quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Pesquisa fajuta que serve para engenharia social

A casa caiu, Datafolha! | Walt Disney


Caros leitores, mostrei em texto anterior que o povo da esquerda é capaz até de jogar os filhos como escudo para enfrentar a polícia e que esta gente é desprovida de qualquer moral. E agora, aparece uma pesquisa fajuta do Datafolha a mando de organismo ligado a organizações internacionais dizendo que a população brasileira endossa e aprova estupro.

O que é uma pura mentira! Quem acredita que o povão aprova curras e violações sexuais é um burro – ou na pior das hipóteses um cretino. Deixo claro uma coisa: os dados são meros detalhes, o foco principal é forçar – por leis e resoluções – uma mudança de mentalidade e comportamento do brasileiro.

A Folha de S. Paulo publicou em 21 de setembro a seguinte manchete: “Um terço dos brasileiros culpa mulheres por estupros sofridos”. A primeira vista, uma pessoa desavisada fala algo do tipo: “Nossa, como o brasileiro é retrógrado!” Mas, quando destrinchamos a pesquisa ponto a ponto (e número por número) a farsa é descoberta.


Em detalhes, porque são muitas emoções!

Ao olhar o fatídico relatório com alta carga militante, vê-se muitas discrepâncias. No blog Senso Incomum apontou-se o óbvio: dados como estes servem de proselitismo das feministas e seus patrocinadores:

“Sem notar que sua própria pesquisinha foi encomendada e cuidadosamente escandida para se alinhar à roupagem do feminismo. O Datafolha deixa entrever, em seu recorte, que está abusando da linguagem do povo menos instruído para concluir que é um perigo mortal para uma mulher ver um homem por perto, pois um terço deles (inclusive 30% das mulheres, ora pois!) “culpa a vítima pela violência sexual sofrida”, como conclui forçando a amizade a Folha.”


Já o jornalista Felipe Moura Brasil, foi bem direto ao assunto em seu excelente e detalhado artigo que desmonta a narrativa do Datafolha e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Destaco seus seguintes trechos (grifos meus):

“Se o Datafolha/Fórum estivesse mesmo interessado em captar o pensamento dos brasileiros, teria formulado questões claras, com as devidas distinções; mas, com efeito, e para usar a mesma terminologia, estaria se expondo assim a um risco maior de ter sua conclusão prévia contraditada pela amostra colhida, de modo que preferiu a treva confusa mesmo.”

O Datafolha/Fórum definiu que diabos é “dar-se ao respeito”? Não! [...] A concordância de 37% dos entrevistados com a frase poderia no máximo ser considerada um erro técnico, já que mulheres que “se dão ao respeito”, em qualquer das interpretações imagináveis, também correm algum risco (mesmo que eventualmente menor) de serem estupradas; mas os entrevistados em geral não são especialistas no assunto para assegurarem que isto de fato acontece, assim como o Datafolha não é especialista em leitura de mentes para cravar o que eles imaginaram a partir de uma expressão tão vaga.”


A conclusão máxima é imbatível: a formulação das perguntas aos 3625 entrevistados no mês passado foi feita de forma ambígua com enunciados de múltiplas interpretações. Desse jeito fica fácil dizer que o brasileiro é um ser retrógrado que aplaude de pé atos de estupro. Mas é tudo mentira! 


As fontes do relatório


O desenho explica tudo. | Desenhista que Pensa/ Facebook


Ao ler o famigerado relatório do Datafolha/FBSP, é nítido o teor ideológico para se criar uma narrativa, citada no último parágrafo, com bases em institutos e pessoas claramente feministas. Gostaria que vocês percebessem a narrativa e os verbetes usados pelo simples motivo de que as palavras são armas perigosas nas mãos erradas. Veja (grifos meus):

“O machismo no Brasil se configura através do conjunto de condutas construídas e reforçadas culturalmente sobre masculinidade, que glorifica os atributos ligados ao universo masculino e perpetua a desigualdade entre homens e mulheres. Essa desigualdade se fundamenta em uma ideologia que propõe ser bom e até natural que os homens controlem o mercado, o governo, e a atividade pública, e que as mulheres sejam subordinadas a eles. O masculino é associado ao poder, à virilidade e à agressividade. Apesar do modelo hegemônico de masculinidade construído já ter sofrido muitas críticas, ainda prepondera a associação entre masculinidade viril, competição e violência.”


