quarta-feira, 17 de agosto de 2016

As cerimônias de abertura: Pan de 2007 foi melhor que Olimpíada de 2016

Cerimônia de abertura do Pan de 2007 foi mais digna que Olimpíada de 2016 | TV Globo/ OTI


Caros leitores, é lógico que a última cerimônia de abertura foi bonitinha e encantou os olhos de muita gente, mas esta não me enganou porque vi muita coisa ruim. A festa foi mais uma peça de propaganda ideológica do que um espetáculo em que o país anfitrião mostra o melhor de sua nação perante a comunidade internacional. Ao assistir aquelas quatro horas de celebrações me lembrei rapidamente da cerimônia de abertura dos Jogos Pan-Americanos de 2007 na mesma cidade do Rio de Janeiro - festa na qual foi muito mais brasileiríssima do que a ridícula de 2016. Com a desculpa de "economia de recursos" e "consciência ambiental", o que se passou no Maracanã foi pequeno demais do que aconteceu nove anos antes.

Em uma parte da cerimônia de 2016, onde se retratou os povos que originaram o Brasil, os italianos, por exemplo, foram esquecidos. Viu-se que a mensagem passada é "ter orgulho" de morar em uma favela do que num local mais digno para os pobres (o culto do pobrismo e do "eu me conformo do que tenho" em vez do "mereço uma vida melhor"). Depois vieram com a história furada do aquecimento global - onde até então se dizia que o Polo Norte derreteria em cinco anos e nada ocorreu - e a tal atenção a "minorias". Enfim, tudo que há nas pradarias da hipocrisia.

Quem não dormiu no ponto em perceber essa e outras bizarrices além de mim, foi o professor Olavo de Carvalho ao desmascarar o diretor Fernando Meirelles ao publicar este tweet em rede social:

"Bolsanaro [sic] vai odiar a cerimônia. Trump também. Pelo menos nisso acertamos. A cerimônia de hoje terá índios, empoderamento dos negros e das mulheres, transgêneros e um alerta contra os riscos do uso de petróleio [sic]".


Em seu texto chamado A apoteose do fingimento histérico, Olavo de Carvalho destrincha essa e outras bobagens do que se viu naquele último dia 05 (com grifos):

"[...] a classe dominante rouba as palavras do povo para condená-lo e intimidá-lo como se ele fosse ela, e ela o povo. Intelectuais, artistas, jornalistas e publicitários pagos generosamente pela elite governante bilionária fazem-se de defensores da população ludibriada para poder continuar a ludibriá-la e a acumular poder e dinheiro sob os pretextos mais sedutores e hipnoticamente populistas que uma mendacidade ilimitadamente inventiva já logrou conceber.[...]"


Olha o grau de cinismo: Fernando Meirelles e seus adjacentes, na condução do show de 2016, se viram como os paladinos da verdade contra os malvados da elite como Bolsonaro e Trump ao "sambar na cara da sociedade" índios, negros, gays e etc. Além disso, o diretor diz que tanto um quanto outro que - nas palavras dele - não gostariam da cerimônia porque as pessoas citadas estariam lá. Num país civilizado, Meirelles seria processado por calúnia e difamação. Só falta avisar isso ao Bolsonaro. Eu é que não vou porque não sou babá de ninguém. Mais adiante escreve o professor Olavo (com grifos):

"Mas quem não sabe que, para montar o espetáculo, o sr. Meirelles recebeu 270 milhões de reais de um bilionário esquema público-privado que jamais deu ou daria um tostão a políticos como Trump e Bolsonaro, aos quais odeia tanto quanto o povão os ama? [...] E quem não sabe que os donos do petróleo são ainda os árabes, os maiores assassinos de gays e mulheres que já existiram no mundo, contra os quais o show do sr. Meirelles não ousaria, nem ousou dizer, uma palavrinha incômoda sequer? Em que mundo, em que fração do universo imaginário o sr. Trump fez algum dano a gays e mulheres, que pelo menos fosse comparável ao que essas criaturas sofrem nas mãos dos muçulmanos sob aplausos frenéticos e incondicionais da esquerda internacional à qual o sr. Meirelles indiscutivelmente pertence e à qual mostrou descarada fidelidade por meio do símbolo comunista do punho esquerdo cerrado? E em que planeta do mundo da fantasia o sr. Bolsonaro, um modesto capitão da reserva que jamais foi visto sequer ao lado de um bilionário, faz parte da elite opressora?"


