sábado, 30 de janeiro de 2016

A cidade planejada que eu não planejei me perder




Quem já se perdeu no caminho para um lugar? Quem já pegou ônibus errado? Quem já teve que andar mais do que devia para chegar ao destino? Tudo isso aconteceu comigo recentemente em duas situações diferentes. Enganou-se quem pensou que os fatos acabaram com o meu dia. Pelo contrário, consegui contornar os incidentes, por meio de otimismo e resiliência.

Para quem não sabe, eu resido em Brasília. Não! Minto! Eu moro há alguns quilômetros do centro do país, mas não deixa de ser dentro do Distrito Federal. A capital do Brasil compreende a região central, as asas (Asa Sul e Asa Norte) e os Lagos (Lago Sul e Lago Norte). Tudo que foge disso, sinto informar, não é Brasília, mas regiões satélites. Toda estrutura do centro do país foi bem organizada, mas eu me perdi por duas vezes, mesmo tendo noções de localizações e a estrutura mental na minha cabeça. Por exemplo, quando se fala em Asa Norte, se fala de uma região que compreende várias outras subestruturas: W3 Norte, Eixo Norte, L2 Norte e Lago Norte. Assim mesmo! Nessa ordem de sequência. 

Pronto. Situei vocês um pouco no que é Brasília. A cidade planejada que eu não planejei me perder.

A primeira situação que aconteceu comigo foi no final do ano passado, quando estava na Rodoviária do Plano Piloto (Região Central de Brasília) e precisava chegar até a Unieuro do Setor de Embaixadas Sul (Região Sul de Brasília). Embarquei em um ônibus cujo percurso compreendia L2 Sul-W3 Sul, e depois retornava para a rodoviária. Logo que entrei no ônibus perguntei para a cobradora: 

- Passa na Unieuro do Setor de Embaixadas?
- Eu não sei te informar. Eu nunca fiz essa linha, ela respondeu.


Ixi! Já vi que ia dar tudo errado. Uma cobradora que não sabia de nada; eu perdido; e ainda, sobretudo, chovia.

Passei a roleta preocupado e já sabendo que ia dar ruim. Mesmo assim, criei estratégias para isso não acontecer de fato. A primeira delas, foi conectar rapidamente meu celular ao Wi-Fi da rodoviária (Sim! Eu também fiquei espantado com internet de graça em um local público. Nunca pensei!) antes que o itinerante saísse da região do sinal de internet - que foi entre 5 e 7 min. "Pronto. Conectei o Wi-Fi. Agora deixa eu correr pra acessar o Google Maps, inserir o endereço da Unieuro e entender o percurso que o ônibus fará", pensei. Foi aí que eu acessei esse mapa e tirei print:

Rodoviária: bolinha cinza na ponta azul superior.
Unieuro (meu destino): bolinha vermelha com o ícone de localização na ponta azul inferior.


"Ih, cara! O ônibus não passa lá, mas fica próximo. Ele faz o caminho oposto ao meu destino, mas acho que dá pra contornar isso", conversei com meus botões. E dava pra contornar, só que eu não prestei atenção no detalhe que faltava: a parada que teria que descer. Era a última da L2 Sul, antes do ônibus dobrar para entrar na W3 Sul (via que está acima da linha azul). "Socorro! Meu Deus do céu! Para onde estou indo?! O ônibus está a léguas do lugar que teria que descer! Só eu mesmo". O caos estava instaurado.

E agora? Descer do itinerante na W3 Sul e pegar outro ônibus? Ir embora? Sentar e chorar? O que fazer? "Permanecer no lugar que está, seu bobo. Afinal, você ainda tem tempo de sobra até chegar ao seu destino. Finja que nada aconteceu. E se alguém (motorista ou cobradora) perguntar o que você está fazendo ainda aí? Ué, diz que se perdeu, seu idiota", esse sou eu conversando comigo mesmo viu, gente?

Eu dentro do ônibus como se nada tivesse acontecido:


O ônibus chegou na rodoviária, fiquei calado, mas com aquela sensação de Dejá-vu (ou seja, eu já vi isso e vou ser burro de novo).

