saber sobre todas as coisas do mundo. Os jovens vão envelhecer e reterão as coisas que fazer e não fazer. Para a jovem e bonita jornalista Cecília, deixo as falas de seu jovem colega de profissão Felipe Moura Brasil no seu mesmo texto “lincado” anteriormente (com grifos):

“A geração que lutou contra Hitler deixou para as gerações seguintes uma pergunta incontornável a ser feita diante da opção de entregar a soberania a qualquer corpo político transnacional composto por burocratas não eleitos:

– Valeu a pena lutar para depois simplesmente se render?”.


Oscar Wilde falou: “a experiência é o nome que damos aos nossos erros”. Não foi por acaso que o jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues recomendou aos jovens que “envelheçam depressa”. Usar do preconceito aos mais velhos é tão horrível quanto inválido ao justificar o voto pelo Brexit. Levar milhões de telespectadores a esse erro é um crime contra o direito a informação e não apenas se ater a veracidade dos fatos. 

Então, para não dizer que apenas critico, e como um senhor mais velho que Cecília Malan aconselho: MENINA, POR FAVOR, APRENDA COM SEUS ERROS E “ENVELHEÇA” DEPRESSA!

E essa frase se aplica a qualquer jornalista que recuse levar a real notícia, OK PAL?! Por falar em pessoas mais velhas, deixo este vídeo de Olavo de Carvalho sobre a uniformidade da mídia e por que certos veículos de comunicação falam a mesma coisa. Aprecie:





Para encerrar: o que está em jogo no Reino Unido é muito mais que dinheiro, acordos comerciais e meras formalidades aduaneiras. A liberdade e a preservação da identidade nacional estão em xeque. A integração das nações são importantes, sim, para o fortalecimento regional, mas quando blocos políticos e econômicos supranacionais são mais soberanos do que uma nação, é melhor voltar à estaca zero. Assim diz o primeiro-ministro da Hungria Viktor Orbán – chamado interminavelmente pela imprensa de “xenófobo da extrema-direita” ao falar verdades inconvenientes da União Europeia:





O Reino Unido tem suas potencialidades culturais, políticas e econômicas o suficiente para não temer o futuro. A nação terá sabedoria em fazer acordos com a União Europeia para evitar armadilhas e arapucas. O preço da liberdade é mais alto que meros economicismos.

Ufa! Agora eu vou curtir os jogos da Eurocopa em paz. Até mais, pessoal e “God save the Queen!”. J-J

P.S.: Quer mais informações que a GloboNews nunca vai te revelar? Leia este texto esclarecedor do site Senso Incomum aqui. E Mais: político britânico diz umas verdades ao “Manda-Chuva” da União Europeia:





Por: Pedro Blanche

7 comentários :

  1. Olha agora vi a realidade! O que é passado pela mídia e uma mera ponta de iceberg no qual em cima da água só querem que apareça o lado contra a saída do Reino Unido da União Europeia. Gostei bastante de saber da real história.
    Muito bom e vamos ver como vai o andar da carruagem...
    Beijos
    neversaynever-believe.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me sinto recompensado quando consigo passar a mensagem. Letícia, por obséquio, compartilhe em nome do equilíbrio da informação. Beijos "procê" também. | PEDRO BLANCHE

      Excluir
  2. caralho,blog muito bom.
    Continue assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Victor, valeu. Espalhe este texto e não deixe esta informação morrer. | PEDRO BLANCHE

      Excluir
  3. Oiii
    Uau...muito top sua matéria!
    Bjos

    http://diariodalulu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii Luciana. Valeu demais! Beijos para ti também. | PEDRO BLANCHE

      Excluir
  4. There is SHOCKING news in the sports betting world.

    It has been said that any bettor needs to see this,

    Watch this now or quit placing bets on sports...

    Sports Cash System - Advanced Sports Betting Software.

    ResponderExcluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design