E a cerimônia de abertura do Pan de 2007?

De cima para baixo: a energia do sol, a energia das águas e a energia do homem. TV Globo/ OTI


Essa sim foi a mais brasileira de todas, sem nada a dever a de 2016. Uma mistura de folclore, música popular e erudita, e muita brasilidade. Foi neste show de nove anos atrás que foi apresentada a candidata a trilha sonora dos Jogos Pan-Americanos, confira (de 1:06:25 a 1:08:24):





Foi apresentada também a música tema do Pan de 2007 chamada Viva essa energia, cantada por Ana Costa e Arnaldo Antunes, que contagiou o público presente. A partir deste mote, a parte artística foi divida em três temas: Energia do sol, Energia das águas e Energia do homem. Entre os temas, se ouviu Villa-Lobos (O trenzinho caipira), Tom Jobim (Chovendo na Roseira) e a interpretação de Wave pela cantora Céu. (Veja de 1:12:48 a 1:14:42)

Destaco que na parte Energia do homem, o público ficou ligado durante a apresentação de Adriana Calcanhoto ao cantar a canção Acalanto. (de 1:24:50 a 1:27:49)


A pira Pan-americana: o sol

Joaquim Cruz acenda a pira pan-americana em forma de sol | TV Globo/ OTI


Se tratando de acendimentos de piras, reconheço (e devo sempre reconhecer) que as escolhas foram dignas tanto em 2007 quanto em 2016. No Pan foi o nosso medalhista olímpico Joaquim Cruz. A curiosidade que levanto é que o astro-rei foi o formato escolhido nos dois eventos. A diferença é que a pira de 2007 era maior e girava, enquanto os raios espelhados de 2016 se movimentavam em torno daquele "caldeirão de bruxa prateado".

Quem encerrava os festejos era Daniela Mercury com um pout-pourri das canções brasileiras como Cidade maravilhosa e Aquarela do Brasil, com efetiva participação popular.


Enfim...

...A cerimônia de abertura de 2007 não teve proselitismo de esquerda, decadências culturais e musicais, e muito menos desrespeito com nossas origens. Os artistas do Pan eram conhecidos e respeitados ao contrário de uns e outros de gosto duvidoso. Não vi com bons olhos a abertura de 2016porque o que seria uma festa linda como vitrine brasileira tornou-se um show digno de DCE de universidade federal repleto das piores criaturas eivadas de lá. O máximo que se salva da cerimônia deste ano foi a lembrança do inventor Santos-Dumont, a interpretação respeitosa de Paulinho da Viola do Hino Nacional Brasileiro e a coragem do presidente interino da república, Michel Temer, em declarar os jogos abertos mesmo sob vaias, ao contrário de Lula que sequer abriu a boca. 

Até mais, pessoal! J-J














Por: Pedro Blanche

6 comentários :

  1. Muito interessante a sua comparação em relação as duas cerimônias.
    Confesso que eu não havia prestado a atenção em certos pontos citados no seu post.

    www.paginasempreto.blogspot.com.br

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Rafa. Beijos "procê" também. | PEDRO BLANCHE

      Excluir
  2. A pergunta certa é será que faltou criatividade para nos dois eventos eles usarem o sol? :P

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Monique, não a fiz porque está na cara que faltou criatividade, apesar de o sol fazer parte da vida do carioca. Abraços! | PEDRO BLANCHE

      Excluir
  3. Achei muito interessante sua comparação, particularmente eu não tinha grandes recordações do pan de 2007.

    meumundodalua.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lua! São comentários como esses que fazem meu dia ficar completo. Muito obrigado e bom dia! | PEDRO BLANCHE

      Excluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design