- Pra onde você vai?, a cobradora ou a má informada pergunta pra mim.
- Estou indo para a Unieuro, do Setor de Embaixadas Sul, mas estou perdido, respondo.
A cobradora não disse nada, mas fez essa cara:


Ela queria rir de mim, mas não podia. Imagina o que o motorista estava pensando então?!



E lá vamos nós de novo! Mesmo percurso. Mesmo ônibus. Mesmas dúvidas. Mesma cobradora. Mesmo motorista.



Além da tática do print do mapa, precisava de outra, pra não me perder pela segunda vez. Foi aí que tive a brilhante ideia (por que eu não tive da primeira vez?) de falar pra cobradora:

- Na última parada da L2 Sul você pode dizer pra mim?
Ela respondeu:
- Posso sim. Você (motorista) pode parar pra ele na última parada?
O Motorista respondeu:
- Ok. 


Seria tão mais simples fazer essa pergunta da primeira vez, né? Evitaria muita coisa. Mas consegui contornar o meu desgaste com otimismo e bom humor. Desci na última parada da L2 Sul, com confiança e esperança que no final do meu percurso avistaria a Unieuro. E foi o que aconteceu: cheguei antes do horário lá. 





A segunda situação foi no domingo passado, quando precisava estar no Iesb da L2 Norte. Novo desafio. Nova região de Brasília. E a possibilidade de me perder de novo. E foi o que aconteceu!

Um dia antes, recebi uma mensagem que dizia a localização exata do Iesb. No sms dizia mais ou menos assim: 

"Fica localizado na Asa Norte, L2 Norte, quadra 609 Norte".


Lembra lá em cima que eu falei que Brasília é toda certinha e bem organizada?! Pois é. De fato é assim, e a mensagem estava certinha. Confusa e desorganizada é minha cabeça. Ao embarcar na minha cidade peguei W3 Norte, achando que o ônibus passava no local. Claro que não passava né?! O ônibus que eu teria que pegar era L2 Norte. 

- Esse ônibus não passa na 609 Norte, o cobrador respondeu quando perguntei se passava.
- Então eu tenho que pegar um pra L2 Norte né?
- Sim.
- E onde eu posso pegar o L2 Norte?
- Em qualquer parada do W3 Norte. 


Lá estava eu perdido de novo. Sem saber o que fazer.

Sou daqueles que planeja tudo. Horário, dinheiro de passagem, que horas eu tenho que sair de casa, se vai chover, se vai fazer frio. Nesse dia eu tinha planejado - embora não parecesse por causa do meu vacilo - tudo isso, sobretudo, quanto de dinheiro teria que gastar na ida e na volta. Se eu pegasse outro ônibus, iria pra casa andando. O dinheiro estava contado. 

Foi aí, que durante aquele trajeto da W3 Norte, coloquei minha cabeça pra pensar: "Brasília é toda planejada e organizada. As Asas Norte e Sul, por exemplo são opostas, mas elas se completam. Tudo que tem de um lado, tem do outro. A Asa Sul corresponde a Asa Norte. A L2 Sul, por sua vez, corresponde a L2 Norte. E até mesmo os Lagos Sul e Norte são correspondentes". Resumindo: "Eu só me perco nesse lugar se eu quiser".




"Já que tudo é correspondente, se eu preciso estar na 609 Norte, devo descer na parada correspondente a isso: 109, 209, 309, 409, 509...". E eu me surpreendi comigo mesmo com esse pensamento, já que sou péssimo em matemática e com raciocínio lógico. 

- Só eu que entendo de arquitetura, urbanismo e localização?
- Sim! Só você!
O nerd
O Oscar Niemeyer
O ganhador do prêmio Nobel
O pioneiro de Brasília

O diferentão.



E foi assim que eu desci na 509 Norte, rumo a uma aventura louca, alucinante e improvável até a 609 Norte.

Eu sou aquele bonequinho do Whatsapp, que desceu na W3 Norte, passou pelo Eixão Norte, rumo a L2 Norte, sem saber se encontraria, ou não, o Iesb.


