segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Uma opinião sobre disciplina de filhos

Antes do JJ entrar de férias, pedi aos queridos leitores que mandassem ideias de pautas e temas para discutir no retorno do hiatus. A leitora Jeice Cruz mandou uma sugestão:

Seu desejo é uma ordem!


A notícia que Jeice Cruz se refere, foi veiculada no G1 no dia 03 de janeiro, com o título Homem raspa cabelo da filha de 12 anos e é preso na Serra, ES. Primeiramente, quem sou eu para julgar a forma como pais educam seus filhos. Cada um educa da forma que achar correta. Uns na base do diálogo, outros por meio de correções corporais. Em minha opinião não existe jeito certo de educar. Eu já apanhei para ser corrigido e não tenho trauma disso. 

Contudo, preciso admitir que alguns pais optam por métodos violentos e humilhantes, que não ajudam em nada no desenvolvimento do caráter e personalidade dos seus pequenos. Existe uma diferença imensa entre "corrigir com a vara" e "deixar marcas com a vara". Progenitores não sabem a medida certa da correção e depositam toda sua raiva, rancor e frustração em seus filhos. Eles acham que quanto mais doer, mais serão corrigidos e aprenderão. Mal sabem eles que quando uma criança é disciplinada ela chora mais por conta da correção, do que pela dor. Então por que deixar marcas?

O caso do pai e da filha que pintou o cabelo de papel crepom é bem mais grave. Não foi apenas danos físicos, quando seu pai raspou seu lindo véu encaracolado, mas também psicológicos. O pai queria puní-la, mas somente viu aquele momento. Será que ele parou pra pensar o tempo que levará para o cabelo crescer novamente? Ou então, como sua filha está psicologicamente? Não. Até porque, como diz no ditado: "Quem bate esquece. Quem apanha jamais esquece"


Como você corrigiria esse filho que sujou a parede com mãos com tinta?


De fato, todas as vezes que apanhei jamais me esqueci, mas não guardo mágoa e rancor da minha mãe. Eu lembro dessas correções físicas como benéficas para o meu caráter. A menina, por sua vez, também se lembrará desse episódio, mas só ela sabe as marcas que seu pai deixou em seu psicológico.

Sou a favor da correção, não do vexame ou humilhação. E para mim, essa garota foi humilhada por seu pai. Ele não deveria ter tomado uma atitude tão drástica, sabendo que o cabelo de uma mulher é algo "sagrado". 


Comentário de leitor na notícia do G1.



Se ele queria corrigí-la, que procurasse outra forma para isso. Embora eu tenha algumas reservas quanto à não-gravidade de uma menina pintar o cabelo de papel crepom - até porque dois dias depois se lava e aquilo sai - se ele julgou importante aplicar a disciplina, que ele até batesse, colocasse de castigo ou utilizasse a "pedagogia dos cortes", mas que não fizesse o que fez.  

Emerson, você tem probleminha? Preferia que o pai batesse em sua filha ao invés de cortar o cabelo? Sim, de acordo com o que falei até agora, preferia sim, conquanto que não deixasse marcas graves na garota. Até porque, perder o cabelo irá trazer mais prejuízos a ela que qualquer atitude.


Juízo final: tapa na cara ou corte de cabelo?


Ele poderia optar pela não-violência total também. Deixar ela "de cara pra parede" como meu pai deixava meus irmãos (mas não a mim porque eu era bebê demais), proibir ela de sair pra casa das amigas e deixá-la trancada no setor habitacional.

E por último, a "pedagogia dos cortes". "Ficar sem uma coisa, por causa disso e disso". Bem eficaz e causa efeitos corretivos. O pai poderia dizer: "Você vai ficar sem redes sociais, sem Whatsapp, porque pintou o cabelo de verde com papel crepom". Ela ia sofrer, se escabelar - hoje ninguém vive mais sem redes sociais - mas iria ser corrigida. Ao utilizar essa metodologia, o pai não poderia deixar de explicar os motivos pelos quais a filha iria ficar sem as redes sociais. Isso é muito importante.

Porém, como disse, quem sou eu para julgar como um pai deve corrigir seus filhos? Eu, quando for pai, optarei por outras formas de correção, que não a violência corporal. Tem muitas formas eficazes para disciplinar os meninos e livrá-los do perigo de tornarem-se maus, violentos e caras de pau. 

Contudo, há aqueles que optam por não corrigir seus filhos, o que os deixam sem limites, rebeldes e indisciplinados. E aí também está um grande perigo: um filho que não respeita os pais, que não está debaixo de uma autoridade, sofrerá muito depois. A própria sociedade irá corrigí-lo, e não será de uma forma branda.

Com o rei na barriga. O perigo de não corrigir os filhos. I JW



Juízo final: comentários extremistas e um válido

Esse é o meu ponto de vista sobre o fato, mas a Jeice Cruz também disse que "houveram muitos comentários machistas, mas também muitos feministas" na notícia reportada. Pude constatar isso bem. Leitores que foram a favor do pai; outros da menina. Alguns dos depoimentos foram extremistas, com alto teor de julgamento e falta de compaixão. Já outros, compassivos.

O comentário abaixo me revoltou por ser extremamente machista. Parece que não é um pai que está falando, mas "um machão da esquina". Você pode corrigir sua filha, mas chamá-la de "vagabunda" e expor sua força de macho, não.


Uiii! Que macho!