Vamos por partes: o que é machismo (não o “o que é machismo para você?”) como termo técnico? Se pegar os dicionários eletrônicos e os impressos atuais verá que se trata de uma “ideologia que impede a mulher de ter igualdade ao homem e também corrente de pensamento com teor agressivo e devastador”. Mas não é nada disso! Confira:


Machismo é isto e ponto final. | Metendo a Real/ Facebook


O verbete “machismo” foi deturpado no mínimo há 50 anos com o objetivo de ligar o homem e seu jeito de ser como “algo agressivo e perigoso”. A tal da “masculinidade viril [pleonasmo], competição e violência” é uma das “provas” que ser homem é ser mau e letal a sociedade. Chamo atenção a essa mentira porque é com base nestas pesquisas fajutas de Datafolha e companhia bela que SERÃO FEITAS AS LEIS PARA DISCRIMINAR O HOMEM POR SER HOMEM.

A questão da “violência” deve ser lida e interpretada com cuidado. Boxeadores e lutadores de MMA usam da violência, mas nem por isso são criminosos; um policial que repreende vândalos com uso da violência não o faz um ser perigoso. Ao lutar com um invasor de sua casa utilizando da violência não te faz um marginal. Entendeu?!

A questão da “masculinidade e da competição” é algo intimamente ligado ao homem. Não é nada desta besteira de “construção social” como já escrevi em julho de 2015. Aliás, os homens nascem com predisposição biológica a efetuar atividades objetivas, racionais e que envolvem ascensão pessoal. Eles competem para provar seu valor, principalmente perante as mulheres. Até hoje nunca se viu um ser do sexo feminino dar atenção a homens fracos e sem visão de crescimento. Afinal, um ambiente competitivo entusiasma o homem a ser melhor do que os outros.

Foi este impulso masculino que gerou os confortos desta sociedade moderna como a eletricidade, residências, comunicações e avanço da saúde, por exemplo. O homem é um ser que quer melhorar seu meio e é determinado a avançar. Quem se beneficiou da sociedade patriarcal foi principalmente as mulheres porque o mundo ficou confortável. Já as sociedades matriarcais ainda são isoladas, mal-estruturadas e sua população a mercê de perigos naturais como animais selvagens, por exemplo.


Patrocinadores e parceiros

Os apoiadores deste embuste são organismos globalistas intimamente envolvidos com movimentos internacionais (A lista completa está aqui). Destaco o Open Society, do megainvestidor George Soros – que forma as opiniões que aparecem nos veículos de comunicação do mundo inteiro, entre os membros desta organização aparece a Folha de S. Paulo! Que coincidência! A mesma Folha que é parceira do FBSP.

Há também o Instituto Sou da Paz, que defende que o cidadão de bem fique desarmado enquanto a bandidagem fica fortemente armada. E olha mais uma “coincidência”: o atual Presidente do Banco Central do Brasil, Ilan Goldfajn – nomeado pelo presidente Michel Temer – é o conselheiro fiscal da entidade. E para completar estes “círculos de amizade”, o Instituto Sou da Paz tem como parceiros o mesmo Open Society e a PNUD (ONU) que dão suporte ao órgão que criou a “pesquisa”.

Cito estas entidades pelo motivo delas quererem uma alta intervenção na vida das pessoas. Por exemplo, se você ouve estas coisas de ‘empoderamento’ [sic] feminino, desarmamento, aquecimento global, crescimento de tensões raciais e afins, saiba que tudo isso vem destas fontes, inclusive esta farsa acerca da “pesquisa” do estupro.