Eu não tinha a noção certa de quantos quilômetros teria que andar, e nem o que eu iria encontrar entre a 509 Norte e a 609 Norte, mas fui com fé, com espírito aventureiro, parecendo que eu era o Rock Balboa #sqn, até que eu me deparei com isso:



Era domingo, e o Eixão Norte fica fechado para atividades físicas, como corrida, caminhada e ciclismo. Não me lembrava disso, e lá vai o "super atleta" atravessar a multidão de esportistas:

Desculpem a ilustração tosca. Mas o que vale é a intenção kkkk


Depois de andar por 15 min (até que da W3 Norte para a L2 Norte não é tão longe) e passar por todas as variações de noves que se possa imaginar (109, 409, 209...), de atravessar pistas e se aventurar no meio de carros, de passar por debaixo de blocos e superquadras, com prédios, árvores, e tudo que você puder pensar, eis que chego até a L2 Norte, e olho para a minha direita, quando vejo mais a frente uma miragem: uma parede vermelha, da cor que costuma ser os prédios do Iesb. Cheguei!





Essas foram as aventuras na cidade planejada que eu não planejei me perder, mas me perdi. Contudo, aprendi com esses episódios que tudo que acontece na vida da gente é para melhorar. Que possamos enfrentar os incidentes com otimismo, resiliência, fé e esperança. J-J


Por: Emerson Garcia

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

5Q: O caçador de pipas







Moral
Por quem você faria 'mil vezes' alguma coisa? Em um relacionamento, a doação de sentimento é igual de ambas as partes? Um erro do passado pode ser restaurado?

Cena boa
A cena em que Amir descobre que o filho do seu melhor amigo tem uma ligação muito forte com ele. Eu fiquei boquiaberto e pensei: "como assim?". 

Cena ruim
Talvez as cenas que passam logo depois da infância de Amir e Hassan. Foram poucas emocionantes, talvez pelo fato de Hassan sumir da trama de uma hora para outra. Mas o filme consegue recuperar o fôlego.

Perfil
Amir e Hassan são amigos, que dividem aventuras, histórias e campeonatos de pipa. Os dois formam uma bela parceria. Amir admira Hassan por sua habilidade em caçar pipas. Hassan é mais devoto a Amir, sendo capaz de fazer tudo por seu amigo. Amir não faz tudo por Hassan, não o protegeu quando ele mais precisou, e o acusou de roubo. Ambos crescem e se distanciam, e agora Amir terá a chance de se redimir.

Opinião
Assisti esse filme duas vezes, a última foi no início desse ano. É uma boa produção, feita para quem tem estômago forte e para quem quer chorar rios. Embora com uma bela mensagem e a fortaleza de uma amizade, o filme pode não agradar a todos, por trazer cenas morosas e um ritmo mais calmo, de pouca ação. A primeira parte, que explora a amizade dos dois foi bem trabalhada, mas quando há uma passagem de tempo, o filme torna-se pouco interessante. Contudo, ele consegue recuperar a atmosfera mais a frente. Não li o livro ainda, então não posso comparar as duas obras.  J-J


Por: Emerson Garcia

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Aquela cena: Inocente bebê em "Ninguém segura esse bebê"



Em minha estreia neste quadro do Jovem Jornalista lembro-me de uma das cenas mais engraçadas do filme Ninguém segura este bebê (Baby's day out) onde um inocente bebê - que fora sequestrado pelos três bandidos Eddie (Joe Mantengna), Norby (Joe Pantoliano) e Veeko (Brian Haley) - vive uma aventura inspirado pelo livro lido por sua babá Gilbertine (Cynthia Nixon).



Baby Brink (os gêmeos Adam Robert e Jacob Joseph Worton) acaba num edifício em construção - o local faz parte do livro que o bebê gosta. Eddie, bem pertinho de recuperar a "sua aposentadoria", acaba escorregando na saliva deixada por Baby Brink, fica tonto e sem querer puxa um cabo onde é banhado por uma cola gosmenta. A cena mostra como um inocente bebê conseguiu - sem querer - acabar, de forma divertida, com os seus sequestradores.

