quarta-feira, 1 de junho de 2016

O snack nosso de cada dia

Minha refeição durante os tempos de universidade | Imagens de internet

Caros leitores do Jovem Jornalista: hoje não falarei sobre televisão, mas gostaria de compartilhar uma parcela da jornada de minha vida. Nos meus tempos de universidade a correria era rotina, uma regra e uma obrigação. Não apenas estudava e cumpria as tarefas, em outro turno do dia tinha que cumprir a chamada “contrapartida”. 

A contrapartida era uma espécie de estágio não-remunerável que cumpria semanalmente em um órgão público do Governo do Distrito Federal (GDF), como condição que me permitia estudar gratuitamente na instituição de ensino superior.

Naqueles tempos era praticamente impossível fazer uma refeição com calma e mais: era praticamente impossível ter uma refeição com tudo que tem direito. Passar fome não passava, mas entre a saída do curso até chegar ao local da contrapartida comia um snack.


Geralmente estes eram os salgadinhos que comprava na correria do dia-a-dia | Imagens de internet


Snack é aquele salgadinho do tipo tira-gosto, comumente consumido nos bares e estádios de futebol. Eu comia mais os salgadinhos das marcas Amendupã e Torcida. Estes snacks eram meu café da manhã, almoço e jantar. Como custavam na época entre R$ 0,50 e R$ 1,00 comprava de diversos sabores. Hoje, vi que estes produtos, pelo menos aqui em Brasília, custam de R$ 1,50 até R$ 2,00. Escolhia sempre os sabores pizza, churrasco, queijo e calabresa para que ao menos “me enganasse” o estômago.


Nem tudo são salgados

De vez em quando sobrava dinheiro na carteira e eu aumentava o leque de alimentos, como os até hoje deliciosos crepes de calabresa com queijo cheddar e duas (DUAS MESMO!) pizzas médias de supermercados que comprava na cidade satélite do Gama. Geralmente, estes bônus alimentícios ocorriam aos sábados lá no final da tarde depois de ficar após as aulas na universidade.

Quando consegui conciliar meus estudos, a contrapartida e um estágio remunerado, tive condições melhores para almoçar de fato e com mais calma, até porque a grade curricular era aberta. Mas quando o tempo apertava lá ia eu comprar um salgadinho.

Não digo que “sofri” ou algo parecido, porque seria ridículo além de ter vergonha na cara se levar em conta a trajetória de meus ancestrais, mas fiz questão de compartilhar estes momentos porque a comida – do jeito que ela é – faz parte das nossas lembranças. Ao entrar no ônibus, quando aparecia um vendedor ambulante, ou antes de entrar num coletivo para me deslocar do curso para a contrapartida . J-J


Nota: excepcionalmente hoje (01/06) não haverá texto do Pedro Blanche. Este retornará as suas atividades no JJ no dia 04/06, onde encerrará sua série de artigos Entendendo a bagunça.


Por: Layon Yonaller, especialmente para o Jovem Jornalista

14 comentários :

  1. Meu Deus,este post me fez lembrar os meus tempos de faculdades,por sorte eu ainda conseguia comer de modo correto,entretanto,tudo era divido com as amigas(em especial refrigerante) pois o dinheiro era curto.

    www.paginasempreto.blogspot.com.br

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LAYON RESPONDE - Bons tempos, Rafa. Obrigado por compartilhar a sua história.

      Excluir
  2. Nossa eu também comprava muito os snacs, e na época tinha aquele io-io cream mas só o chocolate em um potinho.. ai a gente enfiava o dedo no potinho e comia o chocolate hahaha, custava 50 centavos.
    kisses

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LAYON RESPONDE - Sabe, por todo esse tempo nem pude apreciar outros petiscos por conta da grana, além do fato de não ter ninguém para dividir o lanche. Fui muito sozinho.

      Excluir
  3. Te entendo Layon. No meu tempo de escola também era assim, Amendupã era ouro rs. Agora vou começar a faculdade, espero não seguir seus passos rs.

    rasgadojeans.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LAYON RESPONDE - Samara, caso você "siga meus passos" você vai perder muito, mas muito peso. Aprecie com moderação e foque nos estudos.

      Excluir
  4. hahahahaha AMEI O POST!
    e vou te dizer ate hoje como esses salgadinhos! pra mim os mais rebinhas são os melhores,aqui onde eu trabalho nós reunimos o didim e compramos para o mês, todo assim como a erva de chimarrao!kkkkkkkk
    mais vou te dizer tempo de escola eu e minhas amigas compravamos as pipocas doce e fazíamos guerra quando não aguentava mais comer!!!!!
    brigada por me fazer lembrar desses bons tempos!
    bjinhos

    http://pamipatel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LAYON RESPONDE - Que bom despertar nostalgia em ti, Pami Patel. Beijinhos para você também.

      Excluir
  5. kkkk, essas porcarias que eram e são tão boas.. Certo que no tempo de escola se comia muito. E também sorvete seco (você pegou essa época?) :)

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LAYON RESPONDE - Monique, não sei o que é "sorvete seco". Vou procurar saber. Até mais e obrigado pela audiência.

      Excluir
  6. Não conheço nenhum desses mas nossa =/ não são da minha época

    www.descrevendonuvens.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LAYON RESPONDE - Como assim não é da sua época? É sim! É só ir numa lojinha de doces ou numa atacadista e você encontra um snack. Custa por volta de R$ 1,50 mais ou menos.

      Excluir
  7. Sabores e cheiros tem o poder de nos transportar para épocas marcantes da vida.

    Lua xx
    Meu Mundo da Lua

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LAYON RESPONDE - Verdade. Uma coisa que reconheço neste texto é a força da nostalgia nos leitores. Obrigado pela audiência e um abraço.

      Excluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design