Exemplo: pesquisas falsas MOLDAM comportamento

Quando aparecem coisas como “pesquisas dizem que...” acerca do comportamento geral de uma sociedade como esta do Datafolha/FBSP, seu efeito é imediato no âmbito legislativo e jurídico. Mais impacto terá se tiver aliados ideológicos dentro dos cenários citados. Veja o exemplo usado no texto de Thiago Nascimento neste mesmo blog onde se tem como “provas” de que mulheres ganham menos que os homens com direito a vídeo e tudo, confira:

“Há também, a questão da desigualdade salarial entre gêneros. Em algumas empresas, os homens recebem 30% a mais que as mulheres pelo mesmo trabalho. Não fez melhor, não fez diferente. Fez a mesma coisa e tiveram “recompensas” desiguais. Isso é justo? Acho que não.”


O que põe este texto em xeque é ignorar os fatores de diferença salarial. Veja neste link para ter mais detalhes ou neste vídeo de forma mais “mastigada” para os preguiçosos de plantão. Em meu texto escrito em julho de 2015, mostro um documentário que derruba a “tese” de que homens e mulheres são “iguais”. Cito este episódio de caso pensado pelo motivo de que relatórios de alto teor ideológico fazem pressão política e criam leis esdrúxulas e interventoras sobre o falso pretexto de “igualdade” e justiça para com as mulheres.

As inúmeras acusações de estupro não tem como finalidade proteger a mulher, mas reforçar falsos relatórios como o do Datafolha/FBSP na ideia de que o homem é um “ser agressivo e violento por natureza” e que “precisa criar uma nova mentalidade”. Neste link, por exemplo, se alerta os variados motivos de se fazer uma falsa acusação de estupro (grifos meus):

Por vezes, as feministas inventam histórias de violação como forma de "alertar" as outras mulheres do perigo do abuso sexual. [...] Um estudo revela que 41% do total de casos dispostos casos de violação foram oficialmente declarados falsos durante um período de 9 anos - isto é, após admissão da acusadora que nenhuma violação havia ocorrido e que a acusação era, portanto, falsa. Os números variavam de ano para ano - desde 27% num ano para 70% noutro. Alegações de violação e abuso sexual normalmente são exageradas, chegando-se ao ponto de dizer que uma em cada quatro mulheres universitárias serão vítimas de violação ou tentativa de violação.[...]”

“Ao alegarem que são vítimas, as mulheres colocam os homens a lutar uns contra os outros. Os homens que adquirem o seu poder vitimizando outro homens, usam a desculpa de "proteger as mulheres de violação" como forma de atacar outros homens. Por outras palavras, as mulheres que alegam serem vítimas de violação, e dependerem do poder estrutural para as "proteger", são vítimas do jogo sexista mais antigo que existe.”


Isso faz recordar de um caso no réveillon 2015/2016 lá em Brasília, Distrito Federal, onde uma jovem com claro viés feminista – Veluma Lara – acusou um segurança de estupro. O jornal Correio Braziliense foi o maior colaborador desta farsa – devido sua relevância como mídia no Centro-Oeste e do Brasil, além de ser membro do grupo de comunicação Diários Associados – por meio de uma entrevista com a falsa vítima que fizera um textão em seu perfil (o link é este, mas foi apagado). Depois a Polícia Civil do DF concluiu que não houve estupro.