Publicado por Emerson Garcia em Quinta, 14 de janeiro de 2016




O filme já havia passado na Rede Globo muitas vezes, mas por motivos desconhecidos está fora do ar. Vale a pena ver esta cena. Vale a pena ver este filme. J-J


Por: Pedro Blanche

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

O estúpido boicote a cerimônia do Oscar©: uma latente hipocrisia e segregação forçada

Caracóis! Cada vez mais adio o assunto dos atentados na França por conta dos imprevistos. Bem, o material é quente e posso abordar tranquilamente. A matéria da França vai esperar. Mas isto não pode. A burrice e a desinformação deve ser revelada e evitar a adesão de mais idiotas úteis.


 
Um prêmio cobiçado ou um prêmio de consolação?

Na semana do feriado de Martin Luther King Jr, o diretor Spike Lee publicou uma carta aberta (primeira parte aqui) e (segunda parte aqui) em sua rede social afirmando que pela segunda vez consecutiva não havia negros na indicação do maior prêmio do cinema. Spike Lee é famoso por dirigir o filme Faça a coisa certa (Do the right thing – este indicado ao Oscar© de Melhor Roteiro Original em 1989) e o videoclipe de Michael Jackson em 1995 (a canção They don't care about us), além de este ano ganhar o Oscar© Honorário.

Desculpem o palavrão: p0#%4! Como assim pela segunda vez? Você quer que cada ano ganhe um negro só por ganhar? No registro, a última vez que um negro ganhou a estatueta foi em... 2014! Alguém se lembra? Eu me lembro.






Histórico

Ano de 2005: com dois atores negros e nada de Oscar© ao Leonardo DiCaprio? De novo? | AMPAS


Vamos nos concentrar: a primeira pessoa negra a ganhar um Oscar© foi Hattie McDaniel na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante no filme ...E o vento levou (Gone with the Wind) em 1940. 





E nem cito outros que ostentaram o galardão. É só procurar: Denzel Washington, Whoopi Goldberg, Sidney Poitier, Cuba Gooding Jr., Jamie Foxx, Halle Berry, Morgan Freeman, Forest Whitaker... JÁ ACABOU, JÉSSICA? 

Se levarmos em conta a quantidade de negros dentro da população norte-americana (em torno de 13%) é clarividente que não há uma segregação por negros serem negros. Uma grande quantidade de estes excelentes artistas receberem indicações e vitórias no Oscar© é a prova viva de que os Estados Unidos integrou esta parte da população em nome dos princípios que norteou a formação desta nação. Sem contar que a questão da escravatura foi motivo de quase separação entre os estados do Norte e do Sul – veja a Guerra da Secessão.

Até Will Smith aderiu a esse boicote liderado por sua esposa, Jada Pinkett-Smith (ou era isso ou ele dormiria no sofá). Este mesmo Will Smith que PERDEU DUAS VEZES uma indicação do Oscar© DE OUTROS ATORES NEGROS num intervalo de cinco anos! (2002 e 2007). Sem contar que em 2002 o vencedor foi Denzel Washington (que ganhou um Oscar© em 1990). Confiram aí, porque “contra fatos não há argumentos”:









Terríveis consequências do boicote: a raiva, a suspeita e a divisão


Hipocrisia. Por que não cobram “igualdade” do partido político favorito das estrelas de Hollywood? | joepags.com


E para completar o pacote de desgraças, a presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas (AMPAS em inglês) Cheryl Boone anunciou que a partir de 2017 haverá “diversidade na distribuição dos prêmios”. Nós já vimos este filme antes... A velha cota. No Facebook, em um longuíssimo texto a respeito, Alexandre Borges, diretor do Instituto Liberal (não o ator global) apontou para as consequências do boicote:

“O mais triste desse movimento é jogar uma nuvem de suspeição sobre os negros que conquistarem estatuetas a partir de 2017. Como saber agora se venceram por mérito como seus antecessores ou seu prêmio foi fruto de uma ação afirmativa? A festa do Oscar© (grifo meu) é a próxima vítima da insanidade ideológica da esquerda americana, a mais poderosa, influente e odiosa do planeta. A esquerda americana, como esta página sempre repete, é o verdadeiro inimigo.”


Alexandre acertou os responsáveis por isso. Não foi a toa que tivemos ondas de reclamações de certas atrizes por “ter menos mulheres no cinema” (mesmo não levando em conta o fator “capital humano” – que tratarei em breve). É a porcaria da Esquerda dos Estados Unidos: sempre a postos para dividir os americanos para obter algum poder... Não é por acaso que algumas figurinhas carimbadas como Mark Ruffalo e Michael Moore foram na onda da hashtag #OscarsSoWhite.

Agora vai ter cota para negros, mulheres, gays, caolhos, anões no Oscar© para “colorir e diversificar” a distribuição de prêmios. Esqueça o mérito, o esforço, o valor do trabalho e outras coisas que fizeram os EUA serem o país de hoje. A SEGREGAÇÃO GERA ÓDIO E ISSO ESTÁ METICULOSAMENTE CALCULADO POR ESTA ESQUERDA. Nada é coincidência.

Partindo deste raciocínio, reivindico a inclusão de jogadores brancos na NBA e por que não deram um prêmio ao mestre Jackie Chan pelo conjunto da obra? Como ficará a imagem da cerimônia da Academia se esta premiação deixar de ser o norte de obsessão de muitos profissionais na área?

Tomando partido de mentiras, preconceitos e distorções históricas a repórter do SBT, Yula Rocha confunde os telespectadores brasileiros ao chegar a uma conclusão que negros e mulheres não ganham o Oscar© porque a maior parte dos jurados é composta de homens, brancos e velhos. Um cinismo. Clique aqui para assistir.

Este é o nosso jornalismo brasileiro. Apenas uma repetidora das lorotas esquerdistas ianques, este mesmo jornalismo que apenas tem a CNN e o The New York Times como ‘fontes confiáveis’ de informação quando não são.


Um olhar sóbrio e esclarecido a questão

Mais inteligente e corajosa foi a atriz britânica Charlotte Rampling em dar a real sobre o assunto. Ela afirma que é errado classificar pessoas pela cor ou outra categoria semelhante e disse que o boicote é racismo. Ponto para Charlotte. Quem disse que os negros não cometem racismo?

No mais, o talento, o capital humano, o esforço e quaisquer artifícios que norteiam o mérito, devem ser os critérios para premiar os melhores não importando quem for. Até aqui eu, Pedro Blanche, nunca disse e deixei evidente de forma direta e indireta que não há racismo nos EUA nas diferentes áreas de atuação. Porém rechaço qualquer meio de dividir uma nação com base em mentiras.

Encerro este texto com o conselho de Morgan Freeman – vencedor do Oscar© de Melhor Ator Coadjuvante em 2004 com o filme Menina de ouro (Million dollar baby) – sobre como contribuir para acabar com o racismo. Até mais, pessoal. J-J





P.S: A marca “Oscar©” é da Academy of Motion Picture Arts and Sciences.

Por: Pedro Blanche

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Cinema/16 II



Vamos continuar com as estreias do cinema em 2016. A segunda parte está repleta de ação e filmes de super heróis. Talvez seja a parte mais aguardada pela maioria de leitores. Enfim, essas produções irão falir vocês!


Deadpool




Deadpool é o filme do mercenário tagarela, desbocado e vítima de câncer. Ryan Reynolds interpretará o anti herói mais incorreto do universo Marvel. Na trama, ele descobre que está com câncer em fase terminal e encontrará uma possibilidade de cura, através de uma sinistra experiência. Agora, ele está disposto a se vingar do homem que destruiu sua vida, com violência, erotismo, humor negro e um vocabulário bem sujo.