Já esses, mostram como o pensamento dos homens ainda está retrógrado. Mulher tem que ficar em casa e não pode passear com amigas. Sendo que ela poderia ser uma mãe que desse assistência a sua filha, mas também que vivesse uma vida normal. Mulher não pode fazer nada, mas homem, sim. Até raspar o cabelo da filha.



Lugar de mulher é dentro de casa.




E olha o que você fez com a responsabilidade do pai sobre a filha...



Além dos comentários, que defenderam a menina e seu cabelo, a opinião abaixo chamou-me a atenção, por ver a situação com sensatez e sobriedade. 



 Comentário sensato.



Talvez o meu posicionamento sobre o fato mostrou que sou feminista, mas a questão, ao meu ver, não é estar do lado dos machos alfas ou das mulheres. A notícia não deveria ter gerado guerra de gêneros de forma alguma. Deveria ter gerado reflexão, se a atitude do pai foi correta, ou não. Creio que eu esteja não do lado do feminismo, mas da análise crítica sobre o fato. J-J


Por: Emerson Garcia

16 comentários :

  1. Olá!!
    Confesso que estava doida pra ver como ficou seu blog depois da reforma que você fez, mas cheguei de viagem há uns dias, e ainda estava me programando direitinho pra fazer uma visita!
    Sobre a postagem, confesso que é um assunto muito complicado de se tratar hoje em dia... Só tenho 14 anos então também é muito difícil formar uma opinião sobre o assunto! Infelizmente as pessoas (pais) não pensam nas consequências (tanto pros filhos quando pra eles mesmos)e acabam reagindo de uma forma muito drástica, mesmo que considerem "eficiente".
    Assuntos desse tema e "orgulhos" (orgulho gay, orgulho negro, entre outros) têm causado um grande problema na mídia, mas infelizmente têm sido muito difíceis de contornar.
    O blog está maravilhoso!
    Um beijão!
    vishamiga.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo carinho prestado. A educação de filhos deveria ser mais discutida e analisada. Toda sociedade reflete em como criamos nossas crianças.

      Excluir
  2. Não dá pra concordar com um pai desses. Realmente ele foi muito cruel. Eu preferiria levar uma surra. A correção deve vir sempre com equilíbrio.
    http://www.cristadelicada.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E coloca cruel nisso. Colocar limites é diferente de impor limites.

      Excluir
  3. Acredito que tudo deve ser tratado com amor, principalmente a família. Coisas como essas não são exemplos de boa atitude, mas de descontrole.

    rasgadojeans.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O amor educa, corrige, ensina. Através de uma palmada, acredito que se demonstre esse sentimento nobre. Mas tudo tratado com limites, claro.

      Excluir
  4. É bem complicado tudo isso...

    www.ataquedamodaa.com

    ResponderExcluir
  5. Um assunto bem polêmico para se discutir. Ainda não tenho filhos para poder opinar, mas hoje em dia é um desafio com certeza.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    Olha, sei que cada pai tem seu método de educar o filho, mas discordo quando você fala que tudo e válido e não é da nossa conta. Na verdade existem coisas que não são válidas, até por desrespeitar os direitos humanos e merecem sim interferência da sociedade. Se não fosse uma coisa tão grave nem notícia teria virado. Foi um ato de violência, isso sim.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não disse que qualquer tipo de educação é válida. Disse que existem vários tipos de correções, e a gente não pode, de certa forma, dizer que os pais estão corretos ou não. Até porque, cada pai foi instruído de uma forma. Por outro lado, podemos criticar tais atitudes.

      Excluir
  7. Essa questão é muito séria, mas meu deus! Pra que tanto? Papel crepom sai. Assim como você disse. Mas enfim, eu optaria por uma disciplina com mais dialaogos, pois eu apanhei quando criança e acredito que uma outra abordagem seria bem melhor.

    Abraços,

    Blog Decidindo-se \o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre podemos criar nossos filhos de outra forma, diferente da que fomos criados. Queremos só o melhor para eles.

      Excluir
  8. Gostei imensamente de saber a sua opinião sobre esta reportagem.Eu também era corrigida com chingos e tapas que formaram meu caráter e em momento algum minha mãe me fazia passar por humilhações e o resultado foi que eu e minha irmã crescemos disciplinadas e sem causar problemas nenhum,e meu pai jamais encostou um dedo em nós porque tinha certeza que a mulher que nos educava sabia da melhor forma para fazê-lo,então ao meu ver foi um exagero sim o que esse pai fez com sua filha,principalmente por ser algo que mexe muito com a auto estima de uma mulher.Uma vez meu cabelo caiu por eu abusar de produtos químicos e eu levei anos para me recuperar psicologicamente e eu cheguei a entrar em depressão,então imagino o quanto essa menina deve estar sofrendo agora.Só Deus para confortá-la!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu depoimento foi válido. Sempre temos a opção de criar nossos filhos da melhor forma. Educação é uma arte!

      Excluir
  9. Oi Emerson...
    Essa questão de machismo e feminismo nesse caso é bem complicado, mas sobre o fato em si, achei sim bem exagerado e a reação do pai com o cabelo da menina, na minha opinião poderá piorar as coisas, se ela já tinha uma tendência a querer fazer coisas diferentes ou apenas mostrar uma "rebeldia", depois de ter o cabelo todo raspado, aí sim que a situação vai descer ladeira... pai foi meio burro...não soube lidar com a situação...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. Foi um ato de correção desmedido. Só Deus sabe se essa menina foi corrigida ou se provocou a rebeldia nela.

      Excluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design