O jornal mais importante da capital dedicou duas capas em 04 e 05 de janeiro (aqui e aqui) sobre o assunto baseado no textão de internet de Veluma, além dos “especialistas” ouvidos pelo veículo de mídia distrital. A pessoa acusada de estupro caiu em desgraça. Confira:


O jornal Correio Braziliense dedicou duas capas a respeito do falso estupro. | Correio Braziliense


Falsas denúncias e falsos relatórios: a fábula de Pedro e o lobo

Esta onda de falsas denúncias de estupros respaldadas de falsas pesquisas terão consequências futuramente. Lembro-me da fábula de Pedro e o lobo (não eu Pedro Blanche, mas o menino da estória!), onde tinha um garoto que falava que vinha um lobo para ameaçar as ovelhas. Quem acreditou foi para ajudar a proteger os animais, mas tudo não passou de traquinagem do garoto que morreu de rir por ter enganado quem ouvira. Pedro repetiu o grito de lobo e voltou a enganar as pessoas que correram para socorrer as ovelhas. Da terceira vez, Pedro viu um lobo de verdade e gritou que o animal estava lá, mas não acreditaram nele. As ovelhas morreram por conta das mentiras do garoto e das duas experiências desgostosas das pessoas que queriam ajudar os animais.

Falo desta fábula porque alerto uma coisa: FALSAS DENÚNCIAS E PESQUISAS DE ESTUPRO SERÃO PREJUDICIAIS ÀS MULHERES. Por quê? Porque num país onde se tem muito inocente incriminado por algo que não fez se gerará uma automática falta de credibilidade ao depoimento de uma verdadeira vítima de estupro. Se pensam que se aliando com as feministas para engrossar falsos relatórios e depoimentos vão ajudar a reprimir o crime hediondo estão enganados.

Da próxima vez que vocês verem e/ou ouvirem uma destas pesquisas sobre “estupro” tenham cuidado! Vá à fonte oficial, consulte pessoas da área de estatística, confronte variáveis. Enfim, deixem o “desconfiômetro” no máximo. Faça isso antes de sair por aí compartilhando qualquer coisa.

Até mais, pessoal! J-J

Texto originalmente publicado em 12 de outubro de 2016.














Por: Pedro Blanche

8 comentários :

  1. Eu concordo, algumas coisas só fazem mal para as mulheres, até homens e para o que o povo de fora enxerga de nosso país também..

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu por comentar, Monique. Abraços! | PEDRO BLANCHE

      Excluir
  2. É por isso que eu sempre digo: não confio em pesquisas! Mesmo dos grandes jornais e emissoras, sempre acho que eles estão puxando sardinha para interesses próprios. Achei muito válido seu texto e gostei bastante das suas observações. Aliás, você está escrevendo cada vez melhor, parabéns! :)
    Beijos,
    #fiquerosa

    Fique Rosa | Meu Canal YT

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, moça. Muito obrigado por esse feedback. | PEDRO BLANCHE

      Excluir
  3. Senhor JJ, tudo em excesso faz mal segundo diz um provérbio. As carências de feminilidades e de masculinidades e seus excessos são hipofeminilidades e hiperfeminilidades e hipomasculinidades e hipermasculinidades. Exemplos: mulheres hipofemininas ou hiperfemininas e homens hipomasculinos ou hipermasculinos. Feminismos são ideologias malignas que pregam as supremacias femininas e machismos as que pregam as masculinas. Eles são extremos opostos os quais devemos combater, assim como qualquer outro extremo. Nos dicionários existem as palavras "AGINIA" (falta de feminilidade) e "ANANDRIA" (falta de masculinidade). Ou seja, uma mulher poder ser uma ágina (agínica) e um homem pode ser um anandro (anândrico). Agradeço-lhe de todo o meu coração! Desejo-lhe um Próspero Início de HBV de 2016 para Dois Mil e Dezessete! Obrigado!

    ResponderExcluir
  4. Abusos afetossexuais (assédios, estupros, importunações e outros), consoante o CPB de 1940 diz, são atos afetivos, namoratórios, românticos ou sexuais constrangidos ou forçados. Tanto andros quanto ginas os podem cometer. Caso os constatemos, devemo-los denunciar às Justiças para que eles recebam suas rijas punições.

    ResponderExcluir
  5. De fato devemos ter cuidado em acreditar em certos veículos de comunicação.

    www.paginasempreto.blogspot.com.br

    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design