Data de estreia: 11/02/16







Capitão América: Guerra Civil



Esse filme também está sendo conhecido como Vingadores 2.5, e traz dois dos principais vingadores: Capitão América e Homem de Ferro. Steve Rogers, é o atual líder dos vingadores. O ataque de Ultron faz com que políticos busquem formas de controlar os super heróis. Tal decisão colocará o Capitão América em rota de colisão com Tony Starck, o Homem de Ferro. E agora, quem ganhará essa guerra civil?

Data de estreia: 28/04/16 







Batman Vs. Superman: A origem da justiça



Talvez um dos filmes mais esperados desse ano. A reunião, embate, duelo, de duas das maiores lendas dos quadrinhos e do mundo dos super heróis. Após os eventos de O homem de ferro, Superman acredita ser uma lenda e o grande herói do mundo, até que Batman não concorda muito com isso e o enfrentará. Enquanto isso, uma ameaça surge.

Data de estreia: 24/03/16






Doutor Estranho



Conheça a história do maior mago da Marvel. Doutor estranho é um cirurgião desfigurado que terá uma nova chance na vida quando um feiticeiro o treina para ser o Mago Supremo. Essa é a chance da Marvel tentar algo totalmente novo, com teor psicodélico, psicológico, alucinógeno e entorpecente. Ainda não tem trailer.

Data de estreia: 03/12/16


As caça-fantasmas



O terceiro filme de Os caça-fantasmas (1984) vem aí, mas repaginado, e com uma equipe feminina. O longa misturará comédia, ficção científica e ação, e terá a diva Melissa McCarthy no elenco. Quando Patty Tolan presencia eventos estranhos no subterrâneo de um metrô, Erin, Abby e Jillian se unem e partem para a salvação da cidade e do mundo. Ainda não tem trailer.

Data de estreia: 14/07/16



Esquadrão Suicida



A DC Comics, pretende derrubar todos os forninhos com um filme cheio de vilões e antagonistas. A agente governamental Amanda Waller decidiu que uma ameaça enigmática e insuperável só pode ser vencida por maus elementos. Daí, são reunidos os super vilões mais perigosos já encarcerados mas algo inesperado acontece.

Data de estreia: 04/08/2016






X-Men: Apocalypse



Outro filme aguardado de 2016. A produção trará o mais antigo e perigoso de todos os mutantes: Apocalypse. Originado no antigo Egito, ele segue vivo e forte, por ter adquirido poderes de outros mutantes, e também por ter encontrado o segredo da imortalidade. Essa será a continuação de Dias de um futuro esquecido, e trará o vilão com o desejo de reconquistar o planeta. Para isso, ele recruta alguns mutantes, mas outros terão que enfrentá-lo e salvar a humanidade.

Data de estreia: 26/05/16







Convergente



Vem aí a primeira parte da conclusão da série Divergente: Convergente. A sociedade dividida por facções desmorona, e Tris terá que enfrentar novos desafios e a perseguição do governo. Desafios tais que envolvem coragem, fidelidade, sacrifício e amor.

Data de estreia: 17/03/16






A 5ª onda



Um filme que misturará ficção científica e ação. A terra sofre vários ataques alienígenas. Quando a 5ª onda (extermínio da raça humana) se aproxima, Cassie Sullivan se levanta como heroína para proteger seu irmão mais novo e a Terra. Em um mundo apocalíptico, as dúvidas surgem, e fica mais difícil saber em quem depositar a confiança. O filme estreou dia 21.






Animais fantásticos e onde habitam



Para os órfãos de Harry Potter, vem aí mais um filme baseado em magia e bruxaria, e em um livro da lacradora J.K. Rowling. O filme passa-se no mesmo universo de HP, só que durante os anos 70, e acompanhará a jornada de um excêntrico magizoologista, Newt Scamander, que viaja até Nova York com uma misteriosa maleta onde carrega uma coleção de fantásticos animais do mundo da magia. Em certa ocasião, alguns desses animais fogem, e é aí que a aventura começa. O filme promete trazer novos feitiços, novos perigos, novos personagens e novos vilões, desse fabuloso mundo mágico.

