sexta-feira, 3 de agosto de 2012

A árvore da vida

Pense na sua vida como se fosse uma árvore. Isso, ela tem galhos, certo? Os galhos são a parte de fora, mas também tem as raízes. A árvore da minha vida e da sua vida, tem várias ramificações, umas mais profundas, outras nem tanto... Agora pense que cada membro da sua família é um galho ou um ramo.

É assim que penso a árvore da vida ou árvore genealógica.

Aqui no blog sempre falei pra vocês de ligações maternas. Do dia das mães, do dia da mulher, entre outros.

Agora, já que estamos no mês de agosto, mês dos pais. Quero falar dos pais, com vocês, inculcando um filme que vi há uns dois meses e meio e me fez pensar muito.

E porque é fácil falar de mãe e tão difícil falar de pai? Eu, por exemplo, tenho começado a entender isso, depois da leitura de Quem é seu pai, agora e da leitura de Os segredos do coração do homem.



É muito mais fácil de falar de mãe. Sempre tivemos uma ligação muito forte com ela. Ficamos alguns meses em sua barriga, para lembrar que o bebê e a mãe são um só e possuem intimidade. Intimidade esta que se dá, quando os bebês de partos-normais saem das vaginas de suas mães, um espaço íntimo e materno. E o bebê sai, vai se desenvolvendo mas sempre mantém essa relação com a mãe. Da vagina, passa para o peito, e daí por diante.

Ai chega a vez do pai... Bem secundariamente. Para quem é menino, começa a perceber que é diferente da mãe, e procura no pai essa imagem. Que se parece mais com ele e tal. 

De certa forma, a intimidade com o pai se dá de forma mais tardia, e algumas vezes a intimidade com o pai é fugaz, passageira, e outras vezes, nem existe.




O filme A árvore da vida me fez refletir como o papel do pai é importante na vida de um filho, como esses papeis podem ser distorcidos, como se dá a ausência, e o mais importante, como se pode reconstruir uma convivência.

O que mais me encanta no filme é que sempre temos uma segunda chance de reparar os nossos erros, de fazer diferente. Como li em uma crítica do site Omelete que "o filme tenta retratar o pecado, não como morte, e sim como redenção". E eu creio que é aí que se encontra o ponto nefrálgico.




Mais do que diálogos, o filme retrata imagens, cenas comovontes, ora dramáticas, de poucas falas, e que nos deixa no mínimo inquietos - como a meia hora de cenas, imagens em movimento, e nada de palavras... [nessa hora, minha mãe que estava vendo comigo foi dormir rsrsrs].

A fotografia do filme merece aplausos, assim como o roteiro, entre outros. Na sequência de imagens, ao contrário da minha mãe, fiquei maravilhado.




A forma como é construída a história também merece ser ressaltada. Chega em uma parte do filme que há uma fundição do passado, presente e futuro, belíssima, que mais uma vez, nos deixa inquietos.




Eu não tive um pai. Não fui criado por um. Tentei transferir a identidade dele para outro homem, mas não consegui. Fico me perguntando o que seria diferente, o que aconteceria se estivesse vivo, se me visse crescer, entre outros. As vezes sinto falta dele e me culpo por não ter um pai.

Por outro lado, me pergunto, o que é pior: "não ter um pai, ou ter um pai ausente?". O pai ausente do filme conseguiu se redimir, mas me pergunto, é assim de uma forma geral? Talvez se tivesse meu pai vivo, Deus o sabe, que problemas ele traria para ele e para a família, e talvez ele morresse, sem nunca eu pedi perdão pelos seus erros. J-J






FELIZ DIA DOS PAIS!

Por: Emerson Garcia

13 comentários :

  1. Já ouvir falar muito bem sobre esse filme. A fotografia é linda! :)

    bjs
    breveverdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Tenho mesmo de ver, deve ser lindo.

    ResponderExcluir
  3. Que postagem magnifica, essa sua. O elo, entre Pai e Filho, tem sim que ser mais intenso. Com tanta aproximação, quanto com a Mãe. parabens sim, pelo seu texto. Uma postagem didática.
    Felicidades, pra voce.

    ResponderExcluir
  4. Mas claro, eu espero que meus filhos tenham um bom pai, presente, e se ele não for nada disso, não será pai dos meus filhos ou vai ter de aprender a ser na marra.


    Facebook | Blog Beijolas
    Sartuday Night Live Brasil! | Rock of Ages: O filme!

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito do que você escreveu!
    Já tinha visto esse filme mas mão sabia do que se tratava!
    Deve ser legal!
    Beijos
    Neversaynever-believe.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. O filme é lindo mesmo, a fotografia é um primor!

    http://naomemandeflores.com

    ResponderExcluir
  7. Muito show adorei a resenha comprei esse filme ontem kkk ainda nem assisti to mega curioso vou assistir nesse fds. adorei o post realmente min deixou c/ muita curiosidade.

    Da uma passadinha no meu blog ?
    -> Estilo 4 U

    Abração

    Não deixe de conferir...
    Sorteio Sideway | Facebook
    Tem sorteios para divulgar? então acesse: Tem sorteio

    ResponderExcluir
  8. Que legal a sua opinião sobre o filme, gostei!
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Eu já ouvi falar sobre esse filme,curti sua opinião,você é um excelente crítico :D
    wolftheideia.blogspot.com.br

    Está rolando o primeiro sorteio do meu blog,não deixe de participar!
    http://wolftheideia.blogspot.com.br/2012/07/1-sorteio-do-mippc.html

    ResponderExcluir
  10. Preciso ver esse filme!
    Amo filmes que são só para passar tempo, mas também nos fazem pensar :)


    Obrigada pelo comentário sobre o meu produto!

    Beijão

    ResponderExcluir
  11. Olá, quero te convidar para dar uma curtida na nossa fã page no Facebook, ficaremos gratos a sua curtição =D

    https://www.facebook.com/pages/Garotos-Modernos/242559912489324

    ResponderExcluir
  12. Eu amo e odeio filmes Dramáticos! Sabe, a história é sempre tão, mas tão perfeita, que toda vez que termino de assistir fico com um rancor, uma melancolia sabe? Só eu mesmo não é? Mas a história desse dai parece LINDA *-*
    Abraço!
    http://blog-part-of-me.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigado por mostrar seu dom. Volte sempre ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design