Data de estreia: 17/11/16






Assassin's Creed- O filme



Também teremos adaptações de games para as telonas. Assassin's Creed é um deles, e mostrará batalhas medievais. Callum Lynch descobre que é descendente de uma ordem de assassinos, que voltará ao presente para enfrentar os Templários. Não há data definida para a estreia ainda.






X-men origins: Gambit



Não temos o trailer ainda desse filme, e nem uma sinopse bem elaborada. Inclusive, esse poster não é o oficial, ele foi feito por um fã. O que se sabe até o momento é que será o filme solo do mutante Gambit, que será interpretado por Channing Tatum. Mas já dá pra ter uma base com o que se tem nos hq's. Gambit possui a habilidade de manipular energia cinética, arremessar cartas e lutar. Ele é um mutante cajum e é descendente dos acadianos.

Data de estreia: 06/10/16


Os 8 odiados



O 8º filme de Quentin Tarantino estreou no último dia 07. O filme começa em um cenário totalmente inóspito: a neve e o frio. De acordo com críticas, Tarantino realiza um banho desregrado em Os oito odiados. A produção é para os mais fortes e maiores de 18 anos. O filme conta a história de 8 pessoas que não se conhecem e que estarão abrigadas em uma cabana no deserto. Todas elas possuem segredos, e um confronto, estilo faroeste, como só Tarantino sabe fazer, se iniciará.





Essas foram algumas das estreias de 2016. Claro que não deu pra colocar todas, se não esse post ficaria exaustivo. E aí, dessa lista, estão ansiosos por qual filme? J-J


Por: Emerson Garcia

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Uma opinião sobre disciplina de filhos

Antes do JJ entrar de férias, pedi aos queridos leitores que mandassem ideias de pautas e temas para discutir no retorno do hiatus. A leitora Jeice Cruz mandou uma sugestão:

Seu desejo é uma ordem!


A notícia que Jeice Cruz se refere, foi veiculada no G1 no dia 03 de janeiro, com o título Homem raspa cabelo da filha de 12 anos e é preso na Serra, ES. Primeiramente, quem sou eu para julgar a forma como pais educam seus filhos. Cada um educa da forma que achar correta. Uns na base do diálogo, outros por meio de correções corporais. Em minha opinião não existe jeito certo de educar. Eu já apanhei para ser corrigido e não tenho trauma disso. 

Contudo, preciso admitir que alguns pais optam por métodos violentos e humilhantes, que não ajudam em nada no desenvolvimento do caráter e personalidade dos seus pequenos. Existe uma diferença imensa entre "corrigir com a vara" e "deixar marcas com a vara". Progenitores não sabem a medida certa da correção e depositam toda sua raiva, rancor e frustração em seus filhos. Eles acham que quanto mais doer, mais serão corrigidos e aprenderão. Mal sabem eles que quando uma criança é disciplinada ela chora mais por conta da correção, do que pela dor. Então por que deixar marcas?

O caso do pai e da filha que pintou o cabelo de papel crepom é bem mais grave. Não foi apenas danos físicos, quando seu pai raspou seu lindo véu encaracolado, mas também psicológicos. O pai queria puní-la, mas somente viu aquele momento. Será que ele parou pra pensar o tempo que levará para o cabelo crescer novamente? Ou então, como sua filha está psicologicamente? Não. Até porque, como diz no ditado: "Quem bate esquece. Quem apanha jamais esquece"


Como você corrigiria esse filho que sujou a parede com mãos com tinta?


De fato, todas as vezes que apanhei jamais me esqueci, mas não guardo mágoa e rancor da minha mãe. Eu lembro dessas correções físicas como benéficas para o meu caráter. A menina, por sua vez, também se lembrará desse episódio, mas só ela sabe as marcas que seu pai deixou em seu psicológico.

Sou a favor da correção, não do vexame ou humilhação. E para mim, essa garota foi humilhada por seu pai. Ele não deveria ter tomado uma atitude tão drástica, sabendo que o cabelo de uma mulher é algo "sagrado". 


Comentário de leitor na notícia do G1.



Se ele queria corrigí-la, que procurasse outra forma para isso. Embora eu tenha algumas reservas quanto à não-gravidade de uma menina pintar o cabelo de papel crepom - até porque dois dias depois se lava e aquilo sai - se ele julgou importante aplicar a disciplina, que ele até batesse, colocasse de castigo ou utilizasse a "pedagogia dos cortes", mas que não fizesse o que fez.  

Emerson, você tem probleminha? Preferia que o pai batesse em sua filha ao invés de cortar o cabelo? Sim, de acordo com o que falei até agora, preferia sim, conquanto que não deixasse marcas graves na garota. Até porque, perder o cabelo irá trazer mais prejuízos a ela que qualquer atitude.


Juízo final: tapa na cara ou corte de cabelo?


Ele poderia optar pela não-violência total também. Deixar ela "de cara pra parede" como meu pai deixava meus irmãos (mas não a mim porque eu era bebê demais), proibir ela de sair pra casa das amigas e deixá-la trancada no setor habitacional.

E por último, a "pedagogia dos cortes". "Ficar sem uma coisa, por causa disso e disso". Bem eficaz e causa efeitos corretivos. O pai poderia dizer: "Você vai ficar sem redes sociais, sem Whatsapp, porque pintou o cabelo de verde com papel crepom". Ela ia sofrer, se escabelar - hoje ninguém vive mais sem redes sociais - mas iria ser corrigida. Ao utilizar essa metodologia, o pai não poderia deixar de explicar os motivos pelos quais a filha iria ficar sem as redes sociais. Isso é muito importante.

Porém, como disse, quem sou eu para julgar como um pai deve corrigir seus filhos? Eu, quando for pai, optarei por outras formas de correção, que não a violência corporal. Tem muitas formas eficazes para disciplinar os meninos e livrá-los do perigo de tornarem-se maus, violentos e caras de pau. 

Contudo, há aqueles que optam por não corrigir seus filhos, o que os deixam sem limites, rebeldes e indisciplinados. E aí também está um grande perigo: um filho que não respeita os pais, que não está debaixo de uma autoridade, sofrerá muito depois. A própria sociedade irá corrigí-lo, e não será de uma forma branda.

Com o rei na barriga. O perigo de não corrigir os filhos. I JW



Juízo final: comentários extremistas e um válido

Esse é o meu ponto de vista sobre o fato, mas a Jeice Cruz também disse que "houveram muitos comentários machistas, mas também muitos feministas" na notícia reportada. Pude constatar isso bem. Leitores que foram a favor do pai; outros da menina. Alguns dos depoimentos foram extremistas, com alto teor de julgamento e falta de compaixão. Já outros, compassivos.

O comentário abaixo me revoltou por ser extremamente machista. Parece que não é um pai que está falando, mas "um machão da esquina". Você pode corrigir sua filha, mas chamá-la de "vagabunda" e expor sua força de macho, não.


Uiii! Que macho!


Já esses, mostram como o pensamento dos homens ainda está retrógrado. Mulher tem que ficar em casa e não pode passear com amigas. Sendo que ela poderia ser uma mãe que desse assistência a sua filha, mas também que vivesse uma vida normal. Mulher não pode fazer nada, mas homem, sim. Até raspar o cabelo da filha.



Lugar de mulher é dentro de casa.




E olha o que você fez com a responsabilidade do pai sobre a filha...



Além dos comentários, que defenderam a menina e seu cabelo, a opinião abaixo chamou-me a atenção, por ver a situação com sensatez e sobriedade. 



 Comentário sensato.



Talvez o meu posicionamento sobre o fato mostrou que sou feminista, mas a questão, ao meu ver, não é estar do lado dos machos alfas ou das mulheres. A notícia não deveria ter gerado guerra de gêneros de forma alguma. Deveria ter gerado reflexão, se a atitude do pai foi correta, ou não. Creio que eu esteja não do lado do feminismo, mas da análise crítica sobre o fato. J-J


Por: Emerson Garcia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template por